Caetano posa para foto de black bloc e critica projeto de lei que veta máscaras em protestos

caetano-veloso

O cantor e compositor Caetano Veloso posou para foto com o rosto coberto em referência a manifestantes do grupo Black Bloc que atua em protestos no Rio de Janeiro e em outras capitais brasileiras. Ele criticou projeto de lei, a ser votado na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), que proíbe o uso de máscaras em protestos de rua.

Caetano se reuniu na quinta (5) com integrantes do coletivo Mídia Ninja, que transmitem ao vivo os protestos na internet. A foto foi divulgada no Facebook pelo Mídia Ninja acompanhada da frase: “CAETANO BLACK BLOC – ‘É uma violência simbólica proibir o uso de máscaras. Dia 7 de setembro todos deveriam ir às ruas mascarados!'”. Em vídeo do Mídia Ninja, o compositor reforça:

— Eu sou apenas um velho baiano, mas moro no Rio há muitos anos e acho que uma cidade como o Rio de Janeiro receber a proibição do uso de máscaras é uma violência simbólica (…) Então, eu penso o seguinte: ‘No dia 7 de setembro poderíamos todos sair mascarados. Essa é uma resposta à violência sem precisar de violência. Pode ser muito bonito.

Na quinta, Caetano e um grupo de artistas e intelectuais também se reuniu com o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame. Eles entregaram a Beltrame uma carta na qual pedem a investigação dos episódios de violência em manifestações no Rio de Janeiro. A reunião ocorreu a portas fechadas.

O movimento foi criado pelo músico Sidney Waismann e conta com os sociólogos Michel Misse, Alba Zaluar e Olga Bronstein e as antropólogas Jaqueline Muniz e Yvonne Maggie, entre outros. A intenção do grupo é que as saídas para os protestos que têm tomado as ruas do Rio sejam sempre pacíficas. As cobranças não se estendem apenas aos PMs. O grupo quer também que manifestantes mais exaltados evitem o confronto.

Nesta semana, a Polícia Civil fez operação em que prendeu integrantes dos black blocsA reportagem do R7 entrevistou o grupo que disse não ser “só vândalo”.

O posicionamento de Caetano acontece em semana em que a Justiça do Rio autorizou a CEIV (Comissão Especial de Investigação de Atos de Vandalismos em Manifestações Públicas) a identificar criminalmente manifestantes mascarados na delegacia. Policiais terão direito a pedir que os rostos sejam descobertos para comparar com os documentos. Eles também poderão encaminhar os manifestantes a delegacias para fazer identificação por impressões digitais e por imagem, para que o material seja usado nas investigações realizadas pela comissão.

A decisão judicial já está em vigor. De acordo com o promotor Décio Alonso, o objetivo da medida é identificar pessoas que já participaram de atos de vandalismo durantes os protestos no Rio.

Também nesta semana votação de projeto de lei que pretende proibir o uso de máscaras em manifestações no Estado foi adiada. Deputados apresentaram emendas a serem agregadas ao projeto na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). O projeto foi apresentado na Casa em regime de urgência, por Domingos Brazão e Paulo Melo — ambos do PMDB.

Apesar de a proposta ter a possibilidade de ser aprovada, black blocs do Rio dizem que a lei não vai intimidá-los.

— Mesmo se for aprovado, não vai dar certo, porque vamos continuar indo com máscara.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s