Comissão Nacional da Verdade recebe, da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos

Comissão Nacional da Verdade recebe, da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, documento com sugestões para relatório final

Nesta quinta-feira, 06 de novembro, foi entregue ao Coordenador Geral da Comissão Nacional da Verdade (CNV), Pedro Dallari, em São Paulo, documento contendo propostas da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (CEMDP) visando a consolidação da democracia no Brasil. Essas propostas poderão ser incorporadas ao relatório final da CNV, no capítulo referente às recomendações ao Estado brasileiro.

aaaaaaaaaaaaaaaa
O documento propõe, dentre outras coisas, que casos de desaparecimento ou execução de pessoas pertencentes a setores marginalizados da sociedade, e sem ligação direta com organizações de resistência à ditadura, possam ser tratados pela CEMDP. A lista oficial do Estado brasileiro reconhece apenas 362 nomes, em sua maioria formada por militantes políticos de organizações urbanas.

No documento, a CEMDP aponta que seja feita uma atualização dos dados sobre as vítimas fatais da repressão ditatorial, incorporando os desaparecimentos ou assassinatos cometidos por agentes públicos contra os presidiários, os camponeses, os operários, os índios e outras minorias étnicas, religiosas e de gênero.

A CEMDP sugere, também, a criação de uma comissão nos mesmos moldes em que foi instituída, para as execuções e desaparecimentos perpetrados por agentes do Estado durante o período democrático, uma vez que a atual arquitetura da segurança pública brasileira é um legado da ditadura civil-militar. Durante a entrega, a presidenta da CEMDP, Dra. Eugênia Augusta Gonzaga, reiterou a importância dos trabalhos da CNV para a consecução dos fins da Justiça de Transição, que envolve, além dos aspectos relativos à memória e verdade, também a instituição de mecanismos que impeçam a reprodução das mesmas violações a direitos humanos (atos de tortura e desaparecimento) durante o período democrático. Nesse sentido, foi sugerida ainda a criação de uma Secretaria Nacional de Justiça de Transição.

Foto: A presidente da CEMDP, Eugênia Augusta Gonzaga, entrega o documento ao coordenador da CNV, Pedro Dallari. Foto: CEMDP

— com Edina Maria.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s