Nick Leeson

Nicholas Leeson (25 de fevereiro de 1967) é um ex-funcionário do banco de investimentos inglês Barings que ficou mundialmente conhecido por ter sido o responsável, sozinho, pela quebra do banco, até então uma tradicional instituição financeira da Inglaterra, o mais antigo banco de investimentos do país, reconhecido em todo o planeta. Atualmente, Nick é CEO do time de futebol irlandês Galway United.

 

Trajetória

Leeson nasceu em Watford, nordeste de Londres, e estudou na escola Parmiter. Tendo concluído o período escolar em 1984, conseguiu um emprego no banco Coutts. Trabalhou em diversos outros bancos até chegar ao Barings, no início da década de 1990. Em 1992, Nick assumiu o cargo de operador de mercados futuros na bolsa de valores de Singapura, a SIMEX (Singapore International Monetary Exchange).[2] O Barings tinha uma cadeira na SIMEX havia algum tempo, porém ela só foi ativada com a chegada de Leeson.

A partir de então, Leeson realizou diversas operações especulativas que, no início, chegaram a gerar ganhos da ordem de £10 milhões, o equivalente a 10% dos ganhos anuais da Barings. Nick recebeu um bônus de £130 mil em seu salário de £50 mil.

Sua sorte, no entanto, mudou de lado, e ele começou a utilizar uma das contas de erros do Barings (contas utilizadas para corrigir erros de negociação) para esconder suas perdas. Ele criou a conta 88888 – um número considerado de “extrema sorte” na numerologia chinesa. Leeson alegou que a conta foi usada pela primeira vez para esconder um erro cometido por uma de suas funcionárias, chamada Kim: nervosa com a gritaria no balcão de operações, Kim vendeu 20 contratos, ao invés de comprar, causando um prejuízo de £20 mil ao Barings.

No entanto, Leeson acabou utilizando a conta para encobrir outras operações mal-sucedidas. Ele disse que nunca a utilizou em benefício próprio, mas no ano de 1996, o New York Times noticiou investigações sobre contas em vários bancos, todas associadas a Leeson, totalizando 35 milhões de dólares.

A gerência do Barings em Londres ainda permitiu que Leeson acumulasse as funções de operador-chefe e operador comum, funções que normalmente seriam ocupadas por duas pessoas diferentes, tornando a tarefa de enganar a alta administração do Barings ainda mais simples.

A queda

No final do ano de 1992, as perdas da conta 88888 totalizavam £2 milhões, chegando a £208 milhões ao final de 1994.

O começo do fim aconteceu no dia 16 de janeiro de 1995, quando Leeson executou uma operação apostando que o mercado japonês não mudaria de tendência até o dia seguinte. No dia seguinte, um terremoto atingia a cidade japonesa de Kobe, jogando abaixo os mercados asiáticos. Ele tentou recuperar suas perdas realizando uma série de operações severamente arriscadas, desta vez apostando numa rápida recuperação do Nikkei. A recuperação não veio, e tudo o que Leeson fez foi cavar um buraco ainda mais fundo.

O Barings declarou insolvência no dia 26 de fevereiro de 1995. Leeson viajou para a Malásia, para a Tailândia e acabou sendo preso na Alemanha. No dia 2 de março de 1995, foi extraditado para Singapura, enquanto sua esposa Lisa recebeu permissão para voltar a Londres. Leeson foi acusado somente pelos crimes de fraude que cometeu no cargo de operador-chefe, pois todas as suas transações eram autorizadas por seus superiores. Inúmeros estudiosos do caso, e até o próprio Leeson, puseram a maior parte da culpa pelo ocorrido no próprio Barings, cuja auditoria havia cometido inúmeras falhas. As próprias autoridades de Singapura alegaram que os superiores de Leeson deveriam saber da existência da conta 88888.

Condenado a seis anos e meio de cadeia, Leeson foi solto em 1999, com um câncer no cólon recém-diagnosticado, e ao qual sobreviveu – e sobrevive até os dias de hoje.

Leeson escreveu sua autobiografia na prisão, dando ao livro o título de Rogue Trader (Especulador), publicando-o em 1996. A crítica do New York Times sobre o livro dizia que ele “(…) deveria ser lido por banqueiros e auditores de todo o planeta”. No ano de 1999, o livro virou filme, com Ewan McGregor no papel de Leeson.

Leeson hoje

Leeson vive em Barna, oeste da Irlanda. Lisa, a mulher com quem era casado durante seus anos como operador em Singapura, pediu divórcio e se casou novamente. O Barings foi comprado pelo banco holandês ING pela simbólica quantia de £1.

Em junho de 2005, Leeson lançou um novo livro, Back from the Brink: Coping with Stress.

 

Publicações

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Nick_Leeson

 

 

Quilombo dos Palmares é reconhecido patrimônio cultural do Mercosul

Em 20 de novembro é comemorado no Brasil o Dia da Consciência Negra. A data foi escolhida para lembrar a morte de Zumbi dos Palmares, uma das principais lideranças negras da história do País. O nome faz referência ao Quilombo dos Palmares, maior espaço de resistência de escravos durante mais de um século no período colonial (1597-1704).

Estátua em homenagem a Zumbi dos Palmares 
Estátua em homenagem a Zumbi dos Palmares

Foto: Agência Brasil

A Serra da Barriga foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 1985. Em 2007, foi aberto o Parque Memorial Quilombo dos Palmares, próximo à cidade de União dos Palmares, a cerca de 80 quilômetros da capital do Estado, Maceió. O projeto envolveu a construção de instalações em referência a Palmares, como a casa de farinha (Onjó de farinha), casa do campo santo (Onjó Cruzambê ) e terreiro de ervas (Oxile das ervas). O espaço ainda é o único parque temático voltado à cultura negra no Brasil e recebe anualmente cerca de 8 mil visitantes.

Visibilidade

Para Marcelo Britto, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o título de patrimônio cultural do Mercosul significa um reconhecimento internacional importante e também pode estimular a visibilidade da área por brasileiros que ainda a desconhecem.

“Um aspecto importante é a dinamização econômica, uma vez que o bem cultural ganha uma visibilidade para uma projeção de caráter nacional e internacional. Isso favorece iniciativas que tendem a promover o turismo cultural, a geração de empregos que podem ocorrer relacionadas a isso”, afirma.

Referência histórica

Zumbi dos Palmares nasceu na Serra da Barriga, em Alagoas, no ano de 1655
Zumbi dos Palmares nasceu na Serra da Barriga, em Alagoas, no ano de 1655

Foto: Agência Brasil

O Quilombo dos Palmares surgiu no século 16. Residiam nele escravos fugidos das capitanias da Bahia e de Pernambuco. O local chegou a reunir até 30 mil pessoas no seu auge, no século 17, e era organizado em pequenos povoados, chamados de mocambos. Os principais eram Cerca Real do Macaco, Subupira, Zumbi e Dandara. O maior deles chegou a ter 6 mil pessoas, quase a mesma população do Rio de Janeiro à época.

Esses mocambos constituíam uma espécie de república. As decisões políticas eram tomadas pela reunião da liderança de cada um deles em conjunto com o chefe supremo. Essa posição de comando foi ocupada por Acotirene, sucedida por Ganga Zumba e, depois, por Zumbi. No tocante às relações afetivas, Palmares era uma sociedade poliândrica, em que mulheres podem ter relação com diversos homens.

Segundo Zezito de Araújo, professor de história e supervisor de Diversidade da Secretaria de Educação do Estado de Alagoas, Palmares ainda é lembrado muito pela dimensão do conflito, mas deveria ser conhecido por ter sido o primeiro grande movimento de resistência das Américas no período colonial e pela sua organização política.

“A Revolução Francesa é tida como o símbolo da liberdade, mas a luta de Zumbi aconteceu antes. Enquanto em Palmares tínhamos propriedade coletiva, produção para subsistência e para troca, na colônia tínhamos atividade agrícola para exportação e escravidão como base do trabalho. São sociedades opostas”, analisa.

Melhorias no espaço

Na opinião do presidente do Conselho de Promoção da Igualdade Racial de Alagoas, Elcias Pereira, o título de patrimônio cultural será uma oportunidade importante de qualificar o espaço no momento em que o parque memorial completa 10 anos. “Recebendo esse título pode haver a melhoria dos equipamentos. Nestes últimos 10 anos, os investimentos não foram feitos como deviam. O acesso precisa ser arrumado, pois durante boa parte do ano há problema para chegar em razão das chuvas”, aponta Pereira.

Segundo Carolina Nascimento, diretora de Proteção ao Patrimônio Afro-Brasileiro da Fundação Cultural Palmares, responsável pelo parque nacional, ajustes e melhorias no espaço serão feitas a partir de um conjunto de iniciativas que já começaram a ser debatidas em uma oficina realizada neste ano em Maceió.

Entre as ações previstas estão a instituir um comitê gestor da Serra da Barriga, analisar a capacidade de recebimento de pessoas, reassentar algumas famílias ainda resistentes na área, implantar unidades de conservação ambiental, elaborar um plano de conservação e criar um centro internacional de referência da cultura negra.

“Neste momento em que casos de racismo estão se acirrando, o reconhecimento deste bem cultural é uma forma de combater a discriminação racial e valorizarmos a cultura afro-brasileira”, diz a diretora da fundação.

 

Fonte: https://www.terra.com.br/noticias/brasil/quilombo-dos-palmares-e-reconhecido-patrimonio-cultural-do-mercosul,ebd127a3015da47966add2286c04d7e7989kqhe5.html

Equação de Clapeyron

A relação Clausius-Clapeyron , em homenagem a Rudolf Clausius [1] e Benoît Paul Émile Clapeyron , [2] é uma maneira de caracterizar uma descontínua transição de faseentre duas fases da matéria de um único constituinte. Em uma pressãotemperatura (P-T) diagrama, a linha de separação entre as duas fases é conhecida como curva de coexistência. A relação de Clausius-Clapeyron dá a inclinação das tangentes a esta curva. Matematicamente,

{\ Displaystyle {\ frac {\ mathrm {d} P} {\ mathrm {d} t}} = {\ frac {L} {T \, \ Delta v}} = {\ frac {\ Delta s} {\ Delta v}},}{\ Frac {\ mathrm {d} P} {\ mathrm {d} t}} = {\ frac {L} {T \, \ Delta v}} = {\ frac {\ Delta s} {\ Delta v} },

Onde {\ Displaystyle \ mathrm {d} P / \ mathrm {d} T}\ Mathrm {d} P / \ mathrm {d} T é o declive da tangente à curva de coexistência, em qualquer ponto, {\ Displaystyle L}eué o específico de calor latente ,{\ Displaystyle T}Té a temperatura ,{\ Displaystyle \ Delta v}\ Delta vé o volume específico a mudança da fase de transição, e{\ Displaystyle \ Delta s}\ Delta srepresenta a entropia específica mudança da transição de fase.

Derivações

Derivação do postulado estado

Utilizando o postulado do estado , tomar a entropia específica {\ Displaystyle s}spara uma substância homogénea para ser uma função dovolume específico {\ Displaystyle v}ve temperatura {\ Displaystyle T}T. [3] : 508

{\ Displaystyle \ mathrm {d} s = \ left ({\ frac {\ s parcial} {\ partial V}} \ right) _ {T} \ mathrm {d} V + \ left ({\ frac {\ s parciais } {\ T parcial}} \ right) _ {v} \ mathrm {d}} T.\ Mathrm {d} s = \ left ({\ frac {\ s parcial} {\ v parcial}} \ right) _ {T} \ mathrm {d} v + \ left ({\ frac {\ s parcial} {\ T parcial}} \ right) _ {v} \ mathrm {d} T.

A relação de Clausius-Clapeyron caracteriza o comportamento de um sistema fechado , durante uma mudança de fase , durante o qual a temperatura e a pressão são constantes, por definição. Portanto, [3] : 508

{\ Displaystyle \ mathrm {d} s = \ left ({\ frac {\ s parcial} {\ v parcial}} \ right) _ {T} \ mathrm {d v}.}\ Mathrm {d} s = \ left (\ frac {\ s parcial} {\ v parcial} \ right) _T \ mathrm {d} v.

Usando a adequada relação Maxwell[3] : 508

{\ Displaystyle \ mathrm {d} s = \ left ({\ frac {\ P parcial} {\ T parcial}} \ right) _ {v} \ mathrm {d} v.}\ Mathrm {d} s = \ left (\ frac {\ P parcial} {\ T parcial} \ right) _v \ mathrm {d} v.

Onde {\ Displaystyle P}Prepresenta a pressão. Uma vez que a pressão e a temperatura são constantes, por definição, o derivado de pressão em relação à temperatura não se altera. [4] [5] : 57, 62 e 671 Por conseguinte, o derivado parcial de entropia específica pode ser transformada em um derivada total

{\ Displaystyle {\ Delta s} = {\ frac {\ mathrm {d} P} {\ mathrm {d} t}} {\ Delta v}}{\ Delta s} = {\ frac {{\ mathrm {d}} P {} {\ mathrm {d}} T}} {\ Delta v}

e a derivada total de pressão em relação à temperatura pode ser consignado para fora quando a integração de uma fase inicial{\ Displaystyle \ alpha}\alfa para uma fase final {\ Displaystyle \ beta}\beta , [3] : 508 para se obter

{\ Displaystyle {\ frac {dP} {dT}} = {\ frac {\ Delta s} {\ Delta v}}}{\ Frac {dP} {dT}} = {\ frac {\ Delta s} {\ Delta v}}

Onde {\ Displaystyle \ Delta s \ equiv s _ {\ beta} -s _ {\ alpha}}\ Delta s \ equiv s _ {\ beta} -s _ {\ alpha} e {\ Displaystyle \ Delta v \ equiv v _ {\ beta} -v _ {\ alpha}}\ Delta v \ equiv v _ {\ beta} -v _ {\ alpha}são, respectivamente, a variação de entropia específica e volume específico. Dado que uma mudança de fase é uma internamenteprocesso reversível , e que o nosso sistema é fechado, a primeira lei da termodinâmica mantém

{\ Displaystyle \ mathrm {d} u = \ Delta Q + \ delta w = T \; \ mathrm {d} sP \; \ mathrm {d}} v{\ Displaystyle \ mathrm {d} u = \ Delta Q + \ delta w = T \; \ mathrm {d} sP \; \ mathrm {d}} v

Onde {\ Displaystyle u}vocêé a energia interna do sistema. Dada a pressão constante e temperatura (durante uma mudança de fase) e a definição de entalpia específica {\ Displaystyle h}h, nós obtemos

{\ Displaystyle dh = \ mathrm {d} u + P \; \ mathrm {d}} vdh = {\ mathrm {d}} u + P \; {\ mathrm {d}} v
{\ Displaystyle dh = T \; \ mathrm {d} s}dh = T \; {\ mathrm {d}} s
{\ Displaystyle \ mathrm {d} s = {\ frac {\ mathrm {d} h} {T}}}{\ Mathrm {d}} s = {\ frac {{\ mathrm {d}} h} {T}}

Dada pressão constante e temperatura (durante uma mudança de fase), obtém-se [3] : 508

{\ Displaystyle \ Delta s = {\ frac {\ Delta h} {T}}}\ Delta s = {\ frac {\ Delta h} {T}}

Substituindo a definição de calor latente específica {\ Displaystyle L = \ Delta h}G = \ h Delta

{\ Displaystyle \ Delta s = {\ frac {L} {T}}}\ Delta s = {\ frac {L} {T}}

Substituindo este resultado no derivado de pressão dada acima ({\ Displaystyle \ mathrm {d} P / \ mathrm {d} T = \ mathrm {\ Delta s} / \ mathrm {\ Delta v}}{\ Mathrm {d}} P / {\ mathrm {d}} T = {\ mathrm {\ Delta s}} / {\ mathrm {\ Delta v}}), Obtém-se [3] : 508 [6]

{\ Displaystyle {\ frac {\ mathrm {d} P} {\ mathrm {d}}} T = {\ frac {L} {T \ Delta v}}.}\ Frac {\ mathrm {d} P} {\ mathrm {d} t} = \ frac {L} {T \ Delta v}.

Este resultado (também conhecida como a equação de Clapeyron ) equivale a inclinação da tangente à curva de coexistência {\ Displaystyle \ mathrm {d} P / \ mathrm {d} T}\ Mathrm {d} P / \ mathrm {d} T, Em qualquer dado ponto na curva, para a função {\ Displaystyle {L} / {T {\ Delta v}}}{L} / {T {\ Delta v}} do calor latente específica {\ Displaystyle L}eu, a temperatura {\ Displaystyle T}TE a mudança no volume específico {\ Displaystyle \ Delta v}\ Delta v.

Derivação de relação Gibbs-Duhem

Suponha duas fases, {\ Displaystyle \ alpha}\alfa e {\ Displaystyle \ beta}\beta , Estão em contacto e em equilíbrio uns com os outros. Seus potenciais químicos são relacionados por

{\ Displaystyle \ mu _ {\ alpha} = \ mu _ {\ beta}.}\ Mu _ {\ alpha} = \ mu _ {\ beta}.

Além disso, ao longo da curva de coexistência ,

{\ Displaystyle \ mathrm {d} \ mu _ {\ alpha} = \ mathrm {d} \ mu _ {\ beta}.}\ Mathrm {d} \ mu _ {\ alpha} = \ mathrm {d} \ mu _ {\ beta}.

Pode-se, portanto, utilizar o Gibbs-Duhem relação

{\ Displaystyle \ mathrm {d} \ mu = M (-s \ mathrm {d} v T + \ mathrm {d} P)}\ Mathrm {d} \ mu = M (-s \ mathrm {d} v T + \ mathrm {d} P)

(Onde {\ Displaystyle s}sé o específico entropia ,{\ Displaystyle v}vé o volume específico , e{\ Displaystyle M}Mrepresenta a massa molar ) para se obter

{\ Displaystyle – (s _ {\ beta} -s _ {\ alpha}) \ mathrm {d} T + (v _ {\ beta} -v _ {\ alpha}) \ mathrm {d} P = 0}- (S _ {{\ beta}} - s _ {{\ alpha}}) {\ mathrm {d}} T + (v _ {{\ beta}} - v _ {{\ alpha}}) {\ mathrm {d}} P = 0

rearranjo dá

{\ Displaystyle {\ frac {\ mathrm {d} P} {\ mathrm {d} t}} = {\ frac {s _ {\ beta} -s _ {\ alpha}} {v _ {\ beta} -v _ {\ alpha}}} = {\ frac {\ Delta s} {\ Delta v}}}{\ Frac {{\ mathrm {d}} P} {{\ mathrm {d}} T}} = {\ frac {s _ {{\ beta}} - s _ {{\ alpha}}} {v _ {{\ beta}} - v _ {{\ alpha}}}} = {\ frac {\ Delta s} {\ Delta v}}

a partir do qual a derivação da equação de Clapeyron continua como na secção anterior .

Aproximação gás ideal a baixas temperaturas

Quando a transição de fase de uma substância é entre uma fase gasosa e uma fase de condensado ( líquido ou sólido ), e ocorre a temperaturas muito mais baixas do que atemperatura crítica da referida substância, o volume específico da fase gasosa{\ Displaystyle v _ {\ mathrm {g}}}v _ {\ mathrm {g}} excede em muito o da fase condensada {\ Displaystyle v _ {\ mathrm {c}}}v _ {\ mathrm {c}}. Portanto, pode-se aproximar

{\ Displaystyle \ Delta v = v _ {\ mathrm {g}} \ left (1 – {\ tfrac {v _ {\ mathrm {c}}} {v _ {\ mathrm {g}}}} \ right) \ approx v_ {\ mathrm {g}}}\ Delta v = v _ {\ mathrm {g}} \ left (1- \ tfrac {v _ {\ mathrm {c}}} {v _ {\ mathrm {g}}} \ right) \ approx v _ {\ mathrm {g }}

a baixas temperaturas . Se a pressão também é baixo, o gás pode ser aproximada pela lei dos gases ideais , de modo que

{\ Displaystyle v _ {\ mathrm {g}} = RT / P}v _ {{{\ mathrm {g}}}} = RT / P

Onde {\ Displaystyle P}P é a pressão, {\ Displaystyle R}Ré a constante dos gases específicos , e{\ Displaystyle T}Té a temperatura. Substituindo na equação de Clapeyron

{\ Displaystyle {\ frac {\ mathrm {d} P} {\ mathrm {d}}} T = {\ frac {\ Delta s} {\ Delta v}}}{\ Frac {{\ mathrm {d}} P {} {\ mathrm {d}}}} T = {\ frac {\ Delta s} {\ Delta v}}

podemos obter a equação de Clausius-Clapeyron [3] : 509

{\ Displaystyle {\ frac {\ mathrm {d} P} {\ mathrm {d}}} T = {\ frac {PL} {T ^ {2} R}}}{\ Displaystyle {\ frac {\ mathrm {d} P} {\ mathrm {d}}} T = {\ frac {PL} {T ^ {2} R}}}

para baixas temperaturas e pressões, [3] : 509 , onde{\ Displaystyle L}eué o calor latente específico da substância.

Deixei {\ Displaystyle (P_ {1}, T_ {1})}(P_1, T_1) e {\ Displaystyle (P_ {2}, T_ {2})}(P_2, T_2)ser quaisquer dois pontos ao longo da curva de coexistência entre duas fases{\ Displaystyle \ alpha}\alfa e {\ Displaystyle \ beta}\beta . Em geral,{\ Displaystyle L}euvaria entre quaisquer dois desses pontos, como uma função da temperatura. Mas se{\ Displaystyle L}eu é constante,

{\ Displaystyle {\ frac {\ mathrm {d} P} {P}} = {\ frac {L} {R}} {\ frac {\ mathrm {d} t} {T ^ {2}}},}\ Frac {\ mathrm {d} P} {P} = \ frac {L} {R} \ frac {\ mathrm {d} t} {T ^ 2},
{\ Displaystyle \ int _ {P_ {1}} ^ {P_ {2}} {\ frac {\ mathrm {d} P} {P}} = {\ frac {L} {R}} \ int _ {T_ {1}} ^ {T_ {2}} {\ frac {\ mathrm {d} t} {T ^ {2}}}}{\ Displaystyle \ int _ {P_ {1}} ^ {P_ {2}} {\ frac {\ mathrm {d} P} {P}} = {\ frac {L} {R}} \ int _ {T_ {1}} ^ {T_ {2}} {\ frac {\ mathrm {d} t} {T ^ {2}}}}
. {\ Displaystyle \ left \ ln P \ right |. _ {P = P_ {1}} ^ {P_ {2}} = – {\ frac {L} {R}} \ cdot \ left {\ frac {1 } {T}} \ right | _ {T = T_ {1}} ^ {T_ {2}}}\esquerda.  \ Ln P \ right | _ {P = P_1} ^ {P_2} = - \ frac {L} {R} \ cdot \ left \ frac {1} {T} \ right | _ {T = T_1} ^ {. T_2}

ou [5] : 672

{\ Displaystyle \ ln {\ frac {P_ {1}} {P_ {2}}} = – {\ frac {L} {R}} \ left ({\ frac {1} {T_ {1}}} – {\ frac {1} {T_ {2}}} \ right)}\ Ln {\ frac {P_ {1}} {P_ {2}}} = - {\ frac {L} {R}} \ left ({\ frac {1} {T_ {1}}} - {\ frac {1} {T_ {2}}} \ right)

Estas últimas equações são úteis porque eles se relacionam equilíbrio ou saturação da pressão de vapor e a temperatura para o calor latente da mudança de fase, sem exigir dados de volume específico.

Aplicações

Química e engenharia química

Para transições entre um gás e uma fase condensada com as aproximações descritas acima, a expressão pode ser reescrita como

{\ Displaystyle \ ln P = – {\ frac {L} {R}} \ left ({\ frac {1} {T}} \ right) + c}\ Ln P = - {\ frac {L} {R}} \ left ({\ frac {1} {T}} \ right) + c

Onde {\ Displaystyle c}cé uma constante. Para obter uma transição liquido-gás,{\ Displaystyle L}eué o calor específico latente (ou entalpia específica ) de vaporização ; para uma transição sólido-gás,{\ Displaystyle L}eué o calor latente específica de sublimação . Se o calor latente é conhecido, então o conhecimento de um ponto na curva de coexistência determina o resto da curva. Por outro lado, a relação entre{\ Displaystyle \ ln P}\ Ln P e {\ Displaystyle 1 / T}1 / té linear, e assim por regressão linear é utilizada para estimar o calor latente.

Meteorologia e climatologia 

Atmosférica do vapor de água leva muitas importantes meteorológicas fenômenos (nomeadamente de precipitação ), motivando interesse em suas dinâmicas . A equação de Clausius-Clapeyron para o vapor de água sob condições típicas atmosféricas (perto de temperatura e pressão padrão ) é

{\ Displaystyle {\ frac {\ mathrm {d} e_ {s}} {\ mathrm {d} t}} = {\ frac {L_ {v} (T) e_ {s}} {R_ {v} T ^ {2}}}}{\ Frac {{\ mathrm {d}} e_ {s}} {{\ mathrm {d}} T}} = {\ frac {L_ {v} (T) e_ {s}} {R_ {v} T ^ {2}}}

Onde:

A dependência da temperatura do calor latente {\ Displaystyle L_ {v} (T)}L_ {v} (T), E, portanto, da pressão do vapor de saturação {\ Displaystyle e_ {s} (t)}Husa), Não pode ser negligenciada nesta aplicação . Felizmente, afórmula August-Roche-Magnus fornece uma aproximação muito boa, usando a pressão em hPa e da temperatura em Celsius :

{\ Displaystyle e_ {s} (t) = 6,1094 \ exp \ left ({\ frac {17.625T} {T + 243,04}} \ right)}e_ {s} (t) = 6,1094 \ exp \ left ({\ frac {17.625T} {T + 243,04}} \ right) [7] [8]

(Este também é às vezes chamado de Magnus ou Magnus-Tetens aproximação, embora essa atribuição é historicamente impreciso. [9] )

Sob condições atmosféricas típicas, o denominador do expoente depende fracamente sobre{\ Displaystyle T}T(para a qual a unidade é Celsius). Portanto, a equação August-Roche-Magnus implica que a pressão do vapor de água de saturação muda aproximadamente exponencialmente com a temperatura sob condições típicas atmosféricas e, portanto, a capacidade de retenção de água da atmosfera aumenta em cerca de 7% para cada aumento de 1 ° C na temperatura. [10]

Exemplo 

Uma das utilizações desta equação é para determinar se uma fase de transição ocorrerá numa situação dada. Considere a questão de quanta pressão é necessária para derreter o gelo a uma temperatura{\ Displaystyle {\ Delta T}}{\ Delta T}abaixo de 0 ° C. Note-se que a água é incomum em que a sua alteração no volume durante a fusão é negativo. Podemos supor

{\ Displaystyle {\ Delta P} = {\ frac {L} {T \, \ Delta v}} {\ Delta T}} {\ Delta P} = \ frac {L} {T \, \ Delta v} {\ Delta T}

e substituindo

{\ Displaystyle L}eu= 3,34 × 10 5  J / kg (calor latente de fusão para a água),
{\ Displaystyle T}T= 273  K (temperatura absoluta), e
{\ Displaystyle \ Delta v}\ Delta v= -9,05 X 10 -5  metros cúbicos / kg (variação do volume específico de sólido para líquido),

nós obtemos

{\ Displaystyle {\ frac {\ Delta P} {\ Delta T}}}\ Frac {\ Delta P} {\ Delta T} = -13,5 MPa / K.

Para dar um exemplo aproximada de quanto a pressão isto é, para derreter o gelo em -7 ° C (a temperatura muitas patinagem no gelo pistas são fixados a) exigiria equilibrar um carro pequeno (massa = 1000 kg [11] ) em um dedal ( area = 1 cm²).

Segunda derivada

Embora a relação de Clausius-Clapeyron dá o declive da curva de coexistência, ela não fornece qualquer informação sobre a sua curvatura ou segunda derivada. A segunda derivada da curva de coexistência de fases 1 e 2 é dado por [12]

{\ Displaystyle {\ begin {alinhado} {\ frac {\ mathrm {d} ^ {2} P} {\ mathrm {d} T ^ {2}}} = {\ frac {1} {v_ {2} – v_ {1}}} \ left [{\ frac {c_ {p2} -c_ {p1}} {T}} – 2 (v_ {2} \ alpha _ {2} -v_ {1} \ alpha _ {1 }) {\ frac {\ mathrm {d} P} {\ mathrm {d} t}} \ right] + \\ {\ frac {1} {v_ {2} -v_ {1}}} \ left [( v_ {2} \ kappa _ {} T2 -v_ {1} \ kappa _ {} T1) \ left ({\ frac {\ mathrm {d} P} {\ mathrm {d} t}} \ right) ^ { 2} \ right], \ end {alinhado}}}{\ Displaystyle {\ begin {alinhado} {\ frac {\ mathrm {d} ^ {2} P} {\ mathrm {d} T ^ {2}}} = {\ frac {1} {v_ {2} - v_ {1}}} \ left [{\ frac {c_ {p2} -c_ {p1}} {T}} - 2 (v_ {2} \ alpha _ {2} -v_ {1} \ alpha _ {1 }) {\ frac {\ mathrm {d} P} {\ mathrm {d} t}} \ right] + \\ {\ frac {1} {v_ {2} -v_ {1}}} \ left [( v_ {2} \ kappa _ {} T2 -v_ {1} \ kappa _ {} T1) \ left ({\ frac {\ mathrm {d} P} {\ mathrm {d} t}} \ right) ^ { 2} \ right], \ end {alinhado}}}

onde os subscritos 1 e 2 representam as diferentes fases, {\ Displaystyle c_ {p}}c_ {p}é o específico capacidade de calor a uma pressão constante,{\ Displaystyle \ alpha = (1 / v) (\ mathrm {d} v / \ mathrm {d} T) _ {P}}\ Alpha = (/ \ mathrm {d} t \ mathrm {d} v) _P (1 / v)é o coeficiente de expansão térmica , e{\ Displaystyle \ kappa _ {T} = – (1 / v) (\ mathrm {d} v / \ mathrm {d} P) _ {T}}\ Kappa_T = - (1 / v) (\ mathrm {d} v / \ mathrm {d} P) _Té a compressibilidade isotérmica .

Fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/Clausius%E2%80%93Clapeyron_relation

Maimônides

Vida

Nascido em uma família judaica de Al-Andalus (a Península Ibérica sob domínio mouro), Rambam teve de fugir aos treze anos, devido à expulsão dos judeus que não haviam se convertido ao islamismo radical do Califado Almóada que haviam tomado Córdoba em 1148. Durante doze anos, sua família vagou pelo sul da Península Ibérica até se estabelecer em Fez, no Marrocos.[1]

maimonides

Rambam estudou Medicina e os estudos tradicionais judaicos com seu pai, juiz e erudito da jurisprudência legal judaica. Escreveu alguns de seus trabalhos durante os cinco anos que permaneceu em Fez. Após esse período, foi para Fostat (antiga capital do Egito) em 1168. Seu irmão Davi, comerciante, mantinha economicamente a família, e Maimon dedicava-se aos estudos. Após o trágico naufrágio que matou o seu irmão, passou a exercer a medicina para sustentar a família. Já era, então, um importante membro da comunidade judaica local.

Em 1177, Maimônides era reconhecido como líder e, entre suas ocupações, somavam-se a de juiz e a de administrador. Tornou-se médico e conselheiro do vizir al-Fadil, a quem Saladino deixou o cargo quando conquistou o Egito, tendo sua reputação ganho reconhecimento internacional. Comunidades judaicas de várias partes do mundo lhe escreviam em busca de sua opinião acerca da lei judaica.

Maimônides escreveu dez trabalhos de medicina em árabe e vários trabalhos de teor religioso, onde reflete sua visão filosófica sobre o judaísmo. É o codificador dos treze princípios fundamentais do judaísmo. Morreu em 1204 [3] em Fostat (ou Cairo) e foi enterrado em Tiberíades, em Israel. Sua grande popularidade lhe rendeu a frase elogiosa que diz: “De Moshê (o Legislador) até Moshê (ben Maimon), não há outro como Moshê”

Aaron Swartz – O Menino da Internet

Aaron Hillel Swartz (Chicago, 8 de novembro de 1986  – Nova Iorque, 11 de janeiro de 2013) foi um programador americano, escritor, organizador político e ativista na Internet. Swartz é co-autor da especificaçãoRSS. Foi um dos fundadores do Reddit e da organização ativista online Demand Progress. Era também membro do Centro Experimental de Ética da Universidade Harvard.

Em 6 de janeiro de 2011, Swartz foi preso pelas autoridades federais dos Estados Unidos, após usar a rede doMIT para descarregar sem cobrança grandes volumes de artigos da revista científica JSTOR, acusado pelo governo dos EUA de crime de invasão de computadores – podendo pegar até 35 anos de prisão e multa de mais de um milhão de dólares – pelo fato de ter usado formas não convencionais de acesso ao repositório da revista. Ele já havia sido processado antes por distribuir informações em domínio público que tinham seu acesso similarmente restrito, mas as acusações foram retiradas.

Swartz era contrário à prática da JSTOR de compensar financeiramente as editoras, e não os autores, e de cobrar o acesso aos artigos, limitando o accesso para finalidade acadêmicas.

Dois anos depois, na manhã de 11 de janeiro de 2013, Aaron Swartz foi encontrado enforcado no seu apartamento em Crown Heights, Brooklyn – num aparente suicídio. Após sua morte, a promotoria federal em Boston retirou as acusações contra ele.

Vida e trabalho

Swartz nasceu em Chicago,Illinois, filho de Susan e Robert Swartz, em uma família judia. Seu pai tinha uma empresa de software, a Mark Williams Company, e, desde pequeno, Swartz interessou-se por computação, estudando ardentemente aspectos da Internet e sua cultura.

Aos 13 anos, Swartz ganhou o prêmio ArsDigita para jovens criadores de “websites não comerciais, úteis, educacionais e colaborativos”. O prêmio incluía uma viagem para o Massachusetts Institute of Technology (MIT) e encontros com pessoas notáveis da Internet.

Aos 14 anos Swartz colaborou com especialistas em padrões de rede, como membro do grupo de trabalho que inventou a Especificação 1.0 do RSS. Sobre Swartz, a jornalista Virginia Heffernan escreveu no Yahoo! News: “Ele agitou sem cessar – e sem compensação financeira – o movimento em prol da cultura livre.”

W3C

Em 2001 Swartz juntou-se ao grupo de trabalho do RDF na World Wide Web Consortium (W3C), onde foi o autor do RFC 3870, Application/RDF+XML Media Type Registration. O documento descreve um novo tipo de mídia para a web, “RDF/XML”, criado para suporte a Web semântica.

Markdown

Swartz foi também co-autor do Markdown um padrão de marcação simplificada derivado de HTML e de seu tradutor html2text.

Infogami, Reddit, Jottit

Swartz frequentou a Stanford University. Depois do verão de seu primeiro ano, ele participou do Y Combinator’s first Summer Founders Program, onde iniciou sua empresa de software Infogami. A plataforma wiki da Infogami foi usada para suportar o projeto Open Library do portal Internet Archive e web.py, web framework que Swartz havia criado, mas ele sentiu que precisava de colaboradores para prosseguir. Os organizadores do Y-Combinator então sugeriram que a Infogami fizesse fusão com a Reddit, o que aconteceu em novembro de 2005.

Em outubro de 2006, a Reddit foi adquirida pela Condé Nast Publications, proprietária da revista Wired. Swartz mudou com sua companhia de San Francisco para trabalhar na Wired. Swartz achou a vida no escritório desagradável então deixou a empresa.

Ativismo

Em 2008 Swartz fundou a Watchdog.net, “the good government site with teeth,” (o site do bom governo, com dentes) para agregar e visualizar dados sobre políticos. No mesmo ano, ele escreveu um manifesto de grande circulação chamado Guerilla Open Access Manifesto.

Em 2010, Swartz co-fundou a Demand Progress, um grupo político de defesa para organizar as pessoas on-line para “agir contatando o Congresso e outros líderes, finaciar táticas de pressão e espalhar a palavra” sobre as liberdades civis, reformas do governo e outras questões.

Durante o ano lectivo de 2010-11, Swartz realizou estudos de investigação sobre a corrupção política como um Lab Fellow no Laboratório de Pesquisas sobre Corrupção Institucional – Edmond J. Safra na Harvard

O autor Cory Doctorow, em seu livro, Homeland, “baseou-se em conselhos de Swartz de estabelecer que seu protagonista poderia usar a informação já disponível sobre os eleitores para criar uma campanha política anti-establishment de raiz.” Em um posfácio para a novela, Swartz escreveu: “estas ferramentas [de hacktivismo político] podem ser usadas por qualquer pessoa motivada e talentosa o suficiente… Agora cabe a você mudar o sistema… Diga-me se posso ajudar.”

Stop Online Piracy Act

Swartz em 2012, protestando contra a Stop Online Piracy Act (SOPA)

Swartz foi fundamental na campanha para impedir a passagem da emenda Stop Online Piracy Act (SOPA), que procurando combater a violação de direitos autorais na internet, foi recebida com críticas No seguimento da derrota da proposta de lei, Swartz foi convidado para falar na F2C: O evento em Washington, D.C. Freedom to Connect 2012em 21 de maio de 2012. O título da sua palestra era “Como Nós detivemos a SOPA” e ele informou a plateia:

Este projeto de lei de fechar sites inteiros. Essencialmente, impede os americanos de se comunicarem inteiramente com certos grupos …Liguei para todos os meus amigos e ficamos a noite toda criando um site para este novo grupo, Demand for Progress, com uma petição online contra essa lei nociva …. Nós conseguimos… 300 mil assinantes …. Nós nos reunimos com o pessoal de membros do Congresso e insistimos com eles …. E, mesmo assim, foi aprovada por unanimidade …

E então, de repente, o processo parou. O senador Ron Wyden bloqueou esse projeto de lei.

Ele acrescentou: “Nós ganhamos essa luta, porque todo mundo foi o herói de sua própria história. Todo mundo teve seu trabalho de salvar esta liberdade fundamental “. Ele estava se referindo a uma série de protestos contra o projeto de lei por inúmeros sites que foi descrito pelo Electronic Frontier Foundation como o maior na história da Internet, com mais de 115 mil sites, alterando suas páginas.

Wikipédia

Swartz no Boston Wikipedia Meetup em 2009

Swartz era um editor voluntário da Wikipédia, e em 2006, ele concorreu sem sucesso para o Conselho de Curadores da Fundação Wikimedia. Também em 2006, Swartz escreveu uma análise de como os artigos da Wikipédia são escritos, e concluiu que a maior parte do conteúdo real vem de dezenas de milhares de colaboradores ocasionais, ou “outsiders”, cada um dos quais pode não fazer muitas outras contribuições para o local, enquanto um grupo de 500 a 1.000 editores regulares tendem a corrigir a ortografia e outros erros de formatação. De acordo com Swartz: “os formatadores ajudam os contribuidores, não o contrário”.

Suas conclusões, com base na análise de editar histórias de vários artigos selecionados aleatoriamente, contradizia o parecer do co-fundador da Wikipédia, Jimmy Wales, que acreditava que o núcleo dos editores regulares estavam fornecendo a maior parte do conteúdo enquanto milhares de outras pessoas contribuíram para problemas de formatação. Swartz chegou às suas conclusões através da contagem do número total de caracteres adicionados por um editor a um determinado artigo, enquanto Wales tinha contado o número total de edições.

Tor2web

Em 2008, Swartz trabalhou com Virgil Griffith para o design e a implementação do Tor2web, um proxy http dosserviços ocultos do TOR. O Proxy é desenhado para prover um acesso fácil através de um navegador básico.

Open Library

Foi relatado que após a sua morte por volta de 2006, Swartz adquiriu a ‘Biblioteca do conjunto de dados bibliográfica completa do Congresso’: a biblioteca cobrava taxas para ser acessada, mas como um documento do governo, não foi protegido por direitos autorais nos EUA. Ao publicar os dados sobre OpenLibrary, Swartz os tornou disponível gratuitamente. O projeto ‘Library of Congress’ recebeu aprovação pelo Escritório de Copyright. Outras fontes mostram que o arquivo foi doado ao Internet Archive a partir do sistema de biblioteca de ‘Plymouth State University’, Scriblio. Independentemente da fonte, o arquivo se tornou a base para o Open Library, com Swartz como designer-chefe.

PACER

Em 2008, Swartz baixou e lançou cerca de 2.7 milhões de documentos da corte federal armazenados na database do PACER (Public Access to Court Electronic Records) gerenciado pelo Administrative Office of the United States Courts.

O Huffington Post caracterizou suas ações como: “Swartz baixou documentos judiciais públicos do sistema PACER em um esforço para torná-los disponíveis fora do caro serviço. O movimento chamou a atenção do FBI, que finalmente decidiu não apresentar queixa de como os documentos são, de fato, públicos”.

PACER estava cobrando 8 centavos por página para obter informações que Carl Malamud, que fundou o grupo sem fins lucrativos Public.Resource.Org, sustentou que deve ser livre, pois os documentos federais não são abrangidos pelos direitos de autor. As taxas foram “passadas de volta aos tribunais para financiar a tecnologia, mas o sistema [correu] com um excedente orçamental de cerca de US$ 150 milhões, de acordo com relatórios do tribunal”, relatou o The New York Times. PACER utilizou tecnologia que foi “concebido nos tempos antigos de modens de telefone screechy … colocar [ting] um sistema legal da nação atrás de uma parede de caixa e truque.” Malamud apelou aos colegas ativistas, instando-os a visitar uma das 17 bibliotecas que realizam um teste gratuito do sistema PACER, para download de documentos judiciais, e enviá-los a ele para distribuição pública.

Depois de ler o chamado de Malamud para a ação, Swartz usou o script de computador Perl rodando num servidor em nuvem da Amazon para baixar os documentos, usando as credenciais da biblioteca de Sacramento. De 4 a 20 de setembro de 2008 ele acessou os documentos e carregou-os para um serviço de computação em nuvem. Ele lançou os documentos na organização de Malamud.

Em 29 de setembro de 2008, o GPO suspendeu o teste gratuito, “enquanto se aguarda uma avaliação” do programa. As ações de Swartz foram investigadas pelo FBI. O caso foi encerrado após dois meses sem acusações apresentadas. Swartz aprendeu os detalhes da investigação, como resultado da apresentação de um pedido da FOIA com o FBI e descreveu sua resposta como a “bagunça habitual de confusões que demonstra falta de senso de humor do FBI.” PACER ainda cobra por página, mas os clientes que usam o Firefox tem a opção de salvar os documentos para acesso público livre com um plug-in chamado RECAP.

Em um memorial de 2013 sobre Swartz, Malamud lembrou seu trabalho com PACER. Eles trouxeram milhões registros da U.S. District Court para fora através do “pay wall” do PACER, ele disse, e encontrou-os cheio de violações de privacidade, incluindo registros médicos e os nomes crianças menores e informantes confidenciais.

Enviamos nossos resultados aos juízes Chefes de 31 Tribunais Distritais … Eles relataram esses documentos e gritaram com os advogados que lhes arquivaram … A Conferência Judicial mudou suas regras de privacidade. … [Para] os burocratas que dirigiam o Departamento Administrativo dos Tribunais dos Estados Unidos … nós eram os ladrões que levaram 1,6 milhões dólares de sua propriedade. Então eles chamaram o FBI … [O FBI] encontrou nada de errado.

Malamud escreveu um relato mais detalhado de sua colaboração com Swartz sobre o projeto Pacer em um ensaio que aparece em seu site.

Escrevendo no Ars Technica, Timothy Lee, que mais tarde fez uso dos documentos obtidos por Swartz como um co-criador do RECAP, ofereceu alguns insights sobre discrepâncias nos relatórios sobre o quanto de dados que Swartz tinha baixado: “Em um cálculo back-of-the-envelope poucos dias antes que o rastreamento externo foi desligado, Swartz imaginou que ele ficou com em torno de 25 por cento dos documentos do PACER. The New York Times semelhante relatou que Swartz tinha baixado “um 20 por cento da base de dados estimada”. Com base no fatos de que Swartz baixou 2,7 milhões de documentos enquanto PACER, no momento, continha 500 milhões, Lee concluiu que Swartz baixou menos de um por cento da base de dados.

Wikileaks

Em 27 de dezembro de 2010, Swartz ajuizou a Freedom of Information Act (FOIA) pedindo para aprender sobre o tratamento de Chelsea Manning, alegada fonte do WikiLeaks.

DeadDrop

Em 2011-2012, Swartz e Kevin Poulsen desenhou e implementou o DeadDrop, um sistema que permite informantes anônimos enviarem documentos eletrônicos sem medo de divulgação. Em maio de 2013, a primeira instância do software foi lançada pelo The New Yorker sob o nome Strongbox. O Freedom of the Press Foundation tomou desde sobre o desenvolvimento do software, que foi renomeado SecureDrop.

JSTOR

De acordo com autoridades estaduais e federais, Swartz usou a JSTOR, um repositório digital, para fazer download de uma grande quantidade de revistas científicas e artigos através da rede de Internet do MIT entre as últimas semanas de 2010 e começo de 2011. Até então, Swartz era um pesquisador da Universidade de Harvard, a qual lhe forneceu uma conta da JSTOR. Visitantes do “open campus” do MIT são autorizados a acessar a JSTOR através da rede da universidade.

As autoridades alegaram que Swartz fez download dos documentos através de um notebook conectado a umswitch de rede em um bastidor de acesso restrito pelo MIT. A porta do bastidor foi mantida destrancada, segundo reportagens da imprensa.

Prisão

Na noite de 6 de janeiro de 2011, Swartz foi preso próximo ao campus de Harvard pela polícia do MIT e agentes secretos do Estados Unidos. Ele foi indiciado no Tribunal do Distrito de Massachusetts por duas acusações estaduais: arrombamento e invasão com intenção de cometer um crime.

Processo

Em 11 de julho de 2011, Swartz foi indiciado por um júri federal por acusações de fraude eletrônica, fraude de computador, por obter ilegalmente informações de um computador protegido, de forma imprudente e por danos a um computador protegido.

Em 17 de novembro de 2011, Swartz foi indiciado por um grande júri do Middlesex County Superior Court em acusações estaduais de invasão de domicílio com a intenção de cometer um crime, apropriação indébita, e acesso não autorizado a uma rede de computadores. Em 16 de dezembro de 2011, procuradores estaduais entraram com uma notificação de que eles estavam soltando as duas acusações originais; as acusações constantes de 17 de novembro de 2011 foram retiradas em 8 de março de 2012. De acordo com um porta-voz da promotoria do condado de Middlesex, as acusações estatais foram retiradas, a fim de permitir que o processo federal prosseguisse sem entraves.

Em 12 de setembro de 2012, o Ministério Público Federal entrou com um indiciamento substitutivo acrescentando mais nove acusações criminais, o que aumentou a exposição penal máxima de Swartz para 50 anos de prisão e US$ 1 milhão em multas. Durante as negociações para confissão com os advogados de Swartz, o Ministério Público ofereceu a recomendação deuma sentença de seis meses em uma prisão de baixa segurança, se Swartz se declarasse culpado de 13 crimes federais. Swartz e seu principal advogado rejeitaram esse acordo, optando por um julgamento em que os promotores teriam sido obrigados a justificar sua busca por Swartz.

O processo federal envolveu o que foi caracterizado por muitos críticos como o ex-conselheiro de Nixon na Casa Branca, John Dean como uma “sobrecarga” de acusações (13-count) e repressão de “excesso de zelo” por supostos crimes de computador, interposto pela procuradora dos EUA do Massachusetts Carmen Ortiz. Enfrentando potencial encarceramento por alegadas infrações penais para as vítimas, do MIT e JSTOR e, se recusou a prosseguir com o contencioso cível. Swartz cometeu suicídio em 11 de janeiro de 2013.

Após sua morte, os procuradores federais retiraram as acusações. Em 04 de dezembro de 2013, devido a um termo da Lei de Liberdade de Informação um editor da Wired pediu para que todos os documentos fossem divulgados pelo Serviço Secreto, incluindo um vídeo do Aaron entrando num closet da rede do MIT.

Morte, Funeral e Memorial[editar | editar código-fonte]

Morte[editar | editar código-fonte]

Na noite de 11 de janeiro de 2013, Swartz foi encontrado morto em seu apartamento no Brooklyn por seu parceiro, Taren Stinebrickner-Kauffman. Uma porta-voz do New York’s Medical Examiner informou que ele havia se enforcado. Nenhuma nota de suicídio foi encontrada. A família de Swartz e seu parceiro criou um site memorial em que se emitiu uma declaração, dizendo: “Ele usou suas habilidades prodigiosas como um programador e tecnólogo não para se enriquecer, mas para tornar a Internet e o mundo mais justos e um lugar melhor”.

Dias antes do funeral de Swartz, Lawrence Lessig elogiou seu amigo e algum cliente em um ensaio, como o “Procurador Bully”. Ele denunciou a desproporcionalidade da acusação de Swartz e disse: “A questão que este governo precisa responder é por que foi tão necessário que Aaron Swartz seja rotulado como um” criminoso”. “Para os 18 meses de negociações, que era o que ele não estava disposto a aceitar”. Cory Doctorow, escreveu: “Aaron teve uma combinação imbatível de visão política, habilidade técnica e inteligência sobre as pessoas e os problemas. Eu acho que ele poderia ter revolucionado a política americana (e mundial). Seu legado ainda pode ainda fazê-lo.”

Funeral e Memorial

Serviços funerários de Swartz foram realizados em 15 de janeiro de 2013, na Central Avenue Sinagoga emHighland Park, Illinois. Tim Berners-Lee, co-criador da World Wide Web, entregou um elogio. No mesmo dia, oWall Street Journal publicou uma reportagem baseada em parte em uma entrevista com Stinebrickner-Kauffman. Ela disse ao jornal que Swartz não tinha o dinheiro para pagar por um julgamento e “que era muito difícil para ele… fazer essa parte de sua vida ir ao público” para pedir ajuda. Ele também estava angustiado, ela disse, porque dois de seus amigos tinham acabado de serem intimados e porque ele já não acreditava que o MIT iria tentar parar o processo.

Vários memoriais se seguiram logo depois. Em 19 de janeiro, centenas participaram de um memorial na Cooper Union, os que ‘falaram’ incluiu o Stinebrickner-Kauffman, o defensor da Open Source Doc Searls, do Creative Commons Glenn Otis Brown, jornalista Quinn Norton, Roy Singham da ThoughtWorks, e David Segal do Demand Progress. Em 24 de janeiro, houve um memorial no Internet Archive com ‘falantes’, incluindo Stinebrickner-Kauffman, Alex Stamos, Brewster Kahle e Carl Malamud. Em 4 de fevereiro, um memorial foi realizado na Cannon House Office Building on Capitol Hill; ‘falantes’ deste memorial incluíram o senador Ron Wyden e Darrell Issa e os representantes, Alan Grayson e Jared Polis, e outros legisladores presentes incluíram a senadoraElizabeth Warren e e os representantes Zoe Lofgren e Jan Schakowsky. Um memorial também teve lugar em 12 de março, no MIT Media Lab.

A família de Swartz recomenda o GiveWell para doações em sua memória, uma organização que Swartz admirava, tinha colaborado com e foi o único beneficiário da sua vontade.

Resultado

Respostas da Família e Críticas

“A morte de Aaron não é simplesmente uma tragédia pessoal, é o produto de um sistema de justiça criminal repleto de intimidação e sobrealcance procuradoria. As decisões tomadas por funcionários no escritório de US Attorney o Massachusetts e do MIT contribuiram para sua morte. ” Declaração da família e parceiro de Aaron Swartz.

Em 12 de janeiro, a família e o parceiro de Swartz emitiram uma declaração, criticando os procuradores e o MIT.

Falando no funeral de seu filho, Robert Swartz disse: “Aaron foi morto pelo governo, e o MIT quebrou todos os seus princípios básicos.”

Mitch Kapor postou a declaração no Twitter. Tom Dolan, marido de Carmen Ortiz do U.S. Attorney for Massachusetts, cujo escritório processou o caso de Swartz, respondeu com críticas à família Swartz: “Verdadeiramente incrível que com o óbito de seu próprio filho vocês querem culpar os outros e nem citam os 6 meses oferecidos”. Este comentário desencadeou críticas generalizadas; editor da Esquire, Charlie Pierce respondeu: “a volubilidade com que seu marido e seus defensores atiram fora de uma” mera “seis meses de prisão federal, de baixa segurança ou não, é mais um indício de que algo está seriamente fora de sintonia com a forma de como os nossos procuradores pensam nos dias de hoje.”

Na Imprensa e na Arte

Mural do Aaron Swartz do artista grafiteiro BAMN

The Huffington Post informou que “Ortiz enfrentou reação significativa para a prossecução do processo contra Swartz, incluindo uma petição para a Casa Branca para a demitir.” Outras agências de notícias relataram de forma semelhante.

A agência de notícias Reuters chamou Aaron de “um ícone online” que “ajuda[ou] a fazer uma montanha virtual de informação ser disponível para o público, incluindo o estimado 19 milhões de documentos da Corte Federal.” O Associated Press (AP) noticiou que o caso de Swartz “é um dos destaques da sociedade incerta, evoluindo a vista de como tratar pessoas que invadem sistemas de dados informáticos não para enriquecer-se, mas para torná-lo disponível para os outros”, e que o advogado da JSTOR, o ex-procurador dos EUA para o Distrito Sul de Nova York, Mary Jo White, pediu ao procurador liderança para retirar as acusações.

Como discutido pelo editor Hrag Vartanian em Hyperallergic, Brooklyn, o muralista de NY BAMN (“By Any Means Necessary”) criou um mural de Swartz. “Swartz era um ser humano incrível que lutou incansavelmente pelo nosso direito a uma Internet livre e aberta”, o artista explicou. “Ele era muito mais do que apenas o ‘cara do Reddit’.”

Gawker observou a extensa cobertura do Ministério Público e do suicídio de Swartz, escrevendo “o suicídio de um gênio dos computadores de 26 anos é do tipo que revistas históricas foram feitas para cobrir. Complexo, mas se envolve instantaneamente, oferecendo uma janela para um mundo incomum.”

Em 2013, Kenneth Goldsmith dedicou sua exibição “Printing out the Internet” para Swartz.

O Menino da Internet: A História de Aaron Swartz

Em 11 de janeiro de 2014, marcando o primeiro aniversário de sua morte, uma prévia foi libertada do O Menino da Internet: A História de Aaron Swartz, o documentário é sobre Swartz, NSA e SOPA. O filme foi oficialmente lançado em janeiro de 2014 no Festival de Filmes de Sundance. Democracy Now! cobriu o lançamento do documentário, bem como a vida de Swartz e o caso legal, em uma entrevista extensa com o diretor Brian Knappenberger, pai e irmão de Swartz, e seu advogado. O documentário foi lançado sob uma Licença Creative Commons; que estreou nos cinemas e on-demand em junho 2014.

O Mashable chamou o documentário de “uma poderosa homenagem para Aaron Swartz “. Sua estréia no Festival de Sundance recebeu uma ovação de pé. Impresso pelo Mashable, “Com a ajuda de especialistas, o Menino do Internet faz um argumento claro: Swartz tornou-se injustamente uma vítima dos direitos e liberdades para os quais ele estava lutando.”The Hollywood Reporter descreveu como uma história de “partir o coração” de um “prodígio da tecnologia perseguido pelo governo dos Estados Unidos”, e imperdível “para quem conhece o suficiente para se preocupar com a forma como as leis governam a transferência de informação na era digital”.

 

Referências

  1. Cai, Anne (January 12, 2013). Aaron Swartz commits suicide The Tech Massachusetts Institute of Technology. Visitado em January 12, 2013.
  2. Reddit co-creator Aaron Swartz dies from suicide (em inglês) Chicago Tribune (13 de janeiro de 2013). Visitado em 15 de janeiro de 2013.
  3. Kirschbaum, Connor (3 de agosto de 2011). Swartz indicted for JSTOR theft The Tech Massachusetts Institute of Technology.
  4. Police Log The Tech Massachusetts Institute of Technology (18 de fevereiro de 2011).
  5. Schwartz, John. “Open-Access Advocate Arrested for Huge Download“, The New York Times, The New York Times Company, July 19, 2011. Página visitada em January 12, 2013.
  6. Moody, Glyn (July 11, 2011). How Should We Liberate Knowledge? Computer World UK IDG Inc.. Visitado em January 14, 2013.
  7. Lee, Timothy B., The inside story of Aaron Swartz’s campaign to liberate court filings, Ars Technica, 8 de fevereiro de 2013. Acessado 8 de março de 2013.
  8. Swartz “Steals” for Science. Visitado em Jan 13, 2013.
  9. The inspiring heroism of Aaron Swartz. Visitado em Jan 13, 2013.
  10. Thomas, Owen. “Family of Aaron Swartz Blames MIT, Prosecutors For His Death“, Business Insider, January 12, 2013. Página visitada em January 12, 2013.
  11. Aaron Swartz, internet freedom activist, dies aged 26“, BBC News Online, 2013-01-13. Página visitada em 2013-01-13.
  12. Aaron Swartz, Tech Prodigy and Internet Activist, Is Dead at 26 News Time. Visitado em January 13, 2013.
  13. Feds dismiss charges against Swartz“, 3 News NZ, January 15, 2013.
  14. Farivar, Cyrus (2013-01-14). Government formally drops charges against Aaron Swartz Ars Technica. Visitado em January 14, 2013.
  15. Aaron Swartz dies at 26; Internet folk hero founded Reddit Los Angeles Times (12 de janeiro de 2013). Visitado em 15 de janeiro de 2013.
  16. שלמון, נצח (13 de janeiro de 2013). ההאקר היהודי המפורסם תלה את עצמו (em hebráico) Israel Life USA. Visitado em 15 de janeiro de 2013.
  17. Aaron Swartz. How to get a job like mine (em inglês) Aaron Swartz: just the facts, sir Jottit.com. Visitado em 15 de janeiro de 2013.
  18. Heffernan, Virginia (12 de janeiro de 2013). Aaron Swartz, 1986-2013: a computer hacker who is now a political martyr Yahoo! News. Visitado em 15 de janeiro de 2013.
  19. RDFCore Working Group Membership W3 (December 1, 2002). Visitado em 2013-01-15.
  20. Swartz, A. (September 2004). Request for Comments No. 3870, ‘application/rdf+xml’ Media Type Registration Network Working Group The Internet Society. “A media type for use with the Extensible Markup Language serialization of the Resource Description Framework.…  [It] allows RDF consumers to identify RDF/XML documents….
  21. Gruber, John. Markdown Daring Fireball. Visitado em 23 January 2013.
  22. Markdown Aaron Swartz: The Weblog (March 19, 2004).
  23. Grehan, Rick (August 10, 2011). Pillars of Python: Web.py Web framework InfoWorld. Visitado em January 12, 2013.
  24. Swartz, Aaron (2007). Introducing Infogami Infogami CondeNet. Cópia arquivada em 2007-12-24.
  25. A passion for your users brings good karma: (Interview with) Alexis Ohanian, co-founder of reddit.comStartupStories (November 11, 2006). Cópia arquivada em 2007-08-23.
  26. Breaking News: Condé Nast/Wired Acquires Reddit Techcrunch (October 31, 2006).
  27. Lenssen, Philipp (2007). A Chat with Aaron Swartz Google Blogoscoped. Visitado em May 11, 2010.Cópia arquivada em April 27, 2010.
  28. Klein, Sam (July 24, 2011). Aaron Swartz vs. United States The Longest Now Weblogs at Harvard Law School. “He founded watchdog.net [act.watchdog.net, © 2012 Demand Progress] to aggregate … data about politicians – including where their money comes from.
  29. Murphy, Samantha. “‘Guerilla activist’ releases 18,000 scientific papers“, July 22, 2011. “In a 2008 ‘Guerilla Open Access Manifesto,’ Swartz called for activists to ‘fight back’ against services that held academic papers hostage behind paywalls.”
  30. Norton, Quinn. “Life inside the Aaron Swartz investigation“, March 3, 2013. Página visitada em 2013-03-08.
  31. Anonymous hacks MIT Web sites to post Aaron Swartz tribute, call to arms The Washington Post. Visitado em 2013-01-13.
  32. Joanna Kao. “Anonymous hacks MIT“, 16 January 2013. Página visitada em 21 January 2013.
  33. Reilly, Ryan J., Aaron Swartz Prosecutors Weighed ‘Guerilla’ Manifesto, Justice Official Tells Congressional Committee, Huffington Post, 22 February 2013. Retrieved 2 March 2013.
  34. Masnick, Mike, DOJ Admits It Had To Put Aaron Swartz In Jail To Save Face Over The Arrest, techdirt, 25 February 2013. Retrieved 2 March 2013.
  35. McVeigh, Karen, Aaron Swartz’s partner accuses US of delaying investigation into prosecution, The Guardian, 1 March 2013. Página visitada em 2 março de 2013.
  36. Guerilla Open Access Manifesto (em inglês).
  37. https://ia902301.us.archive.org/21/items/manifesto-da-guerrilha-do-livre-acesso/manifesto-da-guerrilha-do-livre-acesso.pdf
  38. Eckersley, Peter. Farewell to Aaron Swartz, an Extraordinary Hacker and Activist Deeplinks BlogElectronic Frontier Foundation.
  39. Who is Aaron Swartz, the JSTOR MIT Hacker? (em inglês).
  40. Our Mission Demand Progress.
  41. Seidman, Bianca (Julho 22, 2011). Internet activist charged with hacking into MIT network (em inglês)Public Broadcasting Service.
  42. Lab Fellows 2010-2011: Aaron Swartz Edmond J. Safra Center for Ethics. “Durante o ano de bolsista, ele irá realizar estudos experimentais e etnográficos do sistema político para preparar uma monografia sobre os mecanismos da corrupção política.
  43. ‘Homeland,’ by Cory Doctorow.
  44. Swartz’ death fuels debate over computer crime“, Janeiro 13, 2013. “JSTOR’s attorney, Mary Jo White — formerly the top federal prosecutor in Manhattan — had called the lead Boston prosecutor in the case and asked him to drop it, said Peters.”
  45. How we stopped SOPA (May 21, 2012). “[T]he ‘Combating Online Infringement and Counterfeiting Act’ … was introduced on September 20th, 2010….  And [then] it began being called PIPA, and eventually SOPA.
  46. Freedom to Connect: Aaron Swartz (1986–2013) on Victory to Save Open Internet, Fight Online Censors.
  47. Russian Times, http://rt.com/news/sopa-postponed-anonymous-piracy-337/
  48. Swartz, Aaron (September 4, 2006). Who Writes Wikipedia? Raw Thought. Visitado em January 12, 2013.
  49. Blodget, Henry. “Who The Hell Writes Wikipedia, Anyway?“, Business Insider, January 3, 2009. Página visitada em January 12, 2013.
  50. Aaron, Swartz. In Defense of Anonymity. Visitado em 4 February 2014.
  51. Zetter, Kim. “New Service Makes Tor Anonymized Content Available to All“, wired.com, December 12, 2008. Página visitada em 22 February 2014.
  52. tor2web brings anonymous Tor sites to the “regular” web arstechnica.com. Visitado em 22 February 2014.
  53. F, G (January 13, 2013), “Commons man: Remembering Aaron Swartz”, The Economist
  54. [www.youtube PONTO com BARRA watch?v=9HAw1i4gOU4 Video of Lawrence Lessig’s lecture,Aaron’s Laws: Law and Justice in a Digital Age] Youtube.com (20 de fevereiro de 2013). Visitado em 24 de março de 2013.
  55. MARC Records from Scriblio 2007 Internet Archive.
  56. Lee, Timothy B.,The inside story of Aaron Swartz’s campaign to liberate court filings, Ars Technica, 8 February 2013. Retrieved 8 March 2013.
  57. Will Wrigley. “Darrell Issa Praises Aaron Swartz, Internet Freedom At Memorial“, Huffingtonpost.com, February 7, 2013. Página visitada em February 21, 2013.
  58. Schwartz, John. “An Effort to Upgrade a Court Archive System to Free and Easy“, The New York Times, 12 de fevereiro de 2009. Página visitada em 12 de janeiro de 2013.
  59. Singel, Ryan. “FBI Investigated Coder for Liberating Paywalled Court Records“, Wired, Condé Nast, October 5, 2009. Página visitada em 12 de janeiro de 2013.
  60. Johnson, Bobbie. “Recap: Cracking open US courtrooms“, November 11, 2009.
  61. Predefinição:Cite speech
  62. Malamud, Carl (March 30, 2013). On Crime and Access to Knowledge: An Unpublished Essay.
  63. Leopold, Jason (January 18, 2013). Aaron Swartz’s FOIA Requests Shed Light on His StruggleThe Public Record. Visitado em January 23, 2013.
  64. FOI Request: Records related to Bradley Manning Muckrock. Visitado em January 23, 2013.
  65. Poulsen, Kevin. Strongbox and Aaron Swartz The New Yorker. Visitado em 16 May 2013.
  66. Introducing Strongbox The New Yorker (15 May 2013). Visitado em 20 June 2013.
  67. Aaron Swartz legacy lives on with New Yorker’s Strongbox: How it works TechRepublic (20 May 2013). Visitado em 20 June 2013.
  68. Charlton, Alistair (October 16, 2013). Aaron Swartz-Designed Whistleblower Tool SecureDrop Launched by Press Freedom Foundation International Business Times IBT Media.
  69. Terms and Conditions of Use JSTOR ITHAKA (January 15, 2013). “JSTOR’s integrated digital platform is a trusted digital repository providing for long-term preservation and access to … scholarly materials: journal issues …; manuscripts and monographs; …; spatial/geographic information systems data; plant specimens; …
  70. Indictment, USA v. Swartz, 1:11-cr-10260, No. 2 (D.Mass. July 14, 2011) MIT (July 14, 2011). Visitado em January 23, 2013. Superseded by Superseding Indictment, USA v. Swartz, 1:11-cr-10260, No. 53 (D.Mass. September 12, 2012) Docketalarm.com (September 12, 2012). Visitado em January 23, 2013.
  71. MacFarquhar, Larissa. “Requiem for a dream: The tragedy of Aaron Swartz“, March 11, 2013. “[Swartz] wrote a script that instructed his computer to download articles continuously, something that was forbidden by JSTOR’s terms of service…. He spoofed the computer’s address…. This happened several times. MIT traced the requests to his laptop, which he had hidden in an unlocked closet.”
  72. Predefinição:Cite court
  73. Lindsay, Jay. “Feds: Harvard fellow hacked millions of papers“, July 19, 2011. Página visitada em January 15, 2013.
  74. JSTOR Statement: Misuse Incident and Criminal Case JSTOR. Visitado em January 12, 2013.
  75. Cohen, Noam. “How M.I.T. ensnared a hacker, bucking a freewheeling culture“, January 20, 2013, p. A1. “‘Suspect is seen on camera entering network closet’ [in an unlocked building]…. Within a mile of MIT … he was stopped by an MIT police captain and [U.S. Secret Service agent] Pickett.”
  76. Peters, Justin. “The Idealist: Aaron Swartz wanted to save the world. Why couldn’t he save himself?“, February 7, 2013. “The superseding indictment … claimed that Swartz had ‘contrived to break into a restricted-access wiring closet at MIT.’ But the closet door had been unlocked—and remained unlocked even after the university and authorities were aware that someone had been in there trying to access the school’s network.”
  77. Merritt, Jeralyn (January 14, 2013). MIT to conduct internal probe on its role in Aaron Swartz caseTalkLeft (blog) Att’y Jeralyn Merritt. “The wiring closet was not locked and was accessible to the public. If you look at the pictures supplied by the Government, you can see graffiti on one wall.
  78. Gerstein, Josh (July 22, 2011). MIT also pressing charges against hacking suspect Politico. “[Swartz’s] alleged use of MIT facilities and Web connections to access the JSTOR database … resulted in two state felony charges for breaking into a ‘depository’ and breaking & entering in the daytime, according to local prosecutors.
  79. Hak, Susana. “Compilation of December 15, 2010–January 20, 2011“, Hak–De Paz Police Log Compilations, MIT Crime Club, January 26, 2011, p. 6. “January 6, 2:20 p.m., Aaron Swartz, was arrested at 24 Lee Street as a suspect for breaking and entering….”
  80. Singel, Ryan. “Rogue academic downloader busted by MIT webcam stakeout, arrest report says“,Wired, February 27, 2011. “Swartz is accused … of stealing the articles by attaching a laptop directly to a network switch in … a ‘restricted’ room, though neither the police report nor the indictment [mentions] a door lock or signage indicating the room is off-limits.”
  81. Bilton, Nick. “Internet Activist Charged in Data Theft“, Bits Blog, The New York Times Company, July 19, 2011. Página visitada em July 19, 2011.
  82. Hawkinson, John. “Swartz indicted for breaking and entering“, November 18, 2011, p. 11. “Swartz … was indicted … in Middlesex Superior Court … for breaking and entering, larceny over $250, and unauthorized access to a computer network.”
  83. Middlesex District Attorney (November 17, 2011). Cambridge man indicted on breaking & entering charges, larceny charges in connection with data theft. Press release.  “Swartz … was indicted today on charges of Breaking and Entering with Intent to Commit a Felony, Larceny over $250, and Unauthorized Access to a Computer Network by a Middlesex Superior Grand Jury.”
  84. Hawkinson, John State drops charges against Swartz; federal charges remain The Tech, 16 March 2012. Retrieved 14 May 2013.
  85. US Government Ups Felony Count in JSTOR/Aaron Swartz Case From Four To Thirteen Tech dirt (September 17, 2012). Visitado em January 12, 2013.
  86. Zetter, Kim. “Congress Demands Justice Department Explain Aaron Swartz Prosecution | Threat Level“, Wired.com, 29 de janeiro de 2013. Página visitada em 1 de fevereiro de 2013.
  87. Prosecutor defends case against Aaron Swartz“, Cable News Network. Página visitada em 13 June 2014.
  88. MIT hacking case lawyer says Aaron Swartz was offered plea deal of six months behind bars Boston Globe Media Partners, LLC. Visitado em 13 June 2014.
  89. Boeri, David (2013-02-20). Ortiz Under Fire: Critics Say Swartz Tragedy Is Evidence Of Troublesome Pattern WBUR. Visitado em 2014-05-16.
  90. “Dealing With Aaron Swartz in the Nixonian Tradition: Overzealous Overcharging Leads to a Tragic Result”, Justia, John Dean, 25 January 2013. Retrieved 26 May 2014.
  91. Landergan, Katherine. “US District Court drops charges against Aaron Swartz — MIT – Your Campus“,Boston.com, January 14, 2013. Página visitada em January 23, 2013.
  92. Predefinição:Cite court
  93. Poulsen, Kevin. “This Is the MIT Surveillance Video That Undid Aaron Swartz“, Wired, December 4, 2013. Página visitada em December 7, 2013.
  94. Aaron Swartz, co-founder of Reddit and online activist, hangs himself in Brooklyn apartment, authorities say“, January 12, 2013. “Swartz … left no note before his Friday morning death in the seventh-floor apartment at a luxury Sullivan Place building, police sources said.”
  95. Co-founder of Reddit Aaron Swartz found dead“, News, CBS. Página visitada em January 12, 2013.
  96. Lessig, Lawrence (12 de janeiro de 2013). Prosecutor as bully. Visitado em 12 de janeiro de 2013.
  97. Schwartz, John. “Internet Activist, a Creator of RSS, Is Dead at 26, Apparently a Suicide“, ‘The New York Times’, January 12, 2013. Página visitada em January 13, 2013.
  98. Gustin, Sam. “MIT orders review of Aaron Swartz suicide as soul searching begins“, Time, January 14, 2013. Página visitada em January 16, 2013.
  99. Nelson, Valerie J.. “Aaron Swartz dies at 26; Internet folk hero founded Reddit“, 12 de january 2013.
  100. Lessig, Lawrence (January 12, 2013). Prosecutor as bully Lessig Blog, v2. “Aaron consulted me as a friend and lawyer…. [M]y obligations to Harvard created a conflict that made it impossible for me to continue as a lawyer…. …I get wrong. But I also get proportionality.
  101. Doctorow, Cory (January 12, 2013), “RIP, Aaron Swartz”, Boing Boing
  102. Thomas, Owen. “Family of Aaron Swartz Blames MIT, Prosecutors For His Death“, Business Insider, 12 de janeiro de 2013. Página visitada em 12 de janeiro de 2013.
  103. Gallardo, Michelle (January 15, 2013). Aaron Swartz, Reddit co-founder, remembered at funeral ABC News. Visitado em January 15, 2013.
  104. Aaron Swartz Memorial Ice Cream Social Hour – Free Software Foundation – working together for free software Fsf.org. Visitado em January 18, 2013.
  105. Aaron Swartz Tribute: Hundreds Honor Information Activist“, Huffingtonpost.com, January 19, 2013. Página visitada em January 20, 2013.
  106. Ante, Spencer. “Legal case strained troubled activist“, January 14, 2013, p. B1. “With the government’s position hardening, Mr. Swartz realized that he would have to face a costly public trial…. He would need to ask for help financing his defense….”
  107. Hsieh, Steven, Why Did the Justice System Target Aaron Swartz?, Rolling Stone, 23 January 2013. Retrieved 26 January 2013.
  108. Peltz, Jennifer. “Aaron Swartz Tribute: Hundreds Honor Information Activist“, Associated Press, 19 January 2013. Página visitada em February 8, 2013.
  109. Fishman, Rob (19 January 2013). Grief And Anger At Aaron Swartz’s Memorial Buzzfeed. Visitado em 26 January 2013.
  110. Memorial for Aaron Swartz | Internet Archive Blogs Blog.archive.org. Visitado em January 18, 2013.
  111. Aaron Swartz DC Memorial Aaronswartzdcmemorial.eventbrite.com. Visitado em February 1, 2013.
  112. Henry. Aaron Swartz Memorial in Washington DC Crookedtimber.org. Visitado em February 1, 2013.
  113. Gross, Grant, Lawmakers pledge to change hacking law during Swartz memorial, InfoWorld, 5 February 2013. Retrieved 5 February 2013.
  114. Carter, Zach. “Aaron Swartz Memorial On Capitol Hill Draws Darrell Issa, Elizabeth Warren“, The Huffington Post, 5 February 2013. Página visitada em 5 February 2013.
  115. Taren Stinebrickner-Kauffman (13 March 2013). TarenSK: MIT Memorial Service. Visitado em 15 March 2013. including links to video of the ceremony/speeches.
  116. Rob Fishman (19 January 2013). Grief And Anger At Aaron Swartz’s Memorial. Visitado em 16 July 2014.
  117. Holden Karnofsky (16 January 2013). In memory of Aaron Swartz. Visitado em 16 July 2014.
  118. Remember Aaron Swartz Tumblr. Visitado em January 12, 2013. Cópia arquivada em January 13, 2013.
  119. Guy, Sandra. “Aaron Swartz was ‘killed by government,’ father says at funeral“, January 15, 2013. “Swartz’s father … said that at a school event, 3-year-old Aaron read to his parents while all of the other parents read to their children.”
  120. Murphey, Shelly, US attorney’s husband stirs Twitter storm on Swartz case, The Boston Globe, January 16, 2013.. Retrieved January 17, 2013.
  121. Pierce, Charles P. (January 17, 2013). “Still More About The Death Of Aaron Swartz”, [[|Esquire]]. Retrieved January 18, 2013.
  122. Grandoni, Dino (January 15, 2013), “Tom Dolan, Husband of Aaron Swartz’s Prosecutor”, Huffington Post, visitado em January 16, 2013
  123. McCullagh, Declan, Prosecutor in Aaron Swartz ‘hacking’ case comes under fire, CNet, January 15, 2013.. Retrieved January 17, 2013.
  124. Stout, Matt, Ortiz: We never intended full penalty for Swartz, The Boston Herald, January 17, 2013.. Retrieved January 17, 2013.
  125. Barnes, James, Hacker’s suicide linked to ‘overzealous’ prosecutors, The Global Legal Post, 15 January 2013.. Retrieved January 17, 2013.
  126. Dobuzinskis, Alex. “Internet activist, programmer Aaron Swartz dead at 26“, January 13, 2013. “That belief — that information should be shared and available for the good of society — prompted Swartz to found the nonprofit group Demand Progress.”
  127. Vartanian, Hrag (February 7, 2013). A roller tribute to two digital anarchist heroes Hyperallergic. Visitado em June 1, 2013.
  128. Chen, Adrian (March 4, 2013). Which long magazine profiles of Aaron Swartz should you bother to read? Gawker.
  129. Zak, Dan. “‘Printing Out the Internet’ exhibit is crowdsourced work of art“, July 26, 2013. Página visitada em 20 August 2013.
  130. Crowdsourced art project aims to print out entire internet“, CBC News, July 30, 2013.
  131. Aaron Swartz documentary TakePart. Visitado em November 19, 2014.
  132. Zelman, Joanna. “WATCH: Aaron Swartz Found NSA Scope ‘Scary’“, Huffington Post.
  133. Sneak preview of “The Internet’s Own Boy: The Story of Aaron Swartz” | PandoDaily
  134. The Internet’s Own Boy: The Story Of Aaron Swartz – Festival Program.
  135. The Internet’s Own Boy: Film on Aaron Swartz Captures Late Activist’s Struggle for Online Freedom“, Democracy Now!, January 21, 2014. Página visitada em January 21, 2014.
  136. The Internet’s Own Boy: The Story of Aaron Swartz. Visitado em 3 August 2014.
  137. ‘The Internet’s Own Boy’ fights for reform after Aaron Swartz’s death.
  138. Matheson, Whitney. “Internet’s Own Boy: Tech activist’s legacy”, 28 June 2014, p. B8.
  139. ‘The Internet’s Own Boy’ Is a Powerful Homage to Aaron Swartz“, Mashable, January 23, 2014. Página visitada em January 23, 2014.
  140. DeFore, John. “The Internet’s Own Boy: The Story of Aaron Swartz: Sundance Review“, ‘The Hollywood Reporter, January 21, 2014. Página visitada em January 23, 2014.

Referência: Wikipédia

Clara Schumann

clara

 

Destacou-se não só por isso, mas também pela performance de compositores românticos da época, como Chopin e Carl Maria Von Weber.

Na adolescência iniciou um romance com Robert Schumann que na época era aluno de seu pai. Ao tomar conhecimento da ligação de Robert e Clara, Wieck ficou furioso, pois Robert tinha problemas com a bebida, o fumo e crises depressivas. Preocupado com o futuro da filha, proibiu a relação. A conseqüência foi uma longa batalha judicial, em que, após um ano de litígio, Schumann conseguiu a permissão para desposar Clara, após ela completar 21 anos.

Depois do casamento, Clara e Robert começaram uma longa colaboração, ele compondo e ela interpretando e divulgando suas composições. Clara continuou a compor, mas a vida em comum era complicada, pois ela foi forçada a parar a carreira por diversos períodos, devido às 8 gestações e, apesar de Schumann aparentemente encorajar sua criação musical, ela abdicou muitas vezes de sua carreira como compositora para promover a do marido. A situação era agravada por várias diferenças entre o casal: Clara adorava turnês, Robert as odiava; ele precisava de silêncio e tranquilidade para praticar, o que significa que Clara ficava em segundo plano, pois somente após o estudos do marido ela poderia ter suas horas de estudo.

Outro problema eram as constantes crises nervosas do marido, que fizeram Clara assumir as responsabilidades familiares sozinha. A pior crise de sua vida aconteceu quando Schumann entrou em depressão crônica, o que obrigou a família a interná-lo num manicômio, onde ficou por dois anos, até sua morte. Após 14 anos de casamento, Clara ficou sozinha com os filhos, tendo que dar aulas e apresentações para sustentar a família.

A partir daí, ironicamente, ela ficou livre para compor e dar concertos, e sua carreira finalmente se desenvolveu. A amizade comJohannes Brahms foi o principal sustentáculo nesse período, o que deu margem a fofocas de que os dois teriam um romance. Foram anos de colaboração mútua, já que os dois artistas eram defensores ferrenhos da estética romântica ligada a um padrão mais formal, e opositores de Wagner e Liszt. A amizade durou até o final da vida de Clara.

Durante certo período, Clara sofreu de uma síndrome de dor crônica, atribuída aos excessos de treinos na tentativa de executar as obras orquestrais de Brahms.1 . O tratamento multimodal realizado à época foi bem sucedido e Clara pode continuar sua carreira. Os últimos anos da compositora foram marcados por uma brilhante carreira como professora e o reconhecimento como concertista.

No dia de seu 193º aniversário, o Google promoveu um logotipo especial na sua página inicial. Google celebra 193º aniversário de Clara Schumann com Doodle

clara_schuman-2012-hp

Nadezhda K. Krupskaia

Krupskaya

I – Infância e Juventude

NADEZHDA KRUPSKAIA, a amiga mais íntima, a companheira de vida e de luta do grande Lênin, magnífica representante da velha guarda bolchevique, destacada lutadora da frente cultural do país soviético, nasceu em Petersburgo a 26 de fevereiro de 1869.

O pai de Krupskaia, Konstantín Krupski, descendente de uma família nobre empobrecida, era oficial do exército. Pessoa de grande inteligência e muito lida não se parecia ao comum dos oficiais do exército tzarista. Essa a razão porque desde sua juventude os comandantes o trataram com suspeita.

A mãe, Elisabete Tistrova Krupskaia, era ainda criança quando perdeu seus pais; fez estudos por conta do Estado e, ao terminá-los, trabalhou em casas de latifundiários como professora.

Quando os pais de Krupskaia se casaram, não tinham, segundo contava a mãe,

“nem casa, nem lenha para o fogão, e houve dias em que tiveram que pedir emprestados vinte kopeks para comprar algo para comer”.

Tendo obtido logo um posto de chefe de distrito numa das províncias polonesas que então pertenciam à Rússia — “províncias do reino da Polônia” — o pai de Krupskaia, devido a suas convicções políticas, era a pessoa menos indicada para impor a violenta política de russificação que o governo tzarista executava nas regiões “periféricas”, numa época, que passou para sempre, em que a Rússia era uma prisão de povos.

Konstantin Krupski tratava com profunda simpatia a população polonesa e judia do distrito e gozava da sua consideração. Por tal “conduta”, incompatível com um funcionário tzarista, começaram a chover contra ele, como indivíduo politicamente suspeito, as denúncias dos agentes da polícia secreta e dos gendarmes. Inclusive o fato de poder entender-se com a população polonesa em sua língua materna, figurava entre as “provas de culpabilidade”, pelas quais, finalmente, foi destituído e processado. O processo, passando de instância em instância, demorou toda uma década, e chegou por fim ao Senado. Só depois de dez anos de trâmites judiciais e pouco antes da morte de Krupski, é que o Senado rechaçou a acusação por falta de provas.

As perseguições de que seu pai foi alvo, a constante procura de trabalho (agente de seguros, contador, inspetor) e, por este motivo, as mudanças de cidade em cidade; as relações do pai com pessoas de convicções políticas idênticas, a simpatia com que a mãe via as concepções revolucionárias de seu marido, tudo isso deixou profundas marcas na mente sensível da menina.

Desde sua infância que Krupskaia se imbuiu do espírito de revolta contra o monstruoso ambiente que a rodeava.

Quando contava seis anos de idade, seu pai trabalhava em Ugitch como inspetor de uma fábrica. Em casa ouvia sempre os relatos de seu pai sobre o regime na fábrica e sobre a impiedosa exploração a que estavam submetidos os operários e criou um grande ódio ao diretor. Ao brincar com outras crianças, jogando bolas de neve no pátio da fábrica, procurava sempre acertar no diretor se acontecia passar por ali, e se conseguia seu intento ficava toda contente.

Bem cedo Krupskaia perdeu seu pai e sofreu ainda maiores privações. Aos quatorze anos, estando no ginásio, viu-se obrigada a dar lições particulares, recebendo em paga uma miséria. Tratava de aumentar quanto possível os escassos haveres da mãe, que depois da morte do pai recebia uma mísera pensão.

Não melhorou a situação quando Krupskaia terminou o ginásio. Ela recorda em “Tempos Remotos”:

“Vivíamos então com minha mãe bem modestamente da sub-colocação de quartos, fazendo cópias à mão, etc. De manhã até à noite eu corria de uma aula a outra, mas essas lições tinham um caráter temporário; só uma aula noturna era fixa, no ginásio, porém isto não me permitia ir às reuniões nem trabalhar na escola noturna e tive que abandoná-la”.

O fato, aparentemente sem importância, de deixar a aula noturna no ginásio, único trabalho fixo, com o fim de dispor das noites para assistir aos círculos e dar lições grátis aos operários, é muito significativo para o caminho que em breve Krupskaia viria a seguir, caminho de luta abnegada pela causa da classe operária, pela causa da revolução proletária.

Precedendo sua aspiração de entrar em contacto com os operários, transcorreu um período doloroso de dúvidas e hesitações para definir-se, para encontrar o caminho certo, período de que Krupskaia fala em uma carta à irmã de Lênin, M. Uliánova, escrita no desterro siberiano em 1899:

“… Lendo tua carta a Vladimir, na qual lhe perguntas a que dedicar-te, lembrei minhas próprias dúvidas em tua idade. Tinha decidido dedicar-me à profissão de professora rural, mas não consegui trabalho. Aspirava ir para o campo. Mais tarde, quando começaram os cursos superiores para mulheres, os cursos de Bestuyev, neles ingressei, pensando que começariam a explicar-nos imediatamente tudo o que me interessava, porém, quando vi que falavam de coisas completamente diferentes, abandonei os cursos. Numa palavra, pulava desorientada de uma coisa para outra. Só aos 21 anos tive conhecimento de que existiam certas “ciências sociais”.(1)

E então, com todo seu ardor juvenil, com sua sede infinita de saber, com todo o calor de seu grande coração, Krupskaia dedica-se ao estudo destas “ciências sociais”.

Era uma época — primeira metade da década de 90 — em que os melhores representantes da juventude intelectual russa — sendo Krupskaia a melhor entre os melhores — liam Marx com entusiasmo, uma época em que o jovem Lênin em seu livro magnífico “Quem são os amigos do Povo?”, polemizando com o populista Mikailovski, escrevia:

“O poder irresistível com que esta teoria (marxista) atrai os socialistas de todos os países, consiste precisamente em reunir o caráter rigoroso e elevado da ciência (sendo a última palavra da ciência social) ao espírito revolucionário, e esta coincidência não é casual, não se deve unicamente ao fato de que o fundador da doutrina reuniu as condições de sábio e de revolucionário, mas que é orgânica e indissolúvel”(2).

Quando apenas começava a formar-se nas massas trabalhadoras da Rússia a consciência de classe, quando do seio das massas começaram a destacar-se indivíduos avançados. Krupskaia — ainda muito mocinha — estudando Marx nos círculos estudantis e individualmente, até altas horas da noite, convenceu-se, completamente só, antes ainda de seu encontro com Lênin, da idéia de que o marxismo não é um dogma, e sim um guia para a ação. Disse ela certa vez:

“Quando comecei a compreender o papel que o operário devia desempenhar na libertação de todos os trabalhadores, senti um desejo irresistível de estar entre os operários, de trabalhar entre eles”.

Para realizar seu propósito, a jovem propagandista dirige-se a uma escola noturna para operários. Nessa escola noturna-dominical, situada num subúrbio, por traz da porta de Nievski, Krupskaia entra pela primeira vez em contacto com os operários; ali se estabelecem os laços que. cada vez mais fortes, chegam a ser vínculos indissolúveis para toda a sua grande e admirável vida; ali aprende a compreender intimamente o operário, suas necessidades, suas aspirações; ali aprende a arte de manter tão bem uma “conversa com operários”. A respeito de uma dessas conversas, que se realizou já após a morte de Lênin, Krupskaia dizia ao grande escritor russo, Máximo Gorki:

“Veio me visitar certa vez uma delegação de operários da região de Ivanovsk – os operários vêm me ver com frequência, simplesmente para falar um pouco, para pedir conselho, contar-me suas coisas — e conversamos com agrado. Ao despedir-se, um deles disse-me: “Há muito que queríamos falar contigo, mas nunca imaginamos que pudéssemos ter contigo uma conversa tão natural, como se fosses operária. Imagino estar contando isto a Lênin: como ele ficaria contente”.

Não era nada fácil utilizar aquela escola legal para fins ilegais. Aconteceu, por exemplo o seguinte: na classe de aritmética de um grupo de alunos que repetiam o ano, veio certo dia em visita de inspeção um superior; os alunos se esmeraram em mostrar seus conhecimentos em frações decimais; o personagem sorriu com um esgar amargo, elogiou os alunos e depois de ter-se retirado veio o desenlace: a ordem de dissolver o grupo, porque os alunos não deviam saber mais do que as quatro operações aritméticas, e nada de frações decimais, quando isto não entrava no programa!. . .

No peito do fabricante russo de então “lutavam duas almas”. Por um lado necessitava de operários instruídos, por outro, temia que uma vez alcançada certa instrução, os operários não quisessem trabalhar a troco de uma diária miserável, uma diária que nenhuma lei limitava que atingia até 14 horas e mais. Por isso tinha o cuidado de não passar a “medida”, de “manterem-se nas quatro operações” e não chegarem de modo nenhum “às frações decimais”.

A vigilância constante de que era alvo a escola, a visita dos policiais, atrapalhavam mas, não podiam impedir o trabalho de Krupskaia, e a pretexto de ensinar geografia, ela consegue familiarizar os alunos com a economia política e realizar propaganda anti-religiosa. O resultado obtido reflete-se no fato seguinte: numa das palestras com os alunos operários, demonstrando-lhes a importância que tem livrar-se do ópio da religião, escuta dos lábios de um aluno a seguinte resposta:

“É verdade, não há nada pior do que ser escravo de Deus, porque no que se refere às pessoas podemos ajustar as contas com elas”.

Também fora da escola Krupskaia se preocupa em manter contacto com os operários avançados, entre os quais se destacam homens notáveis como o operário Ivan Bábushkin, a quem Lênin chamou mais tarde de herói popular. Sobre ele, Lênin escrevia em 1910:

“Sem homens como este o povo russo continuaria sendo um povo de escravos, um povo de servos. Com homens como este, conseguirá sua libertação completa de toda a exploração” (3).

II — Chegada de Lênin a Petersburgo

OS PRIMEIROS círculos de propaganda marxista, dos quais Krupskaia era membro ativo, esbarravam com dificuldades enormes em Petersburgo, capital dos tzares.

A complexidade do problema consistia não só na necessidade de vencer toda a espécie de barreiras criadas pela polícia e os gendarmes, a fim de abrir caminho até o auditório operário, como também na dura luta ideológica que era necessário manter contra as concepções populistas, muito difundidas então entre os operários avançados e entre a intelectualidade de tendências revolucionárias.

Não se deve esquecer que naquela época estavam ainda bastante enraizadas as afirmações dos populistas de que o marxismo não era aplicável na Rússia agrária, atrasada, a Rússia dos “mujiks”, onde o peso específico dos operários industriais era, naquele tempo, muito insignificante. Para defender sua posição, os propagandistas marxistas tinham que apresentar provas convincentes, mas eles próprios estavam muito pouco preparados ainda no terreno teórico: “estávamos muito pouco preparados, não conhecendo muito mais de Marx do que o primeiro volume do “O Capital”, sem sequer ter visto o “Manifesto Comunismo” — conta Krupskaia, recordando aquele período de sua vida.

Mas Lênin veio então em seu auxilio.

Grande agitação produziu o aparecimento daquele marxista, até aí desconhecido, jovem de 23 anos, com amplos conhecimentos teóricos, com um grande amadurecimento e clareza de pensamento para apresentar e resolver, não só problemas teóricos, como também questões práticas da luta revolucionária.

“Em fins de 1893, Lênin mudou-se para Petersburgo. Suas primeiras intervenções produziram forte impressão nos que assistiam aos círculos marxistas de Petersburgo. Seu conhecimento extraordinariamente profundo das obras de Marx, sua capacidade em aplicar o marxismo à situação econômica e política da Rússia daquele tempo, sua fé ardente e inquebrantável no triunfo da causa operária, seu formidável talento de organizador: tudo isto converteu Lênin no dirigente indiscutível dos marxistas de Petersburgo”(4).

Dominado pela idéia de que era necessário unir o marxismo com o movimento operário da Rússia, Lênin, ao conhecer Krupskaia, interessou-se vivamente por seus relatos sobre a escola noturna-dominical para operários, por suas relações com eles e pelas lições que lhes dava. Escutava atentamente as características de alguns alunos da escola. Começou a atrair sua atenção especialmente o operário Ivan Bábushkin, que mais tarde foi o mais íntimo amigo de Lênin e de Krupskaia. Ivan Bábushkin morreu em seu posto de revolucionário, fuzilado na Sibéria, em 1906, pela expedição-punitiva do verdugo tzarista, barão Rennenkampf.

Krupskaia tomou parte ativa no trabalho realizado por Lênin para preparar os primeiros quadros de ativistas do futuro partido do proletariado russo.

Por intermédio de Bábushkin, Krupskaia organiza um circulo operário que Lênin começa a dirigir. Nas memórias de Bábushkin, lemos as seguintes linhas sobre este círculo:

“… Começaram os estudos de economia política, seguindo-se Marx. O conferencista expunha verbalmente esta ciência, sem recorrer a apontamentos, procurando muitas vezes provocar em nós uma réplica, ou despertar o desejo de entabular discussão, e então nos açulava obrigando um de nós a demonstrar ao outro o acerto de seu ponto de vista sobre determinado problema. Deste modo, nossos estudos tinham um caráter muito animado e interessante, com tendência a desenvolver em nós hábitos oratórios. Todos estávamos muito satisfeitos com as lições e admirados da inteligência de nosso professor”.

Mais adiante o trabalho de propaganda se amplia e a propaganda marxista abrange cada vez maior número de círculos.

“Em 1895, Lênin unificou todos os círculos operários marxistas que funcionavam em Petersburgo (já eram cerca de 20) na “União de Luta pela Emancipação da Classe Operária“. Era um passo preparatório para a criação de um partido operário marxista revolucionário.

Lênin traçou para essa “União de Luta” a missão de vincular-se mais estreitamente com o movimento operário de massas e dirigi-lo politicamente. Propôs que se passasse da propaganda do marxismo entre o número reduzido de operários avançados, congregados em círculos de propaganda, à agitação política ardente entre as grandes massas da classe operária. Esta virada para a agitação de massas teve enorme importância para o desenvolvimento posterior do movimento operário na Rússia”(5).

Neste momento, ao passar a novos métodos de trabalho, quando surgiu a necessidade de volantes e folhetos ilegais, onde se manifestassem as necessidades diárias das massas operários, Krupskaia trabalhou ativamente tanto para reunir dados concretos sobre a vida dos operários, como para preparar e redigir essas publicações. Aproveitou para isso suas relações com os intelectuais de tendência revolucionária, organizando em suas casas a impressão de manifestos, em mimeógrafo e outros aparelhos primitivos.

Algum tempo depois Krupskaia conseguiu relacionar-se com a imprensa ilegal organizada em 1885, pelos membros da organização “A Liberdade do Povo”, às margens do Lajti, perto de Petersburgo, e cujos tipógrafos simpatizavam com os marxistas. Com sua ajuda se imprimiram ali volantes e folhetos de propaganda, inclusive o folheto de Lênin “Sobre as Multas”. Pensava-se em utilizar a imprensa de Lajti para editar o primeiro número da revista popular ilegal “Rabotcheie Dielo” (A Causa Operária), preparada por Lênin, cujo texto definitivo foi lido em casa de Krupskaia.

Esta revista leninista não chegou a aparecer, porque os gendarmes a apreenderam na noite da detenção de Lênin e de seu grupo, de 8 para 9 de dezembro de 1895. Krupskaia e Bábushkin conseguiram escapar daquela vez.

Lênin, como se sabe, de dentro da prisão, não deixou de dirigir a organização, enviando de lá textos de proclamações, elaborando o programa do futuro partido, etc. Krupskaia, valendo-se da irmã de Lênin, à qual tinham permitido visitá-lo, foi quem organizou a ligação sistemática de Lênin com a organização, recebia suas diretivas para os camaradas que estavam em liberdade e o informava sobre a marcha da organização.

Toda a primavera e o verão de 1896 foram consagrados por Krupskaia a um grande trabalho de propaganda e organização, em relação com a onda de greves que, no verão de 1896, atingira uma série de empresas de Petersburgo. Como resultado dessas greves foi estabelecida na Rússia a primeira lei de limitação da jornada de trabalho a 11 horas e meia.

Entregue a este intenso trabalho revolucionário, que adquirira um caráter de massas, sendo por isso difícil conservar um rigoroso caráter conspirativo, Krupskaia caiu nas mãos dos cães de fila tzaristas: a 12 de agosto de 1896 foi presa com Bábushkin e outros camaradas.

III — A Prisão e o Desterro

AO VER-SE na cela solitária da prisão preventiva de Petersburgo, Krupskaia estabelece logo um intercambio epistolar clandestino com Lênin, que está ali desde dezembro de 1895, e cujas cartas a ela e a outros camaradas presos refletem um alto espírito e concitam a prosseguir na luta.

Sete meses passou Krupskaia naquela cela solitária, aproveitando esse tempo para sérios estudos teóricos. Apesar dos policiais não terem mais provas de sua participação na “União de Luta pela Emancipação da Classe Operária” do que os informes de seus agentes, não a teriam posto em liberdade tão rapidamente se não tivesse sobrevindo uma tragédia na prisão. A estudante Vétrova suicidou-se em sua cela, embebendo o vestido em petróleo e ateando-lhe fogo.

Este suicídio, que certos rumores relacionaram com a violação de Vétrova por um dos oficiais da guarda, levantou grande clamor. A polícia, temendo a indignação geral, apressou-se a soltar da prisão preventiva todas as prisioneiras políticas. Entre elas Krupskaia também recuperou a liberdade. Contudo, depois da prisão a esperava o desterro em Ufá, sob a observação da polícia.

O breve período de estadia em Petersburgo, antes de ser deportada, foi aproveitado por Krupskaia para pedir que lhe fosse concedido cumprir a pena de desterro, não na província de Ufá. mas junto com Lênin, na Sibéria, na aldeia de Shushensk. Seu pedido foi aceito sob a condição de que contraísse matrimônio com Lênin ao chegar àquela aldeia. A isso se referem os dois documentos da polícia que reproduzimos a seguir:

(1) Secreto

Governo Civil — S. de Petersburgo
Departamento de Segurança Social e manutenção da ordem na capital.
16 de abril de 1898
N.° 4625

Ao snr. governador de Yenisey.

Por ordem de sua majestade, datada de 11 de março de 1898, e por proposta do senhor ministro da Justiça, Nadezhda Konstantinov na Krupskaia, filha de um oficial do exército de origem nobre, por um crime contra o Estado foi condenada ao desterro e a permanecer sob a vigilância da polícia na província de Ufá, pelo prazo de três anos, até o dia 11 de março de 1901.

A pedido de Nadezhda Krupskaia, o Ministério do Interior considera possível permitir-lhe que passe sua condenação no distrito de Minusinsk, província de Yenisey, em vez de fazê-lo na província de Ufá, devido a achar-se ali como deportado seu noivo Vladimir Uliánov, com a advertência de que, se ao chegar ao lugar de confinamento não contrair matrimônio com o citado Uliánov, será transferida para a província de Ufá.

Visto ter saído nesta data a citada Krupskaia de S. Petersburgo, com um certificado de trânsito, para o distrito de Minusinsk, considero de meu dever comunicar o fato a vossa senhoria, para as disposições necessárias afim de submeter Krupskaia à observação da polícia, nas condições indicadas no decreto de sua majestade e na ordem do ministro do Interior. Junto segue o passaporte de Krupskaia.

Major — General (firma ilegível).

O chefe do departamento, Coronel (firma ilegível).

(2) Secreto
Ao Exmo. Snr. Governador de Yeuisey
do comissário do distrito de Minusinsk.
Parte

Em cumprimento da ordem n.° 321 datada de 21 abril, tenho a honra de comunicar a V. E. que na noite de 6 de maio, chegou a Minusinsk a deportada pelo governo, Nadezhda K. Krupskaia, filha de um oficial do exército, estabelecendo-se imediatamente a vigilância da polícia. Ontem seguiu viagem para Shushensk, ponto de destino, tendo sido avisado o delegado Rural do terceiro setor do distrito de Minusinsk para que estabeleça a vigilância policial de Krupskaia e observe o cumprimento da ordem de contrair matrimônio com o deportado Uliánov, sobre o que participarei oportunamente. Da chegada de Krupskaia deu-se conhecimento também ao chefe da Direção da gendarmeria da província de Yenisey, a seu ajudante no distrito de Minusinsk e ao inspetor das prisões da província de Yenisey.

O comissário do distrito de Minusinsk: Stepánov.

QUATRO dias depois da chegada de Krupskaia a Shushensk, Lênin, gracejando, dizia numa carta a seus íntimos, datada de 10 de maio de 1898:

“Sim, Aniuta me pergunta quem convido para o casamento. Naturalmente que os convido a todos, porém não sei como fazê-lo, talvez seja melhor pelo telégrafo!! Como vocês sabem impuseram uma condição tragicômica a N. K.: se não contrair matrimônio imediatamente (sic) a mandam para Ufá. Não estou disposto a consentir nisso”…(6)

Krupskaia se refere com frases líricas aos dois anos passados com Lênin no desterro siberiano, numa carta a uma jovem amiga, escrita depois da morte de Lênin:

“Como renasce vivo diante de meus olhos aquele tempo de primitiva integridade e alegria de viver. Tudo parecia primitivo: a natureza, os cogumelos, a caça, o afetuoso círculo de amigos íntimos — faz precisamente 30 anos.

Era em Minusinsk: passeios, canções, certa alegria ingênua comum. Em casa: mamãe, a economia doméstica primitiva, nossa vida, o trabalho em comum, as mesmas impressões e reações — recebemos o livro de Bernstein, nos indignamos e protestamos — e assim por diante.

Aí tens uma passagem lírica”.

Do grau de “primitivismo” de sua vida no desterro podemos julgar pela dezena de obras importantíssimas escritas por Lênin nessa época. Em Shushensk escreveu Lênin uma obra da importância de “O Desenvolvimento do Capitalismo na Rússia”.

“Naquele tempo, Lênin preocupou-se especialmente com a questão dos “economistas”.(7). Lênin compreendia melhor que ninguém que o “economismo” era a célula fundamental da doutrina conciliadora do oportunismo, e que o triunfo do “economismo” no movimento operário significaria o solapamento do movimento revolucionário do proletariado, a derrota do marxismo.

Por isso, Lênin começou a combater os “economistas” desde o primeiro dia em que surgiram”.(8)

A ajuda de Krupskaia na luta que Lênin mantinha contra o “economismo”, não era puramente técnica. Participou na organização do protesto dos social-democratas deportados contra o “Credo” dos “economistas“, documento oportunista, de renegados que Lênin recebeu de Petersburgo.

Além da ajuda regular a Lênin em seus trabalhos, Krupskaia preparou, por sua parte, o magnífico folheto de agitação, intitulado “A Mulher Operária”. Este folheto assinado com o pseudômino de “Sáblina”, pelo qual Krupskaia era conhecida no Partido, editou-se em 1900, no estrangeiro, e foi trazido clandestinamente para a Rússia. Divulgado entre os operários e os intelectuais, o folheto desempenhou um grande papel na tarefa de incorporar a um trabalho revolucionário ativo a parte mais atrasada do proletariado de então, as mulheres que trabalhavam nas fábricas.

Krupskaia também trabalhou com Lênin na tradução para o russo do livro do casal Webb “A História do Sindicalismo Inglês”, tendo acabado este trabalho imenso pouco antes de sua volta do desterro.

Se acrescentarmos a isso que, nos anos de isolamento, Lênin estava especialmente absorvido por seus planos de organização de um partido revolucionário marxista, que pensava criar no estrangeiro um centro — um jornal — em torno do qual se iriam aglomerando as forças dispersas do partido; que Krupskaia participava no estudo dos menores detalhes desse plano, veremos claramente até que ponto a sua vida nesses anos de desterro siberiano ao lado de Lênin estava saturada de profundo conteúdo ideológico e revolucionário.

IV — O Regresso da Sibéria — A Ida para o Estrangeiro

O PRAZO de confinamento de Lênin terminava, porém ainda faltava um ano, para Krupskaia. Deviam separar-se, pois os passos que ela tinha dado para que lhe permitissem passar o último ano do desterro em Pskov, até onde iria Lênin em primeiro lugar, não deram resultado, como pode ver-se pelo documento que inserimos em seguida. Teve de terminar o tempo de desterro na província de Ufá, local para onde foi confinada inicialmente.

Secreto.
Ministério do Interior Departamento de Polícia
V. seção
9 de dezembro de 1899
N.° 14051
Ao senhor Governador de Yenisey.
O departamento de polícia tem a honra de rogar mui respeitosamente a V. E. ordene se comunique a Nadezhda Krupskaia Uliánova, que se encontra sob vigilância policial na aldeia de Shushensk, distrito de Minusmsk, que o pedido apresentado por ela para transferir-se para a cidade de Pskov foi negado pelo Ministério do Interior.
O Vice-diretor: (Firma ilegível)

Fala-nos eloquentemente Krupskaia numa carta à mãe de Lênin, dez dias antes da partida, sobre os preparativos da viagem de regresso e das condições em que se realizou essa viagem.

“Querida Maria Alexándrovna:
Por fim esclareceu-se o assunto: podemos voltar à Rússia, parece que o prazo do desterro não será prolongado. A bagagem fui despachada a 28, e a 29 partiremos… Vladimir quer ficar uns dias em Ufá, até que se esclareça se me deixam na cidade ou me enviam para algum povoado como Sterlitamak ou Belevey. Agora todas as nossas conversas giram em torno da viagem. Empacotamos os livros em caixões e ao pesá-los verificamos que pesam 15 puds. Os livros e parte das coisas enviamos como carga. No restante creio que teremos poucos volumes. Devido ao frio, pensávamos fretar um trenó coberto, mas na cidade não há meio de encontrar um e se o tomarmos aqui será tão ruim que não chegará a Achinsk. Temos bastante roupa de agasalho e esperamos não gelar. Alias, o frio parece querer diminuir: esta manhã fazia apenas 28 graus abaixo de zero O pior de tudo é que mamãe se resfria com frequência, agora mesmo tosse outra vez. Vladimir e eu saímos todos os dias, apesar do frio, e estamos acostumados ao ar, porém mamãe não sei como suportará a viagem. Estamos ansiosos que o tempo que falta até 29 passe rapidamente. Já que temos de fazer a viagem, quanto mais depressa melhor… Agora lemos pouco… Hoje, finalmente mandamos o Webb, bastante trabalho nos deu”…(9)

Ao separar-se de Lênin, que partiu para Pskov a fim de estar mais próximo de Petersburgo e ter mais rápida e melhor ligação com alguns camaradas, nos quais podia apoiar-se para realizar seu plano de criar no estrangeiro o órgão central do Partido, Krupskaia que fiou em Ufá, pôs-se em contacto com os operários avançados da cidade, entre os quais fez trabalho de propaganda.

Encontra-se com os social-democratas que de regresso ao centro do país vindos do desterro siberiano, passam por Ufá.

A estes camaradas comunica os planos de Lênin sobre a criação de um periódico no estrangeiro, incorpora-os à luta ativa pela rápida realização destes planos.

Na primavera de 1901, ao terminar o prazo de desterro, Krupskaia abandona Ufá e vai para o estrangeiro reunir-se a Lênin, onde se publicava desde 1900 o periódico “Iskra“. Em seu primeiro número, o artigo de Lênin “As Tarefas Mais Urgentes de Nosso Movimento”, terminava com as seguintes palavras magníficas:

“Diante de nós levantasse com todo o seu poder a fortaleza inimiga, de dentro da qual nos fazem descargas cerradas que abatem nossos melhores combatentes. Temos que tomar essa fortaleza, e a tomaremos se soubermos unir num único partido — no qual se juntará tudo o que de mais vital e de mais honrado há na Rússia — todas as forças do proletariado, que já abriram os olhos, e todas as forças revolucionárias russas. Só então se cumprirá a grande previsão do revolucionário operário russo Piotr Alexeiev: “Então se levantará o braço vigoroso de milhões de homens e o jugo do despotismo, defendido pelas baionetas dos soldados, saltará feito em pedaços”.

“O aparecimento dos primeiros números de “Iskra“, de 1900 a 1901, representou o passo para o novo período, o período da verdadeira criação, à base dos grupos e círculos dispersos, do Partido Operário Social-Democrata da Rússia”(10).

Ao chegar a Munique e encontrar Lênin, depois de muito o ter procurado, visto que por razões de ilegalidade, vivia ali sob o nome de Meyer, Krupskaia entrega-se por completo ao trabalho logo a partir dos primeiros dias. É designada secretária da redação de “Iskra” e apressa-se a iniciar um vasto intercâmbio de cartas com um grupo de camaradas que viviam em diversos pontos da Rússia. Em suas cartas chama a atenção dos social-democratas das várias localidades sobre os tarefes gerais do Partido, sobre a ” Iskra“, sobre as tarefas revolucionárias apontadas por Lênin.

A autora destas linhas via, com frequência, Krupskaia inclinada sobre seus “cadernos” nos quais figuravam literalmente todos os grandes centros proletários da Rússia onde “tínhamos ligações”. Por vezes estas “ligações” não eram mais do que um homem, porém devíamos apegar-nos a ele, pois por seu intermédio podiam estabelecer-se relações com os operários conscientes da localidade, ele ou seus conhecidos podiam escrever para “Iskra“, com sua ajuda podiam-se divulgar volantes iskristas nas empresas, no campo ou numa unidade militar. E Krupskaia, sem poupar esforços, escreve, cifra, envia carta após carta para essas localidades, e suas cartas obtêm respostas muito entusiastas.

Além da correspondência, Krupskaia mantinha a árdua tarefa de organizar o transporte da “Iskra” e todas as suas publicações para a fronteira russa.

Damos em seguida uma amostra das centenas de suas indicações, relacionadas com o transporte da “Iskra” para a Rússia:

N. Krupskaia — L. Knipovieh. Astrakan 28-V-1901, cidade de Munique.

Foram enviadas publicações para a Pérsia saídas de Berlim em quatro pacotes postais. Foi enviado tudo o que se tinha informado: o terceiro número da “Iskra“, “Sariá”, “A nota de Witte”. “A Mulher Operária”, os “Dias de Maio”. Agora temos certeza de que enviamos tudo. Comunica-me se de fato tudo foi realizado. Qual o prazo em que poderão chegar a seu destino essas publicações? É muito importante saber isto para ficar claro se este meio serve para enviar a “Iskra” ou apenas os folhetos, etc. Escreve-me o que souberes.

As publicações que chegarem a Bakú é melhor mandá-las para Poltava. Podem ser enviadas pelo correio ou por alguém. O endereço para a correspondência… o código…(11). Escrevemos para Samara, pensamos organizar ali um depósito de literatura para o centro (para o norte temos Pskov e Smolensk). Com o centro pode-se fazer a ligação por meio de Voronezh (o endereço) e com o Ural por meio de Ufá (o endereço).
Foi alguém a… (12)?
Diz-me que publicações tens. Poderias encontrar algum endereço para mandar publicações clandestinas em envelopes?”

Com o tempo, a “Iskra” leninista chegou realmente a ser não só um “propagandista coletivo” e um “agitador coletivo”, como também um “organizador coletivo”. Em torno do periódico, cresceu a rede de agentes, que formavam precisamente o esqueleto da organização que necessitávamos, como disse então Lênin. O papel de Krupskaia na tarefa de organizar relações normais com esses agentes era muito importante.

Antes da partida de algum camarada, de Genebra, para o trabalho ilegal do Partido na Rússia, Lênin, após a conversa de despedida, aconselhava-o geralmente: “Sobre os detalhes fale com Krupskaia”. Ela estava concretamente a par da situação do trabalho do Partido nas várias localidades, conhecia quadros bolcheviques locais, sabia com toda a exatidão o que podia ou não dar ao Partido cada militante local. No que diz respeito aos “profissionais” que, com as diretivas de Lênin eram enviados do centro até às diversas localidades, Krupskaia conhecia cada um individualmente e tão bem que inclusive se lembrava de todas as suas relações familiares.

Entre Krupskaia e os bolcheviques que, isolados ou cm grupos, estavam espalhados por toda a imensidão da Rússia existia um contacto muito estreito. Ela era a pessoa querida perante a qual o militante do Partido queria sempre ser o melhor, mas diante de quem não podia ocultar seus lados débeis. Com ela partilhavam suas dores pessoais e seus dramas familiares.

A primeira geração de ativistas do Partido, que tiveram que levar à prática as diretivas de Lênin no período compreendido entre o II e o III Congressos do Partido Operário Social-Democrata, gostava muito de contar sempre com os dados a respeito do estado de coisas no estrangeiro e no centro do Partido, que Krupskaia lhes fornecia pontualmente.

Publicamos adiante uma das numerosas cartas do primeiro período de luta contra os mencheviques, contra Trotski, da época em que, na vida do Partido, se

“pôs a nu a existência de graves divergências no que se refere à organização, divergências que dividiram o Partido em dois campos, o dos bolcheviques e o dos mencheviques sendo que os primeiros defendiam os princípios de organização da social-democracia revolucionária, enquanto os segundos se afundavam no pântano da difusão orgânica, no pantano do oportunismo”(13).

Carta de Krupskaia a L. Knipóvitch em 31 de janeiro de 1901.

“… A situação agora apresenta-se assim: a redação (da “Iskra” — C. B.) mudou de orientação. No n.° 55 há um artigo absurdo de Axelrod, no n.° 56 será publicado um artigo de Martov contra “Que Fazer?“, e além disso Plekanov e Ortodoxo estão preparando artigos contra “Que Fazer?” Dizem agora que a redação nunca esteve de acordo com o “Que Fazer?“, que o ponto de vista do livro não é Iskrista, mas pessoal de Lênin … Entretanto, se era assim, por que estiveram calados tanto tempo, que direito tinham de ficar calados? Saiu um informe de Trotski (algo completamente monstruoso) e as atas da Liga. A ofensiva contra Lênin e as idéias leninistas desdobra-se em toda a linha.

A maioria espera o “golpe de estado”. Dizem com todo o cinismo: “esperamos o primeiro fracasso”… (a detenção dos bolcheviques na Rússia C. B. ).

Mais tarde ao desencadear-se com grande violência a luta em tomo ao III Congresso, a intensidade da correspondência de Krupskaia com os Bolcheviques que trabalhavam nas organizações locais chegou a tal ponto que ninguém pode deixar de admirar como podia realizar tanto sem conter com nenhum pessoal auxiliar que lhe ajudasse.

V — 1905-1917

EM MAIO de 1905, Lênin escrevia no periódico bolchevique “Proletari” (“O Proletário”), que aparecia no estrangeiro:

”A Rússia aproxima-se do desenlace da luta secular de todas as forças populares progressistas contra a autocracia. Já não há dúvida de que nesta luta caberá ao proletariado a mais enérgica participação, e que precisamente esta participação decidirá da sorte da revolução na Rússia”.

Os grandiosos acontecimentos revolucionários que se desenvolveram nos meses seguintes e que se estenderam a toda a imensidão do país, permitiram a Lênin e a Krupskaia, no outono de 1905, seu regresso à Rússia, a Petersburgo. Todavia tiveram que adotar toda a espécie de precauções, observando uma severa conspiratividade pois o aparelho policial do tzarismo (sua gendarmeria seus agentes) embora estivesse naquele tempo desarticulado, continuava funcionando. Lênin e Krupskaia voltaram à Rússia separados e em datas diferentes.

Durante a viagem, Krupskaia notou que era seguida por um espião. Só pôde livrar-se dele quando, falando com um camarada finlandês que seguia no mesmo vagão e que lhe assegurava em voz alta que na Finlândia “todos os espiões tinham sido presos” ela respondeu, dirigindo um olhar para o lugar ocupado pelo agente que a seguia: “Não, ao que vejo não prendestes ainda todos os espiões”. O agente desceu na primeira estação e desapareceu…

Ao chegar a Petersburgo, e com o objetive de manter-se dentro das regras da conspiração, Krupskaia foi viver separada de Lênin, sob o nome de Praskovia Onéguina.

Logo após ter chegado a Petersburgo, Krupskaia apressa-se a visitar os subúrbios, atrás da Porta de Nievski, onde começou sua atividade revolucionária. Encontra-se ali com alguns de seus antigos alunos da escola noturna-dominical, e com satisfação e orgulho se convence que se desenvolveram muito politicamente, que se converteram em ativos revolucionários bolcheviques.

Naqueles dias tempestuosos Krupskaia entrega-se por completo ao trabalho de organização do Partido, desempenhando o cargo de secretária do Comitê Central. Este trabalho era muito complexo. Apesar de ter o Partido saído da ilegalidade, era necessário, seguindo as instruções de Lênin, aproveitar todas as possibilidades legais, porém conservar ao mesmo tempo o aparelho conspirativo no Partido.

No fim do ano, em dezembro, nos dias em que começou a insurreição em Moscou, Krupskaia participou da Conferência dos bolcheviques de toda a Rússia, reunida em Tammerfors, na Finlândia, e nesta Conferência conhece pessoalmente o camarada Stálin.

“A insurreição de dezembro de 1905 marca o ponto culminante da revolução. Em dezembro, a autocracia tzarista infligiu uma derrota à insurreição. Após o fracasso da insurreição de dezembro, começou o recuo gradual da revolução. Parou a marcha ascendente da revolução, começando seu descenso gradual”(14).

O proletariado revolucionário russo não se rendia sem travar combate e, como se sabe, recuava combatendo. Os bolcheviques participavam ativamente nestes combates, dirigidos por Lênin e Stálin.

Em breve, no entanto, os “lacaios do tzar” voltam a mostrar tal insolência que Lênin corre perigo a permanecer em Petersburgo, e tem que se ocultar na Finlândia para dali dirigir o Partido. Krupskaia, residindo primeiro em Petersburgo, e em seguida por meio de viagens sistemáticas até à Finlândia, formava o principal elo de ligação entre Lênin, o Comitê Central e a organização local de Petersburgo.

Continuou assim até fins de 1907, época em que a feroz política que se instaurou no pais obrigou o Partido a voltar à ilegalidade, e a Lênin a emigrar para a Suíça. Nesse país, Lênin se dedica a fazer um resumo da etapa da luta passada, indicando ao Partido que:

“Não é possível evitar-se um descalabro em caso de derrota, se não se sabe retroceder acertadamente, recuando-se sem pânico e em perfeita ordem”(15).

Ali traçou Lênin as perspectivas de trabalho, organizando a imprensa legal bolchevique (até então “Proletari” editava-se na Finlândia), mantendo desse país estreito contato com os ativistas bolcheviques que haviam saído ilesos da batalha e que continuavam trabalhando energicamente na ilegalidade.

Krupskaia, que acompanha Lênin neste novo desterro trabalha novamente sem descanso para organizar o envio de publicações bolcheviques para a Rússia, mantém uma intensa correspondência com as organizações do Partido na Rússia e com os ativistas bolcheviques que trabalham isolados. Suas cartas apesar da difícil situação, criada no país e no Partido, refletem uma grande força de vontade um otimismo bolchevique, grande fé na futura vitória da causa do proletariado.

“A consciência ideológica marxista-leninista, a sua capacidade para compreender as perspectivas da revolução, ajudaram o núcleo fundamental de bolcheviques, estreitamente agrupados em torno a Lênin, a defender a causa do Partido e seus princípios revolucionários” (16).

Krupskaia pertencia a este núcleo fundamental de bolcheviques. Porém chegavam ao fim os anos duros, que Lênin chamou o reinado da contra-revolução encarnada nas centúrias negras, época de desagregação e degeneração liberal-burguesa.

Sobre o fundo de um novo ascenso do movimento operário na Rússia, é celebrada em Praga, em janeiro de 1912, uma Conferência do Partido Operário Social Democrata de toda a Rússia, conferência que lançou as bases para um partido de novo tipo, para o Partido do leninismo, para o Partido Bolchevique” (17). No mesmo ano de 1912, começou a circular em Petersburgo o órgão legal bolchevique “Pravda“, cujo diretor efetivo era Stálin.

Lênin, para estar mais perto da Rússia e de Petersburgo, da “Pravda“, a que atribuía uma importância excepcional, a fim de dirigir a atividade diária da fração bolchevique da Duma, mudou-se para Cracóvia, no verão de 1912.

Sobre Krupskaia, como o mais próximo e insubstituível auxiliar de Lênin, recai também então um grande trabalho de organização do Partido, o estabelecimento e manutenção da ligação permanente com a Rússia.

Krupskaia, que conservara ânimo elevado e fortaleza inquebrantável no trabalho nos anos da mais negra reação, dá provas de uma atividade mais intensa ainda perante o novo ascenso do movimento operário na Rússia. A respeito de seu estado de ânimo naqueles tempos, fala uma carta sua a Máximo Gorki, datada de 17 de fevereiro de 1913, pouco depois da Conferência ampliada do Comitê Central do Partido Operário Social Democrata Russo, com os membros da fração parlamentar e alguns ativistas locais, celebrada em Poronin,

“Enquanto durou a Conferência, andávamos alvoroçados de contentamento, porque os informes demonstraram que nada se passou em vão: a massa operária, passados os anos duros, está mais formada; nos mais longínquos lugares existem organizações operárias social-democratas que, mesmo não ligadas com os centros do Partido, pertencem a este por seu espírito, e estiveram todo este tempo trabalhando. As eleições (para a Duma de Estado — C. B.) desempenharam um papel enorme. Desapareceu a sensação de isolamento, que antes oprimia os operários.
A organização caminha de vento em popa. Parece que só agora começa a formar-se um verdadeiro Partido operário”.

“Às vésperas da guerra imperialista, o Partido Bolchevique dirigia as ações revolucionárias da classe operária. Estas ações eram combates avançados, que tiveram fim com a guerra imperialista, mas que foram reiniciadas três anos mais tarde pela derrubada do tzarismo” (18).

Em fins de 1913 e principio de 1914, Krupskaia toma parte na criação na Rússia de um órgão diário legal para as mulheres operárias. No primeiro número de “Rabótniza”, publicado em março de 1914, em Petersburgo, sai um artigo seu.

Quando, devido à carnificina mundial, Lênin tem que se mudar por tempo indeterminado para a Suíça neutra, Krupskaia concentra toda sua atenção em ajudá-lo a organizar reuniões e conferências, que preparam a criação, no futuro, da Internacional Comunista.

“Desde os primeiros dias da guerra, Lênin começou a agrupar forças para criar uma nova Internacional, a Terceira Internacional. A tarefa de fundar a Terceira Internacional para substituir a Segunda que fracassara tão vergonhosamente, já surge no manifesto lançado contra a guerra, em novembro de 1914, pelo Comitê Central do Partido Bolchevique”(19).

Krupskaia foi delegada à Conferência Internacional de Mulheres, realizada em Berna, em março de 1915, por iniciativa de Clara Zetkin.

Esta Conferência não aprova ainda a enérgica resolução de Lênin sobre a guerra e a posição traidora da II Internacional, pois até então apenas o Partido Bolchevique, na dura etapa da guerra imperialista, mantinha de pé a bandeira do internacionalismo proletário.

Nesta época Krupskaia trabalha intensamente em sua anterior especialidade: a pedagogia. Em 1915, escreve um trabalho sobre esse tema, a respeito do qual Lênin dizia a Máximo Gorki:

“Muito estimado Alexei Maximovitch:

Envio-lhe registrado o original do folheto de minha companheira “A Instrução Popular e a Democracia”. A autora dedica-se à pedagogia há mais de vinte anos. O folheto insere tanto observações pessoais como dados sobre a nova escola na Europa e na América. Pelo título verá que na primeira parte figura um esboço da história dos conceitos democráticos. Isto é também importante, pois geralmente os conceitos dos grandes democratas do passado são expostos erroneamente ou partindo de ponto de vista falso. Não sei se você dispõe de tempo para lê-lo ou se lhe interessará.

As modificações que tem sofrido a escola nesta última época imperialista estão expostas na base de dados dos últimos anos e constituem uma boa ilustração para os democratas da Rússia.

Ficar-lhe-ei muito grato se contribuir — direta ou indiretamente — para a publicação do folheto. A procura de literatura desse gênero aumentou certamente muito agora na Rússia.

Minhas melhores saudações e votos.

V. Uliánov”(20).

VI — Trabalho Entre as Massa em 1917, no Período da Guerra Civil e da Revolução

EM ZURIQUE, na Suíça, Lênin e Krupskaia recebem, com emoção e alegria, a notícia de que se havia virado o carro, coberto de lodo e sangue da monarquia dos Romanov. Tratam de seguir para a Rússia. Contudo a viagem esbarra com grandes dificuldades.

O camarada Stálin, que conseguiu deixar seu longínquo desterro siberiano e chegar a Petrogrado, a capital da Revolução, antes de Lênin e Krupskaia, escreveu nessa época no n.° 3 da “Pravda” bolchevique:

“Com a velocidade do raio avança o carro da revolução russa. Criam-se e se multiplicam por toda a parte os destacamentos de combatentes revolucionários. Estão minadas as bases do poder caduco e caem seus sustentáculos. Agora como sempre, Petrogrado está na frente do movimento. Seguem-na, tropeçando às vezes, as imensas províncias.

Derrubam-se as forças do velho regime, porém elas ainda não estão vencidas. Ocultaram-se e esperam o momento oportuno para levantar a cabeça e lançar-se contra a Rússia livre. Lançai um olhar em vosso redor e vereis que o trabalho das forças tenebrosas prossegue constantemente…

A missão do proletariado da capital consiste em defender os direitos conquistados para terminar com as forças caducas e, junto com as províncias, impulsionar a revolução russa” (21).

O segundo ponto das históricas teses apresentadas por Lênin no dia seguinte a sua chegada a Petrogrado — a 3 de abril — diz:

“A peculiaridade do momento atual na Rússia consiste na passagem da primeira etapa da revolução, que deu o poder à burguesia por faltar ao proletariado o grau necessário de consciência e de organização, para sua segunda etapa, que colocará o poder nas mãos do proletariado e dos camponeses mais pobres”(22).

Os bolcheviques tinham diante de si um empreendimento de enorme transcendência: explicar às massas embriagadas pelos primeiros êxitos da revolução o caráter traidor do Governo Provisório, dos mencheviques e social-revolucionários. Era necessário demonstrar às massas revolucionárias da cidade e do campo que eles eram arrastados pela corrente da influência pequeno-burguesa, a qual ameaçava fazer ruir todas as conquistas da revolução.

Krupskaia, que havia chegado junto com Lênin, trabalha desde os primeiros dias no aparelho do Comitê Central do Partido, porém, ao compreender que seu lugar não era ali, mas entre as próprias massas, começa a atuar no bairro de Viborg.

Ali chama especialmente sua atenção o estado de ânimo da juventude operária, cujo papel na revolução não podia ser desprezado.

Em maio e junho de 1917, escreve na “Pravda” uma série de artigos sobre o trabalho entre a juventude: “Sobre o Papel e a Importância da União da Juventude”, “Luta pela Juventude Operária”, “Resposta à Juventude de Moscou”, “Como deve Organizar-se a Juventude”, projeto de estatutos em que se ressalta a solidariedade fraternal com a juventude dos outros países.

Em julho Krupskaia intervém na Segunda conferência de Petrogrado do Partido, com um informe no qual demonstra a necessidade de prestar séria atenção à juventude numa série de congressos e conferências.

No prólogo e recompilação de seus artigos sobre a juventude, publicados pela editorial “Molodaia Guardia”, (A Juventude Guardiã), em 1925, Krupskaia escreve:

“Quando depois de muitos anos de desterro voltei à Rússia, em abril de 1917, e cheguei a Petrogrado, o movimento da juventude operária já tinha grande amplitude. Comecei a observá-lo atentamente, frequentando as reuniões juvenis. A onda revolucionária tinha se apoderado da juventude com uma força extraordinária; a juventude estava em ebulição, era atraída pela luta, pela nova vida.

A juventude operária era então uma juventude sem partido, porém era operária, vivia de acordo com a classe operária. O instinto de classe estava fortemente desenvolvido nela, se revelava em todas as suas manifestações, nos impulsos, nas ações.

Quando a classe operária se polarizou em torno do Partido Comunista e o reconheceu como seu Partido, a juventude a seguiu.

O ano de 1917 me uniu à juventude operária com vínculos extraordinariamente fortes, acostumando-me a tomar muito a peito todos os problemas que a ela dizem respeito”.

Eleita membro da Duma local de Petrogrado, pelo bairro de Viborg, nas eleições municipais do mês de junho, Krupskaia realiza um grande trabalho de caráter cultural.

No Departamento de Instrução Pública do bairro, que lhe foi entregue, cria um Conselho de Instrução pública composto de representantes de fábricas e oficinas, operários e operárias ativistas e entusiastas da obra de educação popular.

Para extinguir o mais rapidamente possível o analfabetismo no bairro, para criar escolas para adultos, cursos noturnos, bibliotecas, clubes de fábricas, para dar conferência, etc., etc., Krupskaia organiza um grupo — ainda então pequeno — de intelectuais que seguem os bolcheviques, professores, médicos, etc. Nessa época escrevia:

“Os operários têm diante de si um trabalho enorme, fazem milagres no que se refere à organização e energia, mas necessitam de ajuda. Todos os que podem trabalhar como bibliotecários, conferencistas, professores para ensinar a ler e a escrever, etc., todos os que tiverem conhecimentos especiais – os social-democratas, os bolcheviques — devem realizar um trabalho obrigatório — transmitir seus conhecimentos aos operários”.

Em toda a sua vida, Krupskaia se interessa pela situação da mulher trabalhadora e da companheira do operário. Já em tempos passados no desterro siberiano, escreve seu primeiro folheto “A Mulher Operária”.

No bairro de Viborg, Krupskaia também está à frente da comissão de ajuda as esposas dos soldados. “As mulheres dos soldados não têm confiança em nós”, teve que reconhecer a dama liberal Struve ao entregar-lhe os assuntos da Comissão, que até então dirigia. Naturalmente, Krupskaia ganhou sua confiança, com ela puderam entender-se. Naquela massa, a mais atrasada, havia amplo campo para um trabalho de agitação, que os mencheviques e social-revolucionários tinham procurado realizar sem sucesso. Krupskaia logrou realizar um trabalho regular de esclarecimento que trouxe para a causa bolchevique as companheiras dos soldados.

Krupskaia não abandona seu posto nem um instante. Passa dia e noite em seu bairro. O trabalho que prefere, o mais querido em toda a sua vida, é encontrar-se entre as massas, explicar-lhes dia após dia, hora após hora quem é seu amigo e seu inimigo. “Agora comecei outra vez a passar boas horas nas fábricas, é o que mais gosto de fazer”, escreve a uma de suas amigas na época soviética.

Entretanto, os êxitos se sucedem com uma rapidez vertiginosa. Os bolcheviques lutam em toda parte e grandes são os resultados para a conquista da maioria nos Soviets, para o desmascaramento dos mencheviques e social-revolucionários e de seus conciliábulos com a burguesia.

“A indignação revolucionária dos operários e soldados de Petrogrado extravasava A 3 (16) de julho começaram a realizar-se manifestações espontâneas em Petrogrado, no bairro de Viborg. Estas manifestações continuaram durante todo o dia. Algumas delas se transformaram numa grandiosa manifestação geral, com armas, sob a palavra de ordem da passagem do poder para os Soviets”(23).

Como se sabe, nos dias de julho, os agentes do capitalismo russo e estrangeiro — o Governo provisório contra-revolucionário, — os mencheviques e social-revolucionários, conseguiram esmagar temporariamente o levante das massas revolucionárias indignadas. O Partido Bolchevique e Lênin tiveram que passar à ilegalidade.

Em época tão difícil, Krupskaia, apesar de sua constante preocupação com a vida de Lênin, mortalmente ameaçado pelas forças negras da contra-revolução, via-o secretamente nos lugares onde devia ocultar-se dos cães de fila de Kerenski e, como sempre, continuava trabalhando energicamente no bairro.

“Nestes dias, desmentindo a mentira e a difamação, devemos com mais calma que nunca, pensar mais profundamente na conexão histórica dos acontecimentos, no sentido político, isto é, de classe, da marcha da revolução” — conforme dizia Lênin então(24).

Krupskaia, fiel discípula e companheira de luta de Lênin, soube continuar com calma a obra bolchevique, por mais difíceis que fossem as circunstâncias.

Em agosto participou do VI Congresso do Partido, diante do qual Stálin assinala em seu informe político que:

“O período pacífico da revolução terminou começando o período não pacífico, o período de choques e explosões…”

Nestes momentos agitados de “choques e explosões”, em que o Partido Bolchevique, apesar da oposição e sabotagem dos capituladores Zinoviev, Kamenev, Trotski e outros, dedicou-se por completo a preparação da insurreição armada e da tomada do poder, Krupskaia, com seu combativo subúrbio de Vibórg, está sempre ao lado de Lênin, Stálin e Sverdlov.

Como membro ativo do comitê do Partido do bairro de Viborg, ela mantém estreito contacto com o regimento de metralhadoras, aquartelado no bairro, organiza o armamento dos operários que vivem ali e ensina centenas de operárias do bairro a tratar dos feridos.

Nos dias da insurreição de outubro, nos dias da grande vitória, achando-se com Lênin no Quartel General da Revolução — no Smolni — Krupskaia continuou ao mesmo tempo seu trabalho no bairro de Viborg. Com o ouvido e o olhar atentos, observa tudo o que acontece no seio das massas e expõe a Lênin fatos que comprovam a iniciativa revelada pelas massas no trabalho de edificação da nova vida.

O dia de Ano Novo de 1918, primeiro Ano Novo soviético, ela o celebra junto com Lênin numa reunião pública de operários do bairro de Viborg, na festa organizada por motivo da partida dos guardas vermelhos do bairro para o front. O aparecimento de Lênin e Kruspskaia na sala, desperta grande entusiasmo entre os operários e operárias, que os carregam nos ombros. Recordando este momento, tempos mais tarde, Krupskaia, com a modéstia que a caracterizava, dizia simplesmente:

“Os operários tributaram a Lênin uma grande ovação, e eu tive a mesma sorte”.

Em março de 1918, o Governo soviético transfere-se de Petrogrado para Moscou.

Aqui Krupskaia forma parte do Colégio do Comissariado do Povo de Instrução Pública. Dedica-se completamente ao trabalho de organização das instituições culturais sobre uma base estatal.

Os povos do imenso país libertado ansiavam por ilustrar-se e instruir-se, porém atravessava-se um período em que

“já na primeira metade do ano de 1918, formaram-se de modo definido dois grupos de forças dispostas a lutar para derrubar o Poder soviético: no estrangeiro, os imperialistas da Entente e, dentro da Rússia, a contra-revolução”(25).

Em condições extremamente penosas de fome e desorganização, lutando contra a sabotagem dos intelectuais que nunca cessara, e com a ofensiva desencadeada pelas forças unificadas da contra-revolução, era necessário organizar para os trabalhadores da cidade e do campo escolas, cursos, clubes, bibliotecas, salas de leitura nas aldeias, etc. Era indispensável acabar com o analfabetismo e a falta de instrução, péssimo legado do tzarismo.

Neste gigantesco trabalho, Krupskaia guia-se invariavelmente pelas diretivas de Lênin, pelas diretivas do Partido. Lênin apreciava muito a capacidade de Krupskaia para organizar o trabalho de um modo novo, não burocrático, mas incorporando nele a própria massa dos interessados, apoiando-se nas massas, fomentando a iniciativa criadora das massas.

Além do trabalho ilustrativo e cultural para adultos, Krupskaia organizou durante esse período estabelecimentos infantis: creches, jardins de infância, casas de crianças, etc. É bem conhecida a ternura com que tratava as crianças e o carinho que estas sentiam por ela.

“Não sabes — escrevia a uma jovem mãe — com que rapidez consigo ganhar a simpatia das crianças, sei brincar com elas de um modo que imediatamente começam a querer-me”.

Amavam Krupskaia, não só as crianças, como também seus pais, como o prova outra carta sua:

“Também eu já tenho filhos. Em primeiro lugar, certo foguista de Chita “nas primeiras estrofes” de sua carta, obsequia-me com um recém-nascido ao qual deu o nome Vladimir; em segundo lugar, um destes dias me achei num batizado, e fazendo de padre, dei ao menino o nome de Vladimir, como desejavam os pais, operários da fábrica de tecidos de Golutvin”.

Krupskaia demonstrava excepcional interesse pelas crianças em idade de serem pioneiros, e o curioso é que elas a compreendiam muito bem, por mais complexo que fosse o tema da conversa que mantivesse com elas. Suas cartas e respostas às cartas de pioneiros são um modelo de simplicidade e clareza na exposição das questões mais complicadas para a inteligência infantil.

As seguintes linhas de uma carta sua de resposta, provam como era vasta a correspondência que lhe enviavam os pioneiros:

“Queridos pequenos: Tenho na minha frente mais de cinquenta cartas de pioneiros de todos os confins da nossa União. Muitas são da Ucrânia, da Bacia do Donets. Também da Armênia, de Geórgia, Azerbaidjão, do Extremo Norte, do destacamento de pioneiros do território de Kola-Lopar, que se encontra na selva, a 300 quilômetros do povoado de Kola, onde os habitantes são finlandeses, loparianos que se ocupam em trabalhos florestais; tenho cartas da Criméia, do Cáucaso do Norte, muitas cartas do Ural, do território de Nizhegorodsk. Há também do meio do Volga, da região de Ivánovo, da Sibéria Oriental, etc. Tenho cartas em alemão, de uma escola da Ucrânia”.

Não só dos pioneiros era conhecido o amado o nome glorioso de Nadezhda Krupskaia. Escreviam-lhe pedindo conselhos e indicações, mulheres, membros da Juventude Comunista, operários, kolkozianos, professores, bibliotecários. Sentia remorsos de consciência porque não podia responder a todas as cartas que lhe enviavam.

“Tenho diante de mim cerca de 200 cartas — queixa-se a um camarada — às quais tenho que responder, às quais devo responder. Os meninos me comunicam seus pensamentos mais íntimos, e a “querida tia” não lhes responde. Escrevem-me membros da Juventude Comunista, operárias, professores, e eu não tenho tempo nem de ler essa original correspondência, na qual se fala de coisas extremamente essenciais”.

Com o correr dos anos essa “original” correspondência alcançou tais proporções que Krupskaia teve que encarregar vários secretários para classificar e responder às cartas, separando, por indicação sua, as que ela considerava necessário responder pessoalmente.

Mas não só mantém com as massas um contacto epistolar, como também esta constantemente em pessoa entre elas. Podia-se vê-la e escutá-la nas fábricas e grandes empresas de Moscou e de sua região, especialmente onde predomina o pessoal feminino. Entre as mulheres operárias acha-se em seu meio, em seu ambiente.

Começa o período agudo da guerra civil. O triunfo está diretamente relacionado com as simpatias e a conduta dos camponeses médios: depende de se apóiam o Poder soviético ou se se inclinam para os generais brancos.

No outono de 1918, Lênin lança a palavra de ordem:

“Saber chegar a um acordo com os camponeses médios, sem enfraquecer nem um minuto a luta contra os kulaks e tomando como sólido ponto de apoio apenas os camponeses pobres…”(26).

No VIII Congresso do P. C. da Rússia, realizado em março de 1919, foi submetida a uma revisão geral a linha do Partido em relação ao campesinato médio, do qual até aí só se tinha exigido neutralidade, ao qual só se havia pedido que não apoiasse o kulak.

Em seu informe perante o Congresso, Lênin propôs passar da política de neutralização a uma firme aliança com o campesinato médio, para lutar contra os guardas brancos e a intervenção, para fazer triunfar a edificação socialista. Como se sabe, o Congresso aprovou esta proposta de Lênin.

“Era preciso lutar contra o atraso dos camponeses médios pelo método da persuasão, e não, de modo algum, com medidas de coação e de violência. Por isso, o Congresso traçou a norma de que, ao implantar medidas socialistas no campo (ao criar as comunas e os artéis agrícolas), não se permitisse de modo algum a coação. Sempre que fossem afetados os interesses vitais dos camponeses médios era necessário chegar-se a um acordo prático com eles e fazer-lhes concessões sobre a fixação dos métodos de implantação das transformações socialistas. O Congresso concordou em aplicar uma política de uma aliança firme com os camponeses médios, mantendo, porém dentro dessa aliança, o papel dirigente do proletariado”(27)

Guiando-se pelas resoluções do VIII Congresso, o Partido tinha que realizar um grande trabalho de esclarecimento no campo. Com este fim organizou-se um navio de agitação, “Krásnaia Zvezdá” (“A Estrela Vermelha”), sendo nomeado Molotov para comissário do mesmo.

Naquele navio seguiu Krupskaia em viagem de agitação pelos lugares antes ocupados pelas tropas brancas. Tinha sido marcado o seguinte itinerário: de Nizhni até Kama, em seguida rio acima pelo Kama, seguindo-se depois pelo Volga, rio abaixo, até onde o permitissem as condições da luta com os brancos.

O “Krásnaia Zvezdá”, seguindo os brancos, tinha que realizar durante as paradas, comícios, assembléias e conferencias com os militantes do Partido e com os funcionários soviéticos. O “Krásnaia Zvezdá”, guiando-se pelas resoluções do VIII Congresso do Partido, devia assegurar o Poder soviético nas diversas localidades.

Em todas as partes onde o “Krásnaia Zvezdá” parava Krupskaia pronunciava discursos de propaganda ante as massas. Paralelamente trabalhava para o Comissariado de Instrução Pública, organizando e dando instruções ao magistério.

Anota em seu diário suas impressões do que viu e escutou.

Particular impressão lhe causou o comício realizado nas oficinas do Vótkinsk, de onde não havia ainda muito tempo tinham sido desalojados os brancos, deixando como recordação um terror extremamente sangrento. Destruíram o clube da Juventude, fuzilando numerosos rapazes organizadores e membros do mesmo. Não havia entre os operários da fábrica, nenhuma família que não chorasse um filho jovem, assassinado pelos bandidos brancos.

No fim do comício, que transcorreu num ambiente de emoção e entusiasmo, todos os presentes entoaram a marcha fúnebre revolucionária “Vós tombastes” e escutavam-se os soluços na sala.

Durante a viagem a bordo do “Krásnaia Zvezdá” agravou-se a enfermidade de Basedov, da qual sofria Krupskaia. Contudo gostava tanto do trabalho de agitação, de propaganda e instrução que realizava entre as massas, neste período extraordinariamente agudo da luta pelo fortalecimento do Poder soviético, que decidiu continuar por muito tempo, e Lênin, que conhecia o mau estado de sua saúde, teve grande trabalho para convencê-la a regressar a Moscou.

VII — Enfermidade e Morte de Lênin

KRUPSKAIA trabalhou energicamente, inclusive nos meses da maior gravidade de Lênin, época em que ela dizia que “lhe parecia andar à beira de um precipício”.

Naqueles dias, suas palavras dirigidas aos estudantes da escola superior do Partido, a Universidade Sverdlov, por motivo da passagem, em 1923, do primeiro lustro de existência “dessa filha do proletariado vitorioso”, refletem como sempre um elevado espírito e a fé inquebrantável na causa de Lênin(28).

“Camaradas: enviamos-lhes nossa mais cordial saudação.

A Revolução de Outubro forjou e lançou à face do mundo burguês uma série de palavras de ordem. Como a luz do raio, iluminou nossa miséria, nosso atraso cultural, nossa incapacidade. Porém, ao mesmo tempo, nos ensinou o caminho do comunismo. Começamos a edificar a vida.

Sabemos que apenas um trabalho tenaz e prolongado nos permitirá levar à prática as palavras de ordem de Outubro. O posto dos velhos será ocupado pela juventude, cujos fortes e ágeis braços continuarão a obra iniciada. Os estudantes da Universidade Sverdlov marcharão na primeira fila, Possuem muita energia e seu trabalho ali coloca-lhes nas mãos a arma da concepção materialista do mundo, o método marxista de interpretação dos fenômenos sociais. Em suas mãos, o marxismo converte-se num instrumento poderoso de transformação da realidade.

A Universidade Sverdlov é filha do proletariado vitorioso. Seu coração vibra em uníssono com os interesses do proletariado. Ela fundiu sua obra com a obra do proletariado, ao qual serve fielmente.

Os estudantes nela trabalham com tenacidade, sem desfalecimento, com objetivo de capacitar-se, de preparar-se para desempenhar sua profissão de forjadores do novo regime.
Com persistência e sem fraquejar trabalham os dirigentes da Universidade para dar aos estudantes a melhor formação ideológica proletária.

A Direção de Instrução Política está orgulhosa da Universidade Sverdlov.

Recebam, camaradas, nossa mais cordial saudação.

N. Krupskaia”.

Krupskaia não perde a coragem nem nos dias lutuosos da morte de Lênin, chefe e mestre do proletariado mundial, criador do Partido Bolchevique e do Estado Soviético — morte que teve lugar a 21 de janeiro de 1924. No dia 26, na sessão fúnebre do II Congresso dos Soviets, em que o camarada Stálin pronunciou seu solene juramento histórico, Krupskaia intervém, pronunciando a seguinte oração:

“Camaradas: O que vou dizer-vos não se parecerá em nada com um discurso parlamentar, mas como falo diante de representantes de Repúblicas de trabalhadores, perante camaradas queridos, aqueles que hão de construir a vida sobre novos alicerces, creio, camaradas, que não devo sujeitar-me a qualquer formalidade.

Quando nestes dias, camaradas, encontrava-me junto aos restos mortais de Vladimir Ilitch, passava pela mente toda a sua vida e eis o que quero dizer-vos: seu coração pulsou com imenso carinho por todos os trabalhadores, por todos os oprimidos. Ele não o dizia nunca, nem eu o diria, noutro momento menos solene, e digo isto agora porque foi um sentimento que herdou do heróico movimento revolucionário russo. Este sentimento levou-o a buscar, ansiosa e fervorosamente, resposta para uma pergunta: quais os caminhos da libertação dos trabalhadores? Encontrou a resposta em Marx. Não estudou Marx como um erudito, mas como um homem que procura uma resposta para os problemas que o atormentam constantemente. E achou esta resposta em Marx. Com ela se dirigiu aos operários.

Foi na década dos noventa. Não podia então usar a tribuna pública. Foi até aos círculos operários em Petersburgo, para contar-lhes o que tinha aprendido de Marx, falar-lhes sobre as respostas que havia encontrado nas obras de Marx. Não foi aos círculos operários como um mestre altivo, mais como um camarada. E não falava e contava, apenas, mas escutava também atentamente o que lhe diziam os operários. E os operários da capital não lhe falavam apenas das condições em que trabalhavam nas fábricas, da opressão que sofriam. Falavam-lhe de suas aldeias.

Na sala mortuária da Casa dos Sindicatos, junto ao ataúde de Vladimir Ilitch, vi um operário que participava dos círculos dirigidos por Lênin. Era um camponês da província de Tula. Então dizia a Vladimir Ilitch esse camponês de Tula, operário das oficinas de Semiádov: “Aqui na cidade, me é difícil explicar-me. Voltarei à minha província e contarei tudo o que disseste. Contarei aos de minha família e aos outros camponeses. Eles me acreditarão. Sou um deles. E ali nenhum gendarme poderá me impedir de o fazer”.

Falamos muito da aliança entre operários e camponeses. Esta aliança foi-nos dada pela própria história. O operário russo é metade operário, metade camponês. O trabalho entre os operários de Petersburgo, as conversas com eles, a atenção prestada a suas conversas, permitiram a Lênin compreender o grande pensamento de Marx, a idéia de que a classe operária é o destacamento de vanguarda de todos os trabalhadores, e que é seguida por todas as massas trabalhadoras, todos os oprimidos; nisto reside a força e a garantia de seu triunfo. Só colocando-se à frente de todos os trabalhadores, a classe operária pode triunfar. Isto Vladimir Ilitch compreendeu quando atuava entre os operários de Petersburgo. E este pensamento, esta idéia guiou desde então toda a sua atuação, cada um dos seus passos. Ele queria que o Poder pertencesse aos trabalhadores. Compreendia que a classe operária precisava do Poder não para gozar uma boa vida à custa dos demais trabalhadores; compreendia que a missão histórica da classe operária consiste em libertar todos os oprimidos, todos os trabalhadores. Esta idéia fundamental imprimiu sua marca a toda a atividade de Vladimir Ilitch.

Camaradas, representantes das Repúblicas Soviéticas, Repúblicas de trabalhadores: dirijo-me a vós e vos rogo que guardeis em vossos corações esta idéia de Vladimir Ilitch.

Agora, camaradas, quero dizer-vos estas palavras de encerramento: morreu nosso Vladimir Ilitch, morreu nosso querido, nosso maior amigo e mestre.

Camaradas comunistas, levantai mais alto a bandeira que Lênin amara, a bandeira do comunismo!”.

Quando, passados longos anos, seus amigos perguntavam a Krupskaia de onde, sendo tão débil, havia tirado forças nos lutuosos dias do enterro de Lênin, não só para manter-se em pé, como para pronunciar grandes discursos e escrever artigos nos jornais, respondia-lhes que, achando-se na sala mortuária da Casa dos Sindicatos ao lado do ataúde de Lênin e vendo a dor que a todos causava sua morte, se confundiu com todos, e sua dor deixou de ser pessoal para unir-se à grande dor de todos e quis dizer a todos como compreendia Lênin.

É característica de seus traços morais a declaração feita na sessão fúnebre do II Congresso dos Soviets, de que unicamente em razão da solenidade do momento se decidia a ressaltar as qualidades pessoais de Lênin. Mais tarde manifesta um pensamento semelhante numa carta a Máximo Gorki:

“… Às vezes, ao escrever minhas memórias, sinto uma estranha sensação. Por um lado me parece que devo contar aos operários, à juventude, tudo o que recordo de Ilitch, e por outro, penso que talvez não estivesse de acordo com minhas memórias, porque gostava muito pouco de falar de si mesmo.

Quando você chegou, eu ardia em desejos de lhe falar sobre Ilitch, simplesmente, de chorar um pouco como mulher, em sua presença, na presença da pessoa diante de quem Ilitch falava de si talvez mais do que o faria perante outra. Porém, para dizer a verdade, senti um pouco de vergonha”.

VIII — Imensa Atividade Durante os Quinquênios Stalinistas e Morte no Posto de Combate

Qual o setor da frente cultural em que Krupskaia não teria trabalhado nos anos dos quinquênios stalinistas? Tudo a interessava: o trabalho escolar, os clubes e bibliotecas, os destacamentos de pioneiros, e literatura para a juventude e a infância, o estudo científico dos problemas de pedagogia, etc.

“O trabalho é inesgotável, escreve a Gorki, há grande falta de pessoal, todos os departamentos estão eletrizados, a base enervada: todo mundo pede toda classe de estudos, há inúmeras coisas tão interessantes e nem por um momento se pode ficar afastado da vida”.

Krupskaia não podia nem queria ficar afastada da vida magnífica que se desenrolava diante de seus olhos, diante dos olhos de uma pessoa a quem havia cabido a sorte, a grande felicidade de ver convertidos em realidade os mais audazes sonhos de sua mocidade.

Desta felicidade, desta honra de ser um dos edificadores da sociedade socialista, fala Krupskaia a 15 de novembro diante de seus eleitores, perante os operários têxteis de Serpukovo, que a tinham indicado candidata a deputado ao Soviet Supremo da URSS.

“Coube-me a grande felicidade de ver como nosso país, de país de trevas, país pobre, país escravizado pela bota do tzarismo, por latifundiários e capitalistas, se transformou em país do Socialismo. Esta é minha maior felicidade. Agora, quando assisto a numerosas reuniões e vejo a coesão das massas, quando vejo com que amor olham nosso Partido, com que amor recordam Lênin, com que carinho falam de Stálin, dos dirigentes de nosso Partido, sinto enorme alegria.

Camaradas: permiti que vos agradeça a confiança que me demonstrais. Torna-me feliz ver-me inscrita como candidata a deputado do Soviet Supremo da União pelo distrito de Sérpukovo. É um distrito de operários têxteis e eu me formei como bolchevique atuando justamente numa localidade onde existem muitas fábricas têxteis, e minhas relações com o camarada Lênin começaram justamente pelo estudo da vida das fábricas e oficinas do distrito de Volodarsk, onde se achavam as fábricas Tornthon, Mackwell, Paal e outras…”

Terminou seu brilhante discurso com estas palavras:

“Devemos cuidar das conquistas do socialismo em nosso país, como das meninas de nossos olhos. Com a mais profunda aversão nosso povo odeia aos que lutam contra a causa de Lênin e Stálin, aos que atraiçoam a causa da classe operária. Ódio e desprezo nosso povo sente contra os espiões e divisionistas trotsquistas-bukarinistas. Não podemos ter outro sentimento para com os inimigos”.

Além do enorme trabalho de caráter educacional, Krupskaia considerava obrigação sua intervir nos atos públicos nos dias das campanhas políticas: o 8 de março, o Dia da Juventude, o Dia da Constituição, do Exército Vermelho, o Primeiro de Maio, o 7 de Novembro, nos Dias de Lênin, durante os quais, de forma simples e fácil, falava às massas sobre a vida de Lênin, relacionando o passado com o presente, exortando uma e milhares de vezes as massas a continuarem realizando as indicações de Lênin, sob a direção do camarada Stálin, o grande continuador da obra de Lênin.

Krupskaia dedicava muito do seu tempo às tarefas que o Partido lhe entregava. Era membro da Comissão Central do Controle P. C. (b) da URSS, e, desde 1927, isto é, a partir do XV Congresso do Partido, membro do Comitê Central do Partido. O mesmo se pode dizer de suas tarefas estatais: era membro do Comitê Central Executivo dos Soviets, portanto, deputado do Soviet Supremo da URSS, fazendo parte do Presidium do mesmo.

À primeira vista pode parecer estranho que uma pessoa fisicamente tão fraca, como Krupskaia foi durante toda a vida, tenha podido desempenhar semelhante tarefa, e mais estranho ainda que pudesse cumprir tantas obrigações.

O enigma fica decifrado quando se considera como era profunda, como era ardente a fé de Krupskaia na capacidade criadora dos povos livres da URSS como sabia trabalhar apoiando-se nos ativistas que surgiam do seio das massas e como a inspiravam as perspectivas do trabalho, sobre as quais escrevia, a Gorki:

“As pessoas devem crescer em inteligência e coração. E à base deste progresso individual, nas nossas condições, se formará por fim um novo tipo de coletividade, onde o “eu” e o “nós” se fundirão num todo indissolúvel. Tal coletividade poderá formar-se unicamente à base de uma profunda união ideológica e de uma aproximação emocional igualmente profunda na mútua compreensão. A arte e a literatura, em especial, podem ter neste sentido uma influência considerável”.

Para facilitar tanto quanto possível este crescimento das pessoas, “em inteligência e coração” Krupskaia não poupava qualquer esforço. Não a detinha nem a doença crônica, nem a enfermidade de sua vista, que, segundo os médicos, era perigoso forçar. Invariavelmente começava seu trabalho diário às 6 da manhã, hora em que, em sua pequena habitação de tipo estudantil, se assentava à mesa de trabalho para ter tempo de escrever, redigir, elaborar algum plano antes de encaminhar-se para o seu Comissariado, e seu dia de trabalho terminava altas horas da noite.

Era muito difícil arrancar Nadezhda Krupskaia do trabalho, para descanso e tratamento. Era necessário inventar qualquer motivo especial.

Vejamos em que tom fala sobre seu descanso em Kislovodsk, em 1937, em carta a um camarada:

“O diabo me trouxe a Kislovodsk. Isto aconteceu porque Mania (a falecida irmã de Lênin, Maria Ulianova. C. B.) sofre de um processo ativo de tuberculose, embora não muito grave; não podia de modo algum trabalhar, porém declarou aos médicos que sem mim não iria ao Sul para curar-se. Tive de vir com ela; convinha-me porque tinha chegado ao extremo. Meu coração estava inchado.

Sinto-me mal aqui, isto é por demais “balneário”, sem trabalho sinto-me como o peixe fora d’água, decididamente mal”.

Por seu admirável e abnegado trabalho no ramo da educação comunista, por seu valoroso e incessante trabalho, o Governo Soviético condecorou Krupskaia com a Ordem de Lênin e com a Ordem da Bandeira Vermelha do Trabalho.

Em janeiro de 1939, pouco antes de sua morte, falando ante uma conferência de professores rurais do distrito de Moscou, Krupskaia aponta-lhes o importante papel que desempenhará o livro “História do Partido Comunista (bolchevique) da URSS“, porque está

“escrito de tal forma que ilustra com profundidade extraordinária todo o caminho percorrido pelo Partido, todo o caminho de luta das massas pelo socialismo, sob a direção do Partido”.

No fim de sua intervenção nessa assembléia, pronunciou estas palavras:

“O nome de Lênin e o nome de Stálin são nossa bandeira. Quando falamos de Lênin, de Stálin, pensamos no socialismo, nas grandes conquistas que temos alcançado, pensamos no triunfo do comunismo. Deveis educar as crianças de modo que sejam verdadeiros leninistas, stalinistas, que, seguindo o exemplo de seus mestres, olhando para os adultos que são stakanovistas adiantados, olhando para os ativistas — seus pais, suas mães, cresçam como homens verdadeiramente novos. Para poder educar as crianças de modo a serem homens novos, devemos trabalhar todos para aumentar mais ainda nossa própria capacitação, estudar como é necessário o marxismo-leninismo, levantar cada vez mais alto a bandeira de Marx, Engels, Lênin e Stálin“.

Esta foi uma das últimas intervenções de Krupskaia, mas não a última.

Segundo conta seu secretário, ainda a 23 de fevereiro falou numa reunião do Conselho de Comissários do Povo da RSFSR, defendendo calorosamente o plano por ela elaborado para a edificação cultural no terceiro plano quinquenal stalinista.

Foi a última intervenção de Krupskaia…

A última carta escrita por ela, dois dias antes de morrer, era dirigida aos alunos de uma escola, que lhe perguntavam de que canções mais gostava, prometendo aprendê-las.

“Minha canção preferida é a “Internacional“, respondeu ela aos pequenos. Também gosto muito da canção do “Exército Vermelho”, que durante a guerra civil cantavam no Kremlin os combatentes vermelhos, e Ilitch e eu muito gostávamos de escutar”.

A 24 de fevereiro ainda corrige a versão taquigrafada de seu discurso sobre a propaganda como era compreendida por Lênin, discurso pronunciado por Krupskaia não havia muito tempo na Universidade Sverdlov.

A 26 de fevereiro de 1939, o Comitê Central do P. C. (b) da URSS, o Conselho de Comissários do Povo, as organizações do Partido, os órgãos soviéticos e as organizações sociais celebraram com grande carinho e respeito o dia em que Krupskaia completou setenta anos de magnífica vida, a revolucionária proletária, lutadora incansável pela causa do comunismo, companheira de vida e de lutas de Lênin.

Na madrugada de 27 de fevereiro de 1939 extinguia-se a preciosa vida de Nadezhda Krupskaia.

Sua morte constituiu uma grande perda para todo o povo soviético. No dia do seu enterro, na Praça Vermelha de Moscou, e em todos os recantos do país, foram realizados atos fúnebres aos quais assistiram centenas de milhares de pessoas. Com a cabeça inclinada em memória de Krupskaia, os jovens edificadores da nova vida prestaram solene juramento de continuar com toda a energia a obra de Lênin e Stálin, a obra do comunismo. Inspirando-se na vida exemplar de Nadezhda Krupskaia, eles vem cumprindo esse juramento.

Compartilhe este texto:
Início da página
Visite o MIA no Facebook

Notas:

(1) V. I. Lênin — “Cartas aos familiares” — Edição russa, Moscou. (retornar ao texto)

(2) V. I. Lênin — “Obras completas”, pág. 218, vol. I, Edição russa, Moscou. (retornar ao texto)

(3) V. I. Lênin – “Obras completas”, pág. 398, vol. XIV, Edição russa. Moscou. (retornar ao texto)

(4) J. Stalin — “História do PC (b) da URSS“, pág 10. Edições Horizonte, Rio. (retornar ao texto)

(5) J. Stalin — “História do PC (b) da URSS“, pág 10. Edições Horizonte, Rio. (retornar ao texto)

(6) V. I. Lênin – “Cartas aos Íntimos, 1894-1919”, Moscou. (retornar ao texto)

(7) Em fins do século passado e nos primeiros anos do presente, tomou corpo entre os social-democratas russos uma tendência oportunista, semelhante ao bernsteinianismo, chamada “economismo”. Os adeptos desta tendência afirmavam que a classe operária devia manter apenas uma luta econômica, deixando para a burguesia a luta política. De acordo com esta teoria dos “economistas”, a classe operária caminha espontaneamente para o socialismo e a tarefa do partido socialista consiste apenas em estudar o desenvolvimento prático do movimento operário e segui-lo. Lênin demonstrou que o “economismo” abria caminho à influência burguesa sobre o proletariado, matava a idéia de unificação do movimento operário como o socialismo, e ajudava a burguesia. Sob a direção de Lênin, o Partido Bolchevique esmagou o “economismo”. (retornar ao texto)

(8) J. Stálin — “História do PC (b) da URSS” pág. 12, Edição Horizonte, Rio. (retornar ao texto)

(9) V. I. Lênin. “Cartas aos íntimos 1894 — 1919”, edição russa, Moscou. (retornar ao texto)

(10) J. Stálin — “História do PC (b) da URSS” pág. 17, Edição Horizonte, Rio. (retornar ao texto)

(11) Não figuram aí nem o endereço nem o código (Nota da edição russa). (retornar ao texto)

(12) palavra ilegível (Nota do autor) (retornar ao texto)

(13) J Stálin — “História do PC (b) da URSS” pág. 20 Edições Horizonte, Rio. (retornar ao texto)

(14) J. Stálin — “História do PC (b) da URSS“, pág. 36, Edições Horizonte. Rio. (retornar ao texto)

(15) J. Stálin – “História do PC (b) da URSS“, pág. 40, Edições Horizonte. Rio. (retornar ao texto)

(16) J. Stálin — “História do PC (b) da URSS” pág. 59, Edições Horizonte. Rio. (retornar ao texto)

(17) J Stálin — “História do PC (b) da URSS” pág. 59 Edições Horizonte, Rio. (retornar ao texto)

(18) J Stálin — “História do PC (b) da URSS” pág. 65 Edições Horizonte, Rio. (retornar ao texto)

(19) J Stálin — “História do PC (b) da URSS” pág. 68 Edições Horizonte, Rio. (retornar ao texto)

(20) “Cartas de Lênin a Gorki”, Moscou. (retornar ao texto)

(21) Lênin e Stálin. Obras escolhidas de 1917. (retornar ao texto)

(22) Lênin e Stálin. idem. (retornar ao texto)

(23) J. Stálin — “História do PC (b) da URSS“, pág. 78, Edições Horizonte, Rio. (retornar ao texto)

(24) “Lênin e Stálin – Obras Escolhidas de 1917”, pág. 165, ed. russa, 1938, Moscou. (retornar ao texto)

(25) J. Stálin – “História do PC (b) da URSS“, pág 91, Edições Horizonte, Rio. (retornar ao texto)

(26) J. Stálin — “História do PC (b) da URSS“, pág. 94, Edições Horizonte, Rio. (retornar ao texto)

(27) J. Stálin — idem., pág. 94, Edições Horizonte, Rio. (retornar ao texto)

(28) — Carta escrita em nome da Direção de Instrução Política do Comissariado do Povo de Instrução Pública. (retornar ao texto)

Mulher, negra e juíza

Primeira mulher negra a se tornar juíza no Brasil, Luislinda Dias Valois dos Santos afirma que ainda existe muito preconceito no País

Texto: Marcela Rossetto Foto: Mônica Tagliapietra

luislinda

O título de primeira mulher negra a se tornar juíza no Brasil é apenas um dos que a magistrada baiana Luislinda Dias de Valois Santos somou ao longo de sua carreira no Judiciário.

Aos 68 anos de idade, 26 anos de magistratura e 51 anos  de serviço público, inclusive na área federal, como procuradora autárquica, Luislinda já foi homenageada e premiada em diversas esferas públicas e entidades no País e no exterior pelos projetos de inclusão e acesso à Justiça desenvolvidos nas comarcas por onde passou – e foram 11, além da atual, na capital do estado, Salvador.

Consciente de que é parâmetro de sucesso para a raça negra, defende o sistema de cotas (mas não indefinidamente), acredita que a Lei contra o Racismo ainda não é muito bem utilizada e afirma que o preconceito existe, sim, no Brasil, apesar das tentativas de se esconder isso. “Quem quiser saber o que é ser negro, fique negro por apenas 24 horas” é sua máxima para quem duvida de que exista discriminação racial no País.

Luislinda Valois já foi vítima de preconceito no exercício da magistratura, mas afirma que com “simplicidade, lhaneza  e altivez” sempre resolveu essas situações. Seu único lamento – e desafio constante – é ainda não ter se tornado desembargadora no Tribunal de Justiça da Bahia.

Nesta entrevista concedida por e-mail à Visão Jurídica, a juíza Luislinda Valois fala de Direito, raça, preconceito e do seu modo de ver a vida. “Sou lutadora, tenho uma vida reta”, afirma a magistrada que já recebeu as alcunhas de juíza maleira, porque não tinha espaço para trabalhar; juíza euquipe, porque não tinha funcionários e Ruy Barbosa de Saia, o que dispensa explicações.

Visão Jurídica – A senhora foi a primeira mulher negra a ser tornar juíza no Brasil. Qual o impacto disso na sua vida e na profissão?

Luislinda Dias de Valois Santos – Não levo em conta se sou a primeira ou a última mulher negra a ser juíza no Brasil. Para mim, o que interessa é ter coragem de dizer o que precisa ser dito a tempo e a hora. E isso eu faço porque sou totalmente independente, aliás, só dependo de Deus e dos meus Orixás. Minha vida e minha profissão sempre foram, são e serão pautadas no labor pelo bem da humanidade.

VJ – A senhora se considera um símbolo ou um exemplo para o movimento negro?

LDVS – Não sou nem uma coisa nem outra, apenas luto e lutarei enquanto forças tiver, para ver, não apenas o negro, mas todos os excluídos  – cadeirantes, gays, lésbicas, prostitutas, simpatizantes  – atendidos por políticas públicas reais e verdadeiras.

VJ – O que a motivou a escolher o Direito e a carreira da magistratura?

LDVS – Creio que fui estimulada a fazer Direito e depois tornar-me magistrada por causa das palavras discriminatórias do meu professor, que  tentou me fazer acreditar que eu seria uma boa cozinheira em virtude dos meus pais não terem comprado o material de desenho que ele havia indicado. Ditas palavras me chegaram aos ouvidos quando eu tinha apenas 9 anos de idade em plena sala de aula.

VJ – O Judiciário brasileiro é preconceituoso? Por quê?

Continuar lendo

Niccolo Paganini (1782-1840)

 

 

O italiano Niccolo Paganini (1782-1840) foi o maior virtuose da história do violino e um dos músicos mais influentes de todos os tempos. Ele nasceu na cidade de Gênova em 27 de outubro. Começou a estudar violino na infância, progredindo exponencialmente. Aos 8 anos, compôs sua primeira sonata. Adolescente, já fazia sucesso estrondoso e se apresentava por toda Itália. Paganini cumpria rigorosa rotina diária de estudos, chegando a se dedicar ao instrumento por até 15 horas seguidas. Até hoje, as obras que compôs para violino são referência técnica. Seus “24 Caprichos” estão entre as de mais difícil execução do instrumento. Veja o virtuose Jascha Heifetz tocar o “Capricho N. 24”. http://www.youtube.com/watch?v=vPcnGrie__M

Renato Braz

Enquanto eu modificava alguns pontos do projeto de ensino a percussão(que faz parte das atividades da associação cultural tocando a vida),  ouvia paralelamente a rádio senado,  que prima por criações genuinamente brasileiras. Ouvi uma música que me chamou atenção e logo fui em busca de seu autor na internet. Descobri Renato Braz, que por coincidência tem o mesmo sobrenome que eu ;D   pesquisando sua trajetória e riqueza cultural, fiquei impressionado com a qualidade musical deste cara. Segue abaixo um resumo que tirei do site  Cariri Mostra Musical Ibero Americana:

 

Nascido em São Paulo, Renato Braz cresceu com a música. Aos quinze anos começou a se familiarizar com a percussão e logo assumiu o posto de baterista tocando nas noites. Como vocalista e baterista, Renato Braz cresceu cantando em festivais. O artista teve a chance de se apresentar ao lado de grandes nomes da música brasileira como Luiz Melodia, Antônio Nóbrega e Ney Matogrosso, ganhando reconhecimento e público.

 

Em sua carreira de sucesso, lançou, entre outros, o disco Outro Quilombo, com interpretações de músicas de Caetano Veloso e Gilberto Gil. Esta obra foi ganhadora do Prêmio Visa “Edição Vocal de 2002″ e elogiada pela crítica do país inteiro. Em 2003 foi mais uma vez premiado com o seu disco, Quixote, na categoria “Melhor Cantor” no Prêmio Visa de MPB.

Paulistano, cresceu em um ambiente muito musical. Aos quinze, iniciou-se na percussão e começou a tocar nas noites como baterista. Aos poucos foi desenvolvendo-se como cantor e, assim, iniciou sua carreira em festivais. Seu primeiro disco foi gravado em 1996 e de cara foi indicado para o Prêmio Sharp de Música Brasileira. Os outros, “História antiga” (1998), “Outros quilombos” (2002), “Quixote” (2002) e “Por toda a vida” (2006), foram muitíssimo bem recebidos pela crítica e lhe garantiram alguns prêmios, mas não é exatamente este o ponto que quero tocar. Quem me conhece sabe que eu evito os clichês ao máximo, mas, neste caso, não posso escapar: ouvir Renato Braz preenche seu corpo de harmonia e paz. Não tem erro.

Com repertório de primeira, suas canções não são presas a um estilo: seus compositores vão de Dori Caymmi e Tom Jobim a Jararaca e Geraldo Vandré, por exemplo, passando por Villa-Lobos, Chico Buarque e Paulo César Pinheiro. Isso sem citar Caetano, Gilberto Gil, Edu Lobo, Mário Gil e outras feras. Como o artista é a favor de disponibilizar seus discos para download, deixo aqui um link do magnífico blog Um que tenha para você baixar todos os discos do Tetéu, apelido carinhoso do Renato. É só clicar ali no azulzinho e botar no MP3 pra ir escutando com calma ao longo do dia.

Lélia González

 

 

Biografia

Filha de um ferroviário negro e de uma empregada doméstica indígena era a penúltima de 18 irmãos, entre eles o futebolista Jaime de Almeida, que jogou pelo Flamengo. Nascida em Belo Horizonte, mudou-se para o Rio de Janeiro em 1942.

Graduou-se em História e Filosofia e trabalhou como professora da rede pública de ensino. Fez o mestrado em comunicação social e o doutorado em antropologia política. Começou então a se dedicar à pesquisas sobre relações de gênero e etnia. Foi professora de Cultura Brasileira na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, onde chefiou o departamento de Sociologia e Política.

Ajudou a fundar instituições como o Movimento Negro Unificado (MNU), o Instituto de Pesquisas das Culturas Negras (IPCN), o Coletivo de Mulheres Negras N’Zinga e o Olodum. Sua militância em defesa da mulher negra levou-a ao Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM), no qual atuou de 1985 a 1989. Foi candidata a deputada federal pelo PT, elegendo-se primeira suplente. Nas eleições seguintes, em 1986, candidatou-se a deputada estadual pelo PDT, novamente elegendo-se suplente.

Seus escritos, simultaneamente permeados pelos cenários da ditadura política e da emergência dos movimentos sociais, são reveladores das múltiplas inserções e identificam sua constante preocupação em articular as lutas mais amplas da sociedade com a demanda específica dos negros e, em especial das mulheres negras.

 

Legado

Entre outras homenagens, Lélia Gonzalez tonrou-se nome de uma escola pública estadual no bairro de Ramos, no Rio de Janeiro, de um centro de referência de cultura negra, em Goiânia, e de uma cooperativa cultural, em Aracaju. Foi citada pelo bloco afro Ilê Aiyê em duas edições do Carnaval baiano: em 1997, como parte do enredo Pérolas negras do saber, e em 1998, com Candaces.

O dramaturgo Márcio Meirelles escreveu e encenou em 2003 a peça teatral Candaces – A reconstrução do fogo, baseada em sua obra.

Em 2010, o governo da Bahia criou o Prêmio Lélia Gonzalez, para estimular políticas públicas voltadas para as mulheres nos municípios baianos.

 

 

Mário de Andrade

 

 

 

 

 

 

Nome: 
Mário de Andrade

Nascimento:
09/10/1893

Natural:
São Paulo – SP

Morte:
25/02/1945

 

 

Mário de Andrade


Eu sou um escritor difícil
Que a muita gente enquisila,
Porém essa culpa é fácil
De se acabar de uma vez:
E só tirar a cortina
Que entra luz nesta escuridez.

(A Costela de Grão Cão)


1893
: Nasce Mário Raul de Moraes Andrade, no dia 9 de outubro, filho de Carlos Augusto de Moraes Andrade e Maria Luísa Leite Moraes Andrade; na Rua Aurora, 320, em São Paulo – SP.

1904: Escreve o primeiro poema, cantado com palavras inventadas. “O estalo veio num desastre da Central durante um piquenique de subúrbio. Me deu de repente vontade de fazer um poema herói-cômico sobre o sucedido, e fiz. Gostei, gostaram. Então continuei. Mas isso foi o estralo apenas. Apenas já fizera algumas estrofes soltas, assim de dois em três anos; e aos dez, mais ou menos, uma poesia cantada, de espírito digamos super realista, que desgostou muito minha mãe. “— Que bobagem é essa, meu filho?” — ela vinha. Mas eu não conseguia me conter. Cantava muito aquilo. Até hoje sei essa poesia de cor, e a música também. Mas na verdade ninguém se faz escritor. Tenho a certeza de que fui escritor desde que concebido. Ou antes… Meu avô materno foi escritor de ficção. Meu pai também. Tenho uma desconfiança vaga de que refinei a raça…” Este o depoimento do escritor a Homero Senna, publicado no livro “República das Letras”, Editora Civilização Brasileira – Rio de Janeiro, 1996, 3a. edição, sobre como havia começado a escrever.

1905: Ingressa no Ginásio N. Sra. do Carmo dos Irmãos Maristas.

1909: Forma-se bacharel em Ciências e Letras. Terminado o curso multiplica leituras e freqüenta concertos e conferências.

1910: Cursa o primeiro ano da faculdade de Filosofia e Letras de São Paulo.

1911: Inicia estudos no Conservatório Dramático e Musical de São Paulo.

1913: Morre seu irmão Renato, aos 14 anos, devido a complicações decorrentes de uma cabeçada em jogo de futebol. Abalado pelo fato e trabalhando em excesso, Mário tem uma profunda crise emocional. Passa um tempo em Araraquara, na fazenda da família. Quando retorna desiste da carreira de concertista devido a suas mãos terem se tornado trêmulas. Dedica-se, então a carreira de professor de música.

1915: Conclui curso de canto no Conservatório.

1916: Conclui, como voluntário, o Serviço Militar.

1917: Diploma-se em piano pelo Conservatório. Morre seu pai. Publica Há uma gota de sangue em cada poema, poesia, sob o pseudônimo de Mário Sobral.. Primeiro contato com a modernidade na Exposição de Anita Malfatti. Primeira viagem a Minas: encontra o barroco mineiro, visita Alphonsus de Guimarães. Já iniciou sua Marginália.

1918: Recebe Diploma de Membro da Congregação Mariana de N. Sra. da Conceição da Igreja de Santa Ifigênia. Noviciado na Ordem Terceira do Carmo. Nomeado professor no Conservatório. Escreve contos e poemas. Colabora ocasionalmente em jornais e revistas como crítico de arte e cronista; em A Gazeta e O Echo (São Paulo).

1919: Profissão na Ordem Terceira do Carmo à 19 de março. É colaborador deA CigarraO Echo e A Gazeta. Viagem à Minas Gerais, visitando as cidades históricas.

1920: Lê obras Index . Faz parte do grupo modernista de São Paulo. Colabora em Papel e Tinta (São Paulo), na Revista do Brasil (Rio de Janeiro – até 1926) e na Illustração Brasileira (Rio de Janeiro – até – 1921).

1921: É professor de História da Arte no Conservatório. Pertence à Sociedade de Cultura Artística. Está presente no lançamento do Modernismo no banquete do Trianon. É apresentado ao público por Oswald de Andrade através do artigo “Meu poeta futurista” (Jornal do Commércio São Paulo). Escreve “Mestres do passado” para o citado jornal.

1922: Professor catedrático de História da Música e Estética no Conservatório. Participa da Semana de Arte Moderna em São Paulo, de 13 à 18 de fevereiro, no Teatro Municipal de São Paulo. Faz parte do grupo da revistaKlaxon, publicando poemas e críticas de literatura, artes plásticas, música e cinema. Escreve Losango Cáqui, poesia experimental. Inicia a correspondência com Manuel Bandeira, que dura até o final de sua vida. Publica Paulicéia desvairada, poesia.

1923: Estuda alemão com Kaethe Meichen-Bosen, de quem se enamora. Faz parte da revista Ariel, de São Paulo. Escreve A escrava que não é Isaura, poética modernista. Continua a colaborar na Revista do Brasil (Rio de Janeiro).

1924: Realiza a histórica “Viagem da Descoberta do Brasil“, Semana Santa dos modernistas e seus amigos, visitando as cidades históricas em Minas. Colabora em América Brasileira (contos de Belazarte), Estética e Revista do Brasil (Rio de Janeiro).

1925: Colabora n’A Revista Nova de Belo Horizonte. Publica A Escrava que não é Isaura: discurso sobre algumas tendências da poesia modernista. Adquire a tela de André Lhote, Futebol, através de Tarsila.

1926: Férias em Araraquara, escrevendo Macunaíma. Publica Primeiro andar, contos, e Losango Cáqui (ou Afetos Militares de Mistura com os Porquês de eu Saber Alemão), poesia. Escreve poemas de Clã do Jaboti. Colabora na Revista de Antropofagia, na Revista do Brasil e em Terra Roxa e Outras Terras.

1927: Colabora no Diário Nacional de São Paulo: crítico de arte e cronista (até 1932, quando o jornal é fechado). Estréia como romancista, publicando Amar, verbo intransitivo, que choca a burguesia paulistana com a história de Carlos, um adolescente de família tradicional iniciado nos prazeres do sexo pela sua Fraülein, contratada por seu pai exatamente para essa tarefa. Lança, também, o livro Clã do Jaboti, de poesias. Realiza a primeira “viagem etnográfica”: percorrendo o Amazonas e o Peru, da qual resulta o diário O Turista Aprendiz.

1928: Membro do Partido Democrático. Realiza sua segunda “viagem etnográfica”: ao Nordeste do Brasil (dez. 1928 – mar. 1929). Colabora naRevista de Antropofagia e em Verde. Publica Ensaio sobre a Música Brasileira eMacunaíma – o Herói sem nenhum caráter, onde inova com audácia e rebela-se contra a mesmice das normas vigentes. Com enorme sucesso a obre repercutiu em todo o país por seus enfoques inéditos. Sob um fundo romanesco e satírico, aí se mesclavam numa narrativa exemplar a epopéia e o lirismo, a mitologia e o folclore, a história e o linguajar popular. O personagem-título, um “herói sem nenhum caráter”, viria a ser uma síntese, o resumo das virtudes e defeitos do brasileiro comum.

1929: Inicia coluna de crônicas “Táxi“, no Diário Nacional. “Viagem etnográfica” ao Nordeste, colhendo documentos: música popular e danças dramáticas. Rompimento da amizade com Oswald de Andrade. Publica Compêndio de História da Música.

1930: Apóia a Revolução de 30. Defende o Nacionalismo Musical. PublicaModinhas Imperiais, crítica e antologia, e Remate de Males, poesia.

1933: Completa 40 anos. Faz crítica para o Diário de São Paulo (até 1935).

1934: Diplomado Professor honorário do Instituto de Música da Bahia. Cria e passa a dirigir a Coleção Cultural Musical (Edições Cultura Brasileira – São Paulo). Colabora em Festa (Rio de Janeiro), Boletim de Ariel. Publica Belazarte, contos, e Música, Doce Música, crítica.

1935: É nomeado chefe da Divisão de Expansão Cultural e Diretor do Departamento de Cultura. Publica O Aleijadinho e Álvares de Azevedo.

1936: Deixa de lecionar no Conservatório. Nomeado Chefe do Departamento de Cultura da Prefeitura.

1937: É contra o Estado Novo.

1938: Transfere-se para o Rio de Janeiro (27 jun.), demitindo-se do Departamento de Cultura (12 mai.). É nomeado professor-catedrático de Filosofia e História da Arte na Universidade do Distrito Federal e colabora noDiário de Notícias daquela cidade. Publica Namoros com a Medicina, estudos de folclore.

1939: Cria a Sociedade de Etnologia e Folclore de São Paulo, sendo seu primeiro presidente. Organiza o 1o. Congresso da Língua Nacional Cantada (jul.). Projeta a criação do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, SPHAN. É nomeado encarregado do Setor de São Paulo e Mato Grosso. Escreve poemas de A Costela do Grão Cão. Publica Samba Rural Paulista, estudo de folclore. É crítico do Diário de Notícias (até 1944) e colabora na Revista Acadêmica (Rio de Janeiro) e em O Estado de S. Paulo. Publica A Expressão Musical nos Estados Unidos.

1941: Volta a viver em São Paulo, à Rua Lopes Chaves 546. Está comissionado no SPHAN. Colabora em Clima (SP).

1942: Sócio-fundador da Sociedade dos Escritores Brasileiros. Colabora noDiário de S. Paulo e na Folha de S. Paulo. Publica Pequena História da Música.

1943: Publica Aspectos da Literatura BrasileiraO Baile das Quatro Artes, crítica, e Os Filhos de Candinha, crônicas.

1944: Escreve Lira Paulistana, poesia.

1945: Coberto de reconhecimento pelo papel de vanguarda que desempenhou em três décadas, Mário de Andrade morreu em São Paulo – SP em 25 de fevereiro de 1945, vitimado por um enfarte do miocárdio, em sua casa. Foi enterrado no Cemitério da Consolação. Publicação de Lira Paulistana e Poesias completas.

Um capítulo à parte em sua  produção literária sem fronteiras é constituído pela correspondência do autor, volumosa e cheia de interesse, ininterruptamente mantida com colegas como Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, Oswald de Andrade, Tarsila do Amaral, Fernando Sabino, Augusto Meyer e outros. Suas cartas conservaram, de regra, a mesma prosa saborosa de suas criações com palavras — um lirismo que, como ele disse, “nascido no subconsciente, acrisolado num pensamento claro ou confuso, cria frases que são versos inteiros, sem prejuízo de medir tantas sílabas, com acentuação determinada“. Coberto de reconhecimento pelo papel de vanguarda que desempenhou em três décadas, Mário de Andrade morreu em São Paulo SP em 25 de fevereiro de 1945.
Bibliografia:

– Há uma gota de sangue em cada poema, 1917

– Paulicéia desvairada, 1922

– A escrava que não é Isaura, 1925

– Losango cáqui, 1926

– Primeiro andar, 1926

– A clã do jabuti, 1927

– Amar, verbo intransitivo, 1927

– Ensaios sobra a música brasileira, 1928

– Macunaíma, 1928

– Compêndio da história da música, 1929 (reescrito como Pequena história da música brasileira, 1942)

– Modinhas imperiais, 1930

– Remate de males, 1930

– Música, doce música, 1933

– Belasarte, 1934

– O Aleijadinho de Álvares de Azevedo, 1935

– Lasar  Segall, 1935

– Música do Brasil, 1941

– Poesias, 1941

– O movimento modernista, 1942

– O baile das quatro artes, 1943

– Os filhos da Candinha, 1943

– Aspectos da literatura brasileira 1943 (alguns dos seus mais férteis estudos literários estão aqui reunidos)

– O empalhador de passarinhos, 1944

– Lira paulistana, 1945

– O carro da miséria, 1947

– Contos novos, 1947

– O banquete, 1978

– Será o Benedito!, 1992

Antologias:

– Obras completas, publicação iniciada em 1944, pela Livraria Martins Editora, de São Paulo, compreendendo 20 volumes.

– Poesias completas, 1955

– Poesias completas, editora Martins – São Paulo, 1972

– Homenagens:

– Foi escolhido como Patrono da Cadeira n. 40 da Academia Brasileira de Música.

Dados obtidos em livros de e sobre o autor e sites da internet.

 

 

J. R. R. Tolkien

 

 

John Ronald Reuel TolkienCBE (Bloemfontein, 3 de Janeiro de 1892 — Bournemouth, 2 de Setembro de 1973),[1] conhecido internacionalmente por J. R.R. Tolkien, foi um premiado escritor, professor universitário e filólogo britânico, nascido na África, que recebeu o título de doutor em Letras e Filologia pelaUniversidade de Liège e Dublin, em 1954,[2][3] e autor das obras O HobbitO Senhor dos Anéis e O Silmarillion.[4]

Tolkien nasceu em Bloemfontein, na República do Estado Livre de Orange, atual África do Sul, e e aos três anos de idade, com sua mãe e irmão, passou a viver na Inglaterra, terra natal de seus pais, tendo naturalizado-se britânico. Desde pequeno fascinado pela linguística, cursou a faculdade de Letras em Exeter. Participou ativamente da Primeira Guerra Mundial, onde começou a escrever os primeiros rascunhos do que se tornaria o seu “mundo secundário”, complexo e cheio de vida, denominado Arda, palco das mundialmente famosas obras “O Hobbit”, “O Senhor dos Anéis” e “O Silmarillion”, esta última, sua maior paixão, que, postumamente publicada, é considerada sua principal obra, embora não a mais famosa.[5][6]

Tornou-se filólogo e professor universitário, tendo sido professor de anglo-saxão (e considerado um dos maiores especialistas do assunto) na Universidade de Oxford entre 1925 a 1945, e de inglês e literatura inglesa na mesma universidade de 1945 a 1959. Mesmo precedido de outros escritores de fantasia, tais como William Morris, Robert E. Howard e E. R. Eddison, devido à grande popularidade de seu trabalho, Tolkien ficou conhecido como o “pai da modernaliteratura fantástica”.[7] Suas obras foram traduzidas para mais de 20 idiomas, vendeu mais de 200 milhões de cópias e influenciou toda uma geração.[8]

Católico convicto, Tolkien foi amigo íntimo de C.S. Lewis, autor de “As Crônicas de Nárnia”, ambos membros do grupo de literatura The Inklings.[9] Juntos planejaram, na década de 1940, escrever um livro sobre a língua, que seria publicado na década seguinte. O livro, que se chamaria “Linguagem e Natureza Humana”, no entanto, nunca chegou a ser publicado.[10]

Em 2009, a revista Forbes listou as 13 celebridades mortas que mais lucraram no respectivo ano. Tolkien alcançou a quinta posição, com ganhos estimados em 50 milhões de dólares.[11] Michael Jackson e Elvis Presley ficaram em primeiro e em segundo lugar, respectivamente.

Em 2011, foi anunciado que uma versão cinematográfica do livro Mirkwood: A Novel About JRR Tolkien, que narra de forma fictícia a vida do autor, seria produzido e lançado em 2012.

 

 

José Oswald de Sousa Andrade

Pintura de Tarcila do Amaral

 

Foi um dos promotores da Semana de Arte Moderna que ocorreu 1922 em São Paulo, tornando-se um dos grandes nomes do modernismo literário brasileiro. Foi considerado pela crítica como o elemento mais rebelde do grupo, sendo o mais inovador entre estes.

Um dos mais importantes introdutores do Modernismo no Brasil, foi o autor dos dois mais importantes manifestos modernistas, o Manifesto da Poesia Pau-Brasile o Manifesto Antropófago, bem como do primeiro livro de poemas do modernismo brasileiro afastado de toda a eloquência romântica, Pau-Brasil.

Foi um dos interventores na Semana de Arte Moderna de 1922. Esse evento teve uma função simbólica importante na identidade cultural brasileira. Por um lado celebrava-se um século da independência política do país colonizador Portugal, e por outro consequentemente, havia uma necessidade de se definir o que era a cultura brasileira, o que era o sentir brasileiro, quais os seus modos de expressão próprios. No fundo procurava-se aquilo que Herderja én natal definiu como alma nacional (volksgeist). Esta necessidade de definição do espírito de um povo era contrabalançada, e nisso o modernismo brasileiro como um todo vai a par com as vanguardas europeias do princípio do século, por uma abertura cosmopolita ao mundo.

Na sua busca por um caráter nacional (ou falta dele, que Mário de Andrade mostra em Macunaíma),Oswald, porém, foi muito além do pensamento romântico, diferentemente de outros modernistas. Nos anos vinte, Oswald voltou-se contra as formas cultas e convencionais da arte. Fossem elas o romance de ideias, o teatro de tese, o naturalismo, o realismo, o racionalismo e o parnasianismo (por exemplo Olavo Bilac). Interessaram-lhe, sobretudo, as formas de expressão ditas ingênuas, primitivas, ou um certo abstracionismo geométrico latente nestas, a recuperação de elementos locais, aliados ao progresso datécnica.