POR QUE AS INÚMERAS IDEIAS DE INOVAÇÃO NA EDUCAÇÃO NÃO ENCONTRAM O SEU FIM PRÁTICO?

Por: GERALDO HOULY LELIS DE FREITAS

RESUMO: Este artigo discute as dificuldades e os entraves que as propostas inovadoras de educação enfrentam para se consolidar na prática pedagógica, a exemplo da doutrina construtivista. Priorizam-se as discussões acerca da política e da gestão da educação atual a partir de uma análise crítica de seu processo histórico e de sua dependência com relação às diretrizes da reprodução do sistema capitalista. O problema não está nas ideias e nem nos esforços para a constante e sempre inacabada tarefa de promover a melhoria da educação, mas nas condições objetivas desfavoráveis para a realização em curto prazo, restando para a maioria, à tentativa frustrada de reconciliação ou de reformas com o sistema de educação nacional.

Inicialmente, com maior força na Europa ocidental do final do século XIX, as influências da ciência positivista na educação institucional são percebidas principalmente pelo empenho atual dos profissionais da educação em negar ou questionar a efetividade desse modelo para a prática pedagógica atual. Essa corrente “antipositivista” conquistou inúmeros adeptos em meados do século XX com as sanguinárias guerras mundiais e uma onda de críticas ao ideal positivista do progresso. Quando debruçada sobre as perspectivas teóricas e as doutrinas do campo pedagógico: behaviorista, psicométrico ou docimológico, cognitivista, histórico-social e construtivista, Fátima Maria Leite Cruz (2010), em Avaliação das aprendizagens, analisou os rastros do paradigma positivista que defende a partir da compreensão da existência de leis naturais que, independentemente da ação humana, existem e explicam determinados processos de aprendizagem sem levar em conta a complexidade da produção de saberes humano, ainda estão em evidência na prática pedagógica atual. Fátima Maria Leite Cruz (2010) destaca a doutrina construtivista como a melhor possibilidade de superar essa armadilha da mecanicidade do aprendizado pregado pelo positivismo em sua lógica científica deficiente, excludente e seletiva.

A abordagem positivista para a educação atual já não atende mais nem as expectativas dos alunos e nem dos professores, porque não dizer da própria sociedade do século XXI. Por que então ela ainda predomina nas escolas? Selva Guimarães Fonseca (2003) entende que a escolha deste modelo no caso do ensino de história está associada aos interesses da formação do Estado brasileiro no século XIX. A passagem para o século XX demonstrou progressos e regressos para o sistema de educação nacional. Desde as intervenções governamentais em período de exceção como foi o Golpe Militar de 1964 com a imposição de determinados interesses para o ensino da história às pressões populares para as reformas do ensino durante a redemocratização do país no qual sucedeu a criação da LDB que assegurou medidas importantes para melhorar a qualidade da educação do país. A tentativa de impor limitações para as ciências humanas nas escolas pela vontade do Conselho de Segurança Nacional em controlar e reprimir as opiniões contrárias à ditadura militar é um exemplo claro para a compreensão da educação como antes de tudo um campo político conflituoso. Juan Manuel Álvarez Méndez explica os problemas relacionados a essa lógica não inclusiva do modelo clássico na educação. Para o Juan Manuel Álvarez Méndez, “um dos problemas apresentados pelo modelo da racionalidade técnica ao ser aplicado à avaliação é que exige que o professor transfira o conhecimento a respostas precisas e inequívocas. Nele, a aprendizagem é algo que se pode medir, manipular e, inclusive, prever. Os testes, que adotam a forma de provas objetivas de apresentação distinta, desempenham um papel relevante nesse raciocínio. Os usos que foram feitos deles transcenderam os valores educativos para derivar em sutis, porém potentes, instrumentos para exclusão e a marginalização” (MÉNDEZ, 2002, p. 32). O objetivo da escolha positivista das avaliações pelo professor, ou mesmo na prática do ensino não se limita a clivagem daqueles que aprenderam (nota igual ou superior a média esperada) e dos que não aprenderam, mas também incorpora juízos de valor aos estudantes que vai além do espaço escolar, uma vez que alcança a percepção da família e de todos os que com o aluno ou com a escola interagem. É possível perceber que esse paradigma de ensino criou e enquadrou os alunos em um sistema de identidades homogêneas e distantes próprias do campo cultural na educação. O que representa um aluno nota 10 e um aluno nota 7? Um aluno disciplinado e um indisciplinado?

AS RAÍZES HISTÓRICAS DA ESCOLA INSTITUCIONAL

A história do construtivismo no Brasil registra a sua “chegada” (para não dizer origem) na década de 1980, de lá pra cá, o sistema de educação institucional ainda persiste com práticas pedagógicas não inclusivas e “meritocráticas” do modelo positivista. Quais os principais entraves que dificultam os avanços para o engajamento da educação com as necessidades da sociedade atual? A configuração das instituições de ensino como se apresenta material e imaterialmente, ainda é, em parte, uma apropriação do que foi inventado no século XVI. Naquele contexto histórico, as escolas eclesiásticas serviram para atender as necessidades da Igreja póstridentina de propor um modo eficaz de ensinar as crianças desde cedo à doutrina católica, em contrapartida, evitar o avanço das crenças protestantes. Na obra Vigiar e punir, Michel Foucault (1987) percebeu que a prática escolar pretendida pelos discursos iluministas do progresso não se concretizou após a Revolução Francesa e a consolidação na França do Estado laico, pelo contrário, o espaço escolar e a lógica de ensino ainda reproduziam o paradigma clerical, sendo aos poucos ressignificados aos moldes do sistema capitalista. Os discursos progressistas da época não alcançaram o êxito esperado na transformação da vida escolar dos europeus. Hoje, as teorias pedagógicas influenciadas pelo pós-modernismo também estão ameaçadas de não saírem do papel. A escola não goza mais do poder de monopolizar os “espaços de saberes” tal como pretendia as primeiras universidades católicas do século XII, nem de posicionar-se como “o lugar da verdade” tal como almejavam os iluministas do final do século XVIII. A escola do século XXI, compreende José Carlos Libâneo, “tem concorrentes poderosos, inclusive que pretendem substituir suas funções, como as mídias, os computadores e até propostas que querem fazer dela meramente um lugar de convivência social” (LIBÂNEO, 2007, p. 24). A escola tem futuro? Eis o título da obra organizada por Marisa Vorraber Costa. Não é novidade que a educação na história do Brasil, quando foi tratada, privilegiou as elites ricas. Enquanto colônia, não havia sentido para a coroa portuguesa investir na educação daqueles que só tinham serventia para a exploração do trabalho. Além disso, um regime de escravidão desumano e violento no qual os negros não tinham nem sequer direito sobre si mesmo completava a total falta de interesse na questão. Os que almejavam “os tesouros” da educação tinham de investir altas somas de recursos para pagar todos os custos de vida na Europa, pelo menos, até os primeiros decretos para a construção de escolas de ensino superior, possível naquele momento com a residência da coroa portuguesa no Rio de Janeiro em 1808. A Constituição de 1824 apenas corroborava essa distinção social e a preocupação legal cabia apenas investimentos a formação de médicos, bacharéis de direito e militares. Influenciado pelos ideais liberais, o direito à educação tornava-se uma busca pessoal e particular do indivíduo no qual o Estado pouco deveria intrometer-se sob-risco de provocar desequilíbrios e crises sociais. Para os partidários do liberalismo, o direito à educação tinha tudo a ver com o mercado de trabalho; para os conservadores, o ensino deveria privilegiar a moral e a ordem, a escola serviria para “regenerar ou higienizar o indivíduo”, formá-lo para a convivência social. Os esforços ainda no Brasil imperial de promover a instrução primária esbarravam na dura realidade da exploração do trabalho infantil. A criança na escola significava prejuízos com a produção. E quem arcaria com os prejuízos de crianças e de jovens desprovidos de educação? Como bem demonstrou Maria Cristina Teixeira (2008) em O direito à educação nas constituições brasileiras, em sessenta e quatro anos o Brasil promulgou sete constituições, no que tange à educação, todo esse período foi marcado por avanços e regressos de políticas conciliatórias com a dinâmica do capital, ou seja, conquistas de “vinte anos” se perderam em alguns meses, como foi o caso da Constituição de 1967 que desobrigava as esferas públicas da alocação de recursos mínimos ao sistema de educação. Cabe ressaltar que a aprovação de leis (especialmente as mais progressistas) não significou necessariamente a sua aplicação e obediência na prática. Além disso, as esferas municipais, estaduais e federais “alternaram” (não sucessivamente) em sua competência na gestão de políticas educacionais o que prejudicava o andamento de projetos e de programas que ora era competência das Câmaras Municipais (1828), ora das Assembleias das Províncias (1834), ora do Poder Legislativo (1934), ora da União (1946), em seguida complementada por empresas comerciais, industriais e agrícolas (1967).

A ESCOLA ESTÁ PARA A SOCIEDADE, ASSIM COMO A SOCIEDADE ESTÁ PARA A ESCOLA

O trabalho O sujeito e a relação com o saber de Bernard Charlot (2003) ao questionar as teses de ciências sociais (sociedade) e de psicologia (indivíduo) dirigidas à educação apresenta uma importante sugestão de como as relações entre a escola, o meio social e o sujeito devem ser vistos, não mais de forma isolada ou dicotômica, e sim, imbricadas. Qual o sentido para o aluno de frequentar a escola nos tempos atuais? A falta de autoridade e autonomia dos professores de um lado e a indisciplina dos alunos do outro revela parte da indisposição do sistema de educação? Seriam os alunos mais “adaptados” a vida escolar aqueles que obedecem às regras sem questioná-las e conseguem reproduzir de forma impecável aquilo que lhes foi ensinado? O que faz o aluno ter prazer em ir para a escola e aprender? O espaço escolar atual não se restringe mais ao ponto de vista de políticos, de gestores ou de professores, os alunos e a comunidade não podem ser excluídos desse processo sempre inacabado de construção do sistema de educação. A escola com alunos, carteiras e quadro; professor sob a responsabilidade ao mesmo tempo de ensinar e de supervisionar a disciplina de dezenas de discentes, numa relação predominantemente assimétrica, reproduz ainda em sua dinâmica de valores uma cultura completamente desarticulada com as necessidades atuais. A escola não mais se restringe ao caráter habitual no qual foi relegada por séculos. As inovações tecnológicas aceleradas propiciam aos alunos diferentes formas de interação e constantes oportunidades de aprendizagem que transcendem a sala de aula. O espaço escolar passa a ter um significado diferente do que um dia já foi e que agora precisa ser para atender ao seu papel social. Para Alice Miriam Happ Botler, Melania Santos de Lima e Wiviane Alves Dias em Gestão Democrática: Implicações da Participação da comunidade para a Melhoria da Organização da Escola a lacuna ou o gap existente entre a autonomia democrática garantida pela Constituição da República Federativa de 1988 e a efetiva participação dos intervenientes na gestão das escolas ainda é profunda, distante do ideal democrático. Explicam os autores, “o objetivo é construir uma verdadeira educação com o máximo de contribuição e participação dos membros da comunidade, o que nos leva a perceber que uma gestão de qualidade implica em um trabalho coletivo. Então, toda ação planejada pela escola deverá ser pensada de modo que todos os envolvidos na comunidade escolar juntamente com a comunidade extraescolar devam se envolver para tornar o serviço ofertado pela escola suficiente e satisfatório a todos os membros envolvidos no processo” (BOTLER; LIMA; DIAS, 2012, p. 6). Logo, não se trata apenas de convocar a comunidade e recolher as “doações”, é preciso criar um elo de permanente compromisso e de participação e isso não depende apenas de uma predisposição de ordem legal, mas de uma política e gestão engajadas na delegação de poderes, ainda mais, no compartilhamento deles junto aos processos decisórios da escola. A lei por si só não assegura o processo democrático nas escolas. Com base na teoria da reciprocidade do cientista social Marcel Mauss no qual um “pacto social” se estabelece acordado entre dois grupos por uma conexão de trocas/intercâmbios materiais (de caráter não mercantil e utilitarista) chamado de dons/dádiva. Marcel Mauss não está dizendo que essas comunidades também não faziam trocas comerciais, porém o seu objeto é exatamente as trocas materiais (e espirituais) não comerciais. Sendo assim, a natureza central da reciprocidade está associada com o significado simbólico da tríplice obrigação de “dar, receber e retribuir” estabelecida entre sujeitos por uma sequência de dons/dádivas indissociáveis de suas relações humanas. Logo, trata-se de um modelo complexo de interação que permeia cada aspecto da vida social pela geração de amplos valores de vinculação e pertencimento. A esse respeito, Alexandre Simão de Freitas explica: “Nas sociedades modernas, o conceito de equivalência e a separação das esferas pública e privada veio a subsumir uma formalização adequada do caráter vinculatório que o princípio da reciprocidade enuncia” (FREITAS, 2011, p. 68-9). Nesse sentido, a contribuição de Alexandre Simão de Freitas é fundamental para compreender que, na ótica da teoria da reciprocidade, princípios e valores da prática coletiva antes incorporada como formas inquestionáveis de cooperação mútua passaram agora a ser necessariamente mediados pelo Estado como representação máxima do poder público. Portanto, o Estado seria esse elemento “neutro e mediador” no qual se procura garantir “democraticamente” (ou não) as condições de cooperação social através da garantia jurídica de direitos. Isso significa que as pessoas não mais possuem as experiências de uma cooperação social vinculada com o sentimento de pertencimento a comunidade, elas são concebidas numa sociedade alheia deste processo cultural, por isso a necessidade e a dependência para com o Estado. Este, entendido ampla e equivocadamente como a instituição reguladora e protetora do “bem comum”. Em O papel do professor (a) na consolidação da gestão democrática na rede municipal do Recife de Maria do Socorro Vitor, Vânia Claudia Barbosa Wanderley, Alice Botler e Ana Lúcia Borba (2005) investigam a contribuição dos diretores, vice-diretores, coordenadores e professores na gestão escolar de um colégio pertencente à Rede Municipal de Ensino da Cidade do Recife, a Escola Municipal de Iputinga fundada em dezembro de 1988, logo “nascida” sob as diretrizes da gestão democrática garantidas pela constituição. A conclusão do artigo é muito significante porque destaca não só a importância da atuação dos atores sociais que compõem o espaço escolar (inclusive a comunidade), mas também a relação entre o comprometimento desses indivíduos quando inseridos nas instâncias de poder com certa autonomia e com espaço permanente para as suas opiniões.

A ARMADILHA DA ADMINISTRAÇÃO CIENTIFICISTA E A INCOERÊNCIA NOS VALORES DA EDUCAÇÃO

Os pressupostos acerca dos problemas da falta de comprometimento e do descaso dos intervenientes com o sistema de educação não se explica apenas observando as aparências das relações diárias dentro da dinâmica do funcionamento de uma escola. Sem compreender os processos históricos que constituem os discursos políticos hegemônicos e as relações de poder e os antagonismos de classes no qual influenciam diretamente as políticas, a gestão e a prática escolar, o pesquisador metafísico se desviará da história e associará os problemas encontrados com o campo cultural pela impossibilidade de comprovar suas hipóteses diante das condições materiais. Em Planejamento educacional e a “modernização” da gestão educacional em Pernambuco, Ana Lúcia Arruda (2013) demonstra as políticas do Estado de Pernambuco no governo de Eduardo Campos para o planejamento estratégico da educação através da execução de teorias da administração de empresas privadas como modelo de gestão das escolas, acompanhando um processo histórico mundial que relaciona o sentido da educação com metas e resultados a ser alcançados, isto é, com pouca ênfase nos meios e nos processos para alcançá- los. A autora aponta os mecanismos de controle que foram sendo efetivados gradualmente nas redes escolares aqui em Pernambuco, desde o PROGESTÃO em 2000 pela Secretária de Administração e Reforma de Pernambuco até a implantação da política de recompensas por resultados em 2007, que busca acima de tudo a produtividade e o desempenho máximo das escolas através da gestão de valores quantitativos comparáveis. A cultura da concorrência desenfreada entre as escolas públicas estaduais mediada por indicadores de produtividade propõe de certo modo a “sobrevivência dos mais fortes”, em outras palavras, daqueles que conseguem alcançar as metas, atender às “expectativas” do mercado. O incentivo a performatividade escolar é construído sob o modelo neoliberal, que prevê um Estado mínimo em suas responsabilidades sociais, uma vez que a “lógica de mercado” (automaticamente) forçará a média de qualidade e desempenho para cima. Os modelos cientificistas da administração de empresas ressignificados pela lógica neoliberal voltada estritamente para os resultados (números) e as “leis do mercado” são adotados pelo Estado e impostos através de políticas educacionais as escolas nos âmbitos federais, estaduais e municipais. O Estado como instância centralizadora de poder submete de “cima para baixo” através da burocracia as diretrizes a serem seguidas, punindo a instituição escolar e todos aqueles (intervenientes) que se desviam das metas. Interessante destacar o sentido contraditório desse “ciclo vicioso”: as escolas consideradas de qualidade (atingiram as metas) recebem mais recursos do que as “deficientes” (não atingiram as metas), ou seja, as instituições com dificuldades e sem recursos ficam esperando “milagres” ou terminam sofrendo com as mudanças repentinas de uma administração mais rígida e punitiva para se “adequar” ao perfil gerencial “moderno”. A autonomia e a inovação da escolha do projeto pedagógico nas escolas, previsto no artigo 15 da Lei de Diretrizes e Bases (LDB) e na Constituição Federal de 1988, não conseguem se sobrepor aos interesses materiais do Poder Executivo. Por que a legislação e a transformação cultural não são suficientes para garantir uma escola democrática? NAS AMARRAS DA BUROCRACIA A escola inclusiva se prepara para receber a todos os alunos independentemente de sua condição e crença. Ela compreende o aluno como cidadão que tem o direito à educação e, dessa forma, assume  compromissos políticos e responsabilidades sociais, desenvolvendo procedimentos pedagógicos para acolhê-los. As diferenças sejam elas de classe, de gênero, de nacionalidade, de nível de aquisição educacional, de condição física ou intelectual motivadas por necessidades especiais, longe de instigar a formação de preconceitos representam fatores motivacionais de investimentos, de inovações pedagógicas, de pesquisas e políticas educacionais. Amplia-se assim o acervo de experiência educativa no sentido de promover a educação como direito social essencial para o desenvolvimento da sociedade e assegurado pela legislação brasileira. As diferenças não apenas dos alunos, mas também dos intervenientes responsáveis pelo espaço escolar devem ser apreciadas em sua diversidade de experiências num sentido de cooperação e não de competição como vem sendo realizado. A gestão democrática tem papel fundamental para reverter esse paradigma (competição x cooperação) estimulado pelas políticas públicas, mas isto não se faz a partir dos diretores de escola. O estudo de Iágrici Maria de Lima Maranhão e Luciana Rosa Marques (2014) em Os mecanismos de participação social na escola comprova que somente por força de lei, o Estado não garante a participação efetiva da comunidade nos processos democráticos do espaço escolar, e nem a comunidade em curto prazo faz valer os seus direitos de participação. Esse sentimento de pertencimento ao meio vai além da mera tentativa estatal de usar os mecanismos de determinação legal para propor uma política educacional democrática no país a partir da Constituição de 1988. O sentimento de pertencimento ao espaço escolar não tem a lei como um fim, apenas como um meio subjetivo e legitimador de uma prática material e real. Portanto, uma coisa é promover e incluir a comunidade, outra bem diferente é a sua participação ativa, o que inclui a delegação de poderes. A inclusão democrática da comunidade nas dimensões da prática escolar conforme orienta a legislação nacional não é cumprida rigorosamente desde sua criação até os dias atuais, por consequência, a comunidade (em suas poucas exceções) não se sente verdadeiramente parte integrante e responsável pelo funcionamento do sistema institucional de educação no país. A consequência disso são os poderes legais previstos em lei da comunidade em representar a sua vontade no conselho escolar serem “delegados” para o gestor da escola. Em Pernambuco, desde a gestão de Eduardo Campos em 2007, os diretores indicados pela comunidade são escolhidos pela Secretária de Educação (uma prática antidemocrática), faz um curso de gestão organizado pelo governo e assina um termo de compromisso com as metas do governo. Seguindo os estudos de Per-Erik Ellström (1984) apud Licínio Lima (2011), sobre os modelos de gestão educacional, logo se percebe as divergências quanto aos “objetivos e preferências organizacionais” e as “tecnologias e processos organizacionais” entre as propostas racional, político, de sistema social e anárquico. O texto A escola como organização educativa de Licínio Lima (2011) de onde é citado o excerto acima deixa bem claro os problemas do excesso de burocratização do sistema escolar em domínio das teorias da administração neoclássica adotada oriundamente pelas redes de ensino britânico e incorporadas em quase todo o sistema escolar da esfera ocidental ao longo do século XX.

Texto completo em: http://www.periodicos.unir.br/index.php/LABIRINTO/article/viewFile/1750/1611

Anúncios

The CIPRES Science Gateway V. 3.3

arvore-da-vida

The CIPRES Science Gateway V. 3.3 é um recurso público para a inferência de grandes árvores filogenéticas. Ele é projetado para fornecer à todos os pesquisadores com acesso a NSF XSEDE, grandes recursos computacionais através de uma interface simples navegador. Agora também é possível acessar esses mesmos recursos programaticamente com a CIPRES REST API .

Códigos paralelos de desempenho elevados para o Grande Árvore Inferência e alinhamento de sequências em XSEDE:
RAxML ; MrBayes ; BEAST ; BEAST2 ; Garli ; mafftDPPDIV ; FastTree, jModelTest2 e Migrate-N . Se você precisa de acesso a PhyloBayes , por favor consulte.

Códigos seriais para Tree Inference:
PAUP * (Inferência por Parcimônia); Poy  (alinhamento e inferência);

Códigos de série para Sequence Alignment:
ClustalW ; Contralign ; MUSCULARES ; PROBCONS ; PROBALIGN

Códigos paralelos atualmente suportados pela CIPRES Cience Gateway

Código Versão Língua Compilador Computador Cores
cobrado
biblioteca MPI enfiando outro Software
FERA 1.8.3 Java Cometa 2-48 Java BEAGLE 2.1
BEAST2 2.3.2 Java Cometa 1-3 Java BEAGLE 2.1
DPPDiv 1.0 C ++ GNU Gordon 16 pthreads
FastTree 2.1.8 C Intel Cometa 2 OpenMP
Garli 2.0.1 C ++ Intel Cometa 1 a 24 OpenMPI NCL 2.1.18
jModelTest2 2.1.6 Java Gordon 8 Java PhyML 20120412
mafft 7.187 C Intel Gordon 8 pthreads
MrBayes 3.2.6 C Intel Gordon 8 ou 16 mvapich2 BEAGLE 2.1
Migre-N 3.6.11 C Intel Cometa 1-72 mvapich2
PhyloBayes 1.5a C ++ Intel Gordon 64 mvapich2
RAxML 8.2.8 C Intel Cometa 12, 24, ou 48 OpenMPI pthreads

 

CLIQUE AQUI E DESCUBRA

Mais de 600GB de material para estudo em TI: Cursos, vídeo aulas, livros, apostilas de todas as variantes da Tecnologia da informação:

 60 GB em vídeos aulas de Java 16 DVDS – Senha = pr0mp7.torrent

Tamanho:153 KB
https://mega.co.nz/#!JRgjRLBT!nNg8JO31WWskPXH96xn1efu9mZqfgM%20jVZo24v6CAiLg

Livro Python para Pentester e Hackers

https://mega.nz/#!atQHACib!jff1wMGqCDMq1s8CjGWcbLDAcgol53DXvWYrwehV6tE

Curso de PHP

https://mega.nz/#F!WJVmQI4K!oosRA55mOWFMGR5qu9ssJg

Curso DreamWeaver

https://mega.nz/#F!AUhkiSpK!HlSxR0lexLecXjCowGG3AQ

Curso de Redes

https://mega.co.nz/#F!hZxDHLIZ!Pw8xfRmJirbL9Jvvip_iKw

Segurança em Redes

https://mega.co.nz/#F!cdQWjA5S!cX1sn4-sDpl1iWTH2b8-8w

Banco de Dados

https://mega.co.nz/#F!4R4ywJYb!-QLSTcDQ7GyhLeauC9HOlA

Curso de Eletrônica

https://mega.co.nz/#F!EYplFZRJ!Hd3g53t4SWuZ_ocF1fGLaw

Curso de JOOMLA completo

https://mega.co.nz/#F!kAohEChQ!C0XDspJDpw7tVxAgZizcaw

Curso de Linux

https://mega.co.nz/#F!YNI3kS5R!VsbYhu0sYIidqlKwwnH14Q

Curso Hardware

https://mega.co.nz/#F!EBAUCBDC!M2L3z07ypj05HtAQSeXkGA

Mega pacote de cursos Alura

https://mega.nz/#!FhxXwK7K!-Kzt-IDBs-rhVWC1_DgaULd7vSkZG7dWULCi_99kiOY

Curso Wireless Hacking

https://mega.co.nz/#F!AFJm2TLK!I6f4pZSX2ltoGBs0b1ztsQ

Curso WordPress

https://mega.co.nz/#F!cBIUBDTZ!Qtx1ahx-YeXUPdzIghwatA

Engenharia de software

https://mega.co.nz/#F!gUAmjbpD!BW7cylJHD_rcO1rryJ1sVQ

Hacking

https://mega.co.nz/#F!ER53kboI!H2RKhe5oMegv0APK2cQoFQ

https://mega.co.nz/#F!9QhWHbTI!oarMp7t3tzyY_yu08KHoEQ

Hardware

https://mega.co.nz/#F!oIZW3AzQ!LqcZV5fNLLmsxKfXAl6EtA

Introdução aos Sistemas Operacionais

https://mega.co.nz/#F!oZpVgbTR!MnX35yBQTexHPm4J8nIP2A

Linux

https://mega.co.nz/#F!YNg3xYhY!KQxsOV5rOF4ZhZm5LaiTwQ

Linux Essentials

https://mega.co.nz/#F!sBZhXDAI!NCWJslFznUXBaymdg_kmuA

Lógica de Programação Usando Python

https://mega.co.nz/#F!QAZ31aYY!JtCs0a5who41VK3jNsBa4Q

OYS pentest – Curso Teste de Invasão em Redes e Sistemas

https://mega.co.nz/#F!dVQkDTIQ!MLNKb5ZELHuIarpqHA0HxQ

Programação WEB

https://mega.co.nz/#F!AQQU3LYI!MIYAsxFZtfFTxpIqfHfIBg

Redes

https://mega.co.nz/#F!NMh1SZQC!5CKtEXGJy2JrIafPhvUuew

Segurança

https://mega.co.nz/#F!MN402QIb!_S4Jg-opFAFQVtl3lR4yJQ

Sistemas Operacionais

https://mega.co.nz/#F!JJAVwQAC!FB-jqhynRl_3CUuNzt7oMw

Software Livre

https://mega.co.nz/#F!EMgUkKxI!Wmv2SRC5bQNiLaZdbNBa9w

Teste de Invasão em Redes Sem Fio

https://mega.co.nz/#F!AUQwgIpa!NFW83TBeph3-7A7-LZqy4Q

Apostila HTML CSS

https://mega.co.nz/#!8FpXjbKB!11EMXK2wdfH3OC5BseR0PMbT9MYSGO%20tMtJrfiv5umEE

Artigo – wireshark

https://mega.co.nz/#!pc43VIpR!qy50wLU0yM7TsaeJtNu7RdaFw88BId%20VmDxCqd_E7ouQ

Curso Android Básico

https://mega.co.nz/#!pRAglZqB!hxJ9kG6dvUVukuT5tKQFMzf7_2jKdx%20V4SjM-IFzl2ns

Curso Banco de dados SQL e Modelagem

https://mega.co.nz/#!QYZSlCLB!FudRrApaiBV1oshkcHo2Rm38KeKSk1%20i_WN_0G84Q41M

Curso completo de Python

https://mega.co.nz/#!pEwA1IBL!REq1z_rnrc-ttqhEI-aGnxHcxc__0x%20gix5F98CwCkKI

Curso Linux

https://mega.co.nz/#!JIxVgYTZ!2aVR4SMtttlGoaEbTl7NGXa8n_VuhE%20K9XzjrlchSqss

Curso ipv6

https://mega.co.nz/#!xd50wAjA!sXt5m6tdZkZ_0ppNw7RKAw9gWgNYsM%20qVR12tr9FoTvM

Hackeando Mentes

https://mega.co.nz/#!kIBzmYAQ!VEYe_yI1Q6xBBsq_m5yvv_eIG3DH3n%20Xbp2AKkqLly88

Hacker inside

https://mega.co.nz/#!9ZgSyCCY!sBTV9Mva-fCYw5QKF0TkJfolcDsuox%20KqadjDqrjQTIM

Kevinmitnick a arte de enganar

https://mega.co.nz/#!INJglDRQ!H1KGBLTP9pEWtfZrp5VAbspu0Uo_Me%20_hkvtNh4B3Dm0

Banco de dados

https://mega.nz/#F!edRGmCIC!RS7TIjy7Krd4blcpLk2_hw

Computação Forense

https://mega.nz/#F!LVZgyKxT!0UEl9uphWKK5XN2iHo2ZTg

Curso inglês

https://mega.nz/#F!rMQW2CiD!nUNJvZ1nIeRHBMx33Vw8oQ

DeepWeb

https://mega.nz/#F!SdACSJSL!ck9c2S2FvjdI-L1ji-8JkQ

Edição de imagens

https://mega.nz/#F!vFIGFBpI!eRnEOpNziIS_mZx4IAIUsg

Engenharia de software

https://mega.nz/#F!ScwiGDhY!mFZz6mdkPMGVs5_6ZPOQeQ

Hacking

https://mega.nz/#F!vVoUhSrY!CCRwM3BC7U31BaAFZHl5SQ

Introdução a sistemas operacionais

https://mega.nz/#F!3doigIaC!pbDI81QC_3K2sD-Y08i1_g

Microsoft office

https://mega.nz/#F!KE4h2KQJ!ARugbDhPAqm9WWet6R606g

Normas para a apresentação de trabalhos acadêmicos

https://mega.nz/#F!2YpWWYrQ!njzFN2wdEjcL-n48ouCwvA

Programação WEB

https://mega.nz/#F!Lc4jwILR!YjIOrB8spSKjbwHmNvP8hQ

Redes

https://mega.nz/#F!vdIXgCRB!LpBx2GGbuthGu7FLHL5CsA

Segurança

https://mega.nz/#F!bFgHiBZB!XHC6bDoVYO3JEMJzf3pPmg

Sistemas operacionais

https://mega.nz/#F!fBxDULYK!g6jOZV3cjXwLYzuWhqCUnA

Software Livre

https://mega.nz/#F!HFABDDgQ!eH-cL2wdBu5y_fbY8yV78A

Teoria da computação

https://mega.nz/#F!rRwjTSiC!QOCkako5vL8sIarKYrZHPA

Vídeo aulas

https://mega.nz/#F!iJgkhDRI!LcvTfLA5rRUe1fwdqa1BUA

São tantos cursos que não dá nem pra mencionar aqui do que eles tratam, mas tem coisa muito boa lá, e grande parte deles são bem atuais, tratando sobre Web, Deepweb, Programação, Pentest, Hacker, Linux. Office, Idiomas, e muitos mais.

+BONUS DE MAIS 380GB em cursos ainda não catalogados:

https://mega.co.nz/#F!98cg2TSR!1q1OctEo3sOq25J11JAbOg

https://mega.nz/#F!V55BFDbD!3cBs3zMuk168LXfhfRmm-g
https://mega.nz/#F!wVsCjS7A!K7jrAMW6b7RX_AC6TT3msA!tZcAXCrK
https://mega.nz/#F!mIcTSRgJ!or6uaG2MJdh4jEKuHPYo_g!SAEDHBbB
https://mega.nz/#F!wVsCjS7A!K7jrAMW6b7RX_AC6TT3msA!ARcBlRhZ
https://mega.nz/#F!WJVmQI4K!oosRA55mOWFMGR5qu9ssJg
https://mega.nz/#F!wVsCjS7A!K7jrAMW6b7RX_AC6TT3msA
https://mega.nz/#F!WcBzgZhK!pJ1WsYkq8Evo1EhJi5oiJA
https://mega.nz/#F!mBB1BSrJ!RPojuKs757rJAIk-hVo4vw

https://mega.nz/#F!khhRAbwa!W5xZdG5Yat_y10Em_rmCng

https://mega.nz/#F!AE9GlDRT!mQQ1laUDxLw52-q1DljDsg

https://mega.nz/#F!CV9WFJYK!cjNuwXYg5wm6rc0YZTqaIg

https://mega.nz/#F!YF12iJ6B!933zM4O_EAxQWR16jC7I3Q

https://mega.nz/#F!ml8xGDYT!8LXsPyDMvQj8jWaM1k4rYQ

https://mega.nz/#F!tsNijbTR!Qj–39YrI4RsIwu6NTrfTQ

http://suporteninja.com/mais-de-300gb-de-cursos-em-ti-para-download-no-mega/

( Na verdade tem mais de 600GB de conteúdo)

Conheça o Sci-Hub: o Pirate Bay dos artigos acadêmicos

http://sci-hub.io/

scihub

A filosofia é exatamente essa: dar acesso livre a todos os artigos científicos publicados – até agora, e também no futuro. Esse propósito está, aliás, estampado na página de abertura da plataforma (http://sci-hub.io), que clama ser a primeira a prosseguir, e a concretizar, este objetivo. Com quase 50 milhões de artigos no seu portfólio, deve estar, aliás, muito perto de conseguir disponibilizar tudo quanto já se publicou no universo das revistas científicas.

Consultando

O site funciona em três etapas. Primeiro, quem busca algum artigo insere o link ou o código DOI da obra a qual deseja ter acesso. Depois, a plataforma tenta baixar o artigo solicitado buscando por uma cópia no banco de dados LibGen, um banco de conteúdo pirata, que hospeda mais de cem milhões de livros (provavelmente aquele PDF que você nunca encontrou no Google está lá), e que abriu suas portas para trabalhos acadêmicos em 2012 e agora contém mais de 48 milhões de artigos científicos.

No entanto, a terceira etapa é a parte engenhosa do sistema: se LibGen ainda não tiver uma cópia do documento, o Sci-Hub tem uma segunda maneira de ignorar o pedido por pagamento da revista científica: o compartilhamento de senhas. O site conta com uma rede global de compartilhamentos de senhas e acessos a proxies de universidades que disponibilizam para seus estudantes o conteúdo aberto de algumas publicações científicas.

Isso permite que o Sci-Hub encaminhe o usuário direto para o PDF do artigo que ele quer acessar, através de senhas ou proxies universitários, editoras como JSTOR, Springer, Sage e Elsevier. Depois de entregar o artigo para o usuário em questão de segundos, o Sci-Hub doa uma cópia do documento para LibGen, sendo desnecessário acessar novamente o site da universidade na próxima requisição, e o artigo fica então armazenado para sempre, acessível por todos e qualquer um.

Fonte: http://partidopirata.org/conheca-o-sci-hub-o-pirate-bay-dos-artigos-academicos/

A importância dos jogos na aprendizagem da matemática

Título: A importância dos jogos na aprendizagem da matemática
Autor: Santos, Manuel
Orientador: Ramalho, Rui
Palavras-chave: Jogos de estratégia
Teoria dos jogos
Jogos matemáticos
Ensino da matemática
Data: 2010
Citação: SANTOS, Manuel – A importância dos jogos na aprendizagem da matemática.Porto : [ed.autor], 2010. 70 f.Trabalho de projecto não editado.
Resumo: Este trabalho foi desenvolvido no âmbito da Pós Graduação TIC em Contextos de Aprendizagem. Começamos por abordar alguns modelos de aprendizagem e a importância dos jogos no processo de ensino-aprendizagem da Matemática. Analisamos alguns jogos de estratégia e de cálculo. Fizemos uma pequena incursão pela Teoria dos Jogos de John Nash. Fizemos referência a alguns projectos desenvolvidos no âmbito deste curso nomeadamente de produção de objectos de aprendizagem. Finalmente, usando uma técnica de investigação sociológica (inquérito fechado) procuramos saber a opinião dos professores sobre a utilização e importância dos jogos na aprendizagem da Matemática. As conclusões mais relevantes que tiramos foram que todos os professores inquiridos entendem que os jogos contribuem para motivar os alunos e uma esmagadora maioria pensa mesmo que contribuem para o sucesso dos alunos na disciplina.
This work was developed in the bounds of Post Graduation in ICT in Learning Contexts. We have started to explore some learning models and the importance of games in the learning-process of Mathematics. We have analyzed some games of strategy and calculation. We have done a little research by John Nash´s Games´ Theory. We have made some references to some projects developed in the bounds of this course namely the production of some learning objects. Finally, using a sociological technique investigation (closed inquiry) we tried to know from the teachers the utilization and importance of Mathematics´ games in the learning process. The most relevant conclusions we took, were that all the inquired teachers perceive that the games contribute to motivate students and a large majority really thinks that they contribute for the students´ success in the subject.
URI: http://repositorio.esepf.pt/handle/10000/375
Aparece nas colecções:
PG TIC em Contextos de Aprendizagem

http://repositorio.esepf.pt/bitstream/10000/375/2/PG-TIC-2010_ManuelSantos.pdf

MIT Media Lab: https://scratch.mit.edu/

Realidade Aumentada em Sala de Aula – 9

Note: A versão up-to-date deste documento está sempre incluído no subdiretório Documentação da distribuição fonte Vrui.

Em nível de usuário Documentação

Estes são os conteúdos atuais do manual do usuário Vrui:

Using Vrui Applications
Uma introdução à interface de usuário do aplicativo Vrui no ambiente de trabalho.
Components Defining a Vrui Environment
Uma introdução à forma como Vrui entende ambientes imersivos de exibição.
The Vrui Display Area and its Coordinate System
Uma introdução à configuração do sistema de exibição Vrui a um determinado ambiente de realidade ou desktop virtual.
Using Desktop Input Devices with Vrui
Um guia para o uso de dispositivos de entrada de desktop, como joysticks ou spaceballs com aplicações Vrui.
Setting up and Calibrating a Vrui VR Environment
Um guia passo-a-passo para configurar um (multi-screen) Vrui ambiente e para calibrar dispositivos de entrada de 6 DOF.
Multi-window Rendering in Vrui
A explicação detalhada de como Vrui alças renderização para janelas múltiplas / displays, usando um cluster, várias placas gráficas dentro de um único computador, ou múltiplas saídas de vídeo em uma única placa de vídeo, ou qualquer combinação destes.
The Vrui Configuration File
Descrição da estrutura de base do ficheiro de configuração Vrui.
Vrui Configuration File Settings Reference
Lista de todas as configurações Vrui lê a partir de seu arquivo de configuração.
Vrui Tool Configuration File Settings Reference
Lista de todas as classes principais ferramentas Vrui, seus nomes de classe internas e as configurações podem ler a partir de suas seções do arquivo de configuração.
VR Device Daemon Configuration File Settings Reference
Lista de todas as configurações de driver de dispositivo VR autônomo de Vrui, VRDeviceDaemon, lê-se a partir de seu arquivo de configuração.
Recording and Playback of Vrui Sessions
Um guia sobre a facilidade de gravação de Vrui, que captura a interação de um usuário e uma faixa de áudio opcional para reprodução posterior.

Programmer-Level Documentation

These are the current contents of the Vrui development documentation:

The Vrui FAQ
Perguntas freqüentes sobre o desenvolvimento de aplicações com o kit de ferramentas Vrui.
Library Overview
Visão geral da funcionalidade fornecida por cada biblioteca que compõem o kit de ferramentas Vrui.
Development Rules
Uma coleção dos pros e contras de desenvolvimento de aplicações Vrui.
GLContextData
Descrição detalhada da separação entre Estado contexto por aplicativo e per-OpenGL em aplicações Vrui. Leitura obrigatória se um desenvolvedor quer criar aplicativos que mantêm estado OpenGL, como listas de exibição, objetos textura, buffers de vértice, ou programas de sombreamento.
Input Handling in Vrui
Uma descrição de como lida com Vrui entrada do usuário, traduzindo medições de hardware do dispositivo de entrada de baixo nível e eventos em funções de nível de aplicação, tais como navegação ou seleção / arrastamento. Em construção.
O código-fonte Vrui
Use a fonte, Luke!

http://idav.ucdavis.edu/~okreylos/ResDev/Vrui/index.html